Comportamento

Ofendida por técnico, jornalista fala de machismo: "Todas somos vítimas"

Reprodução/FacebookRenatadeMedeiros
No estádio Beira-Rio, Guto Ferreira pede desculpas para Kelly Costa após comentário machista Imagem: Reprodução/FacebookRenatadeMedeiros

Amanda Serra

Do UOL

19/07/2017 18h08

A luta feminina pela igualdade no ambiente de trabalho vai muito além da equiparação dos salários (segundo pesquisa, em 2015, os homens recebiam, em média, R$ 490 a mais que elas). Mulheres que trabalham em setores predominantemente masculinos costumam ter que provar sua capacidade frequentemente, além de terem que lidar com comentários machistas de colegas e superiores.

Foi o que aconteceu na última terça-feira (18), após a vitória do Inter sobre o Luverdense pela Série B, a repórter Kelly Costa da rede RBS questionou Guto Ferreira sobre as chances desperdiçadas por sua equipe durante a partida em Porto Alegre. Na hora de responder à pergunta, o técnico da equipe colorada apelou para o gênero.

"Não vou te responder com uma pergunta porque você é mulher e talvez não tenha jogado (futebol). Mas todo jogador que joga tem dificuldades de ter uma tensão a mais no lance final... ", disse o treinador.

Única mulher na sala de imprensa, a jornalista que tem quatro anos e meio de experiência com jornalismo esportivo se viu coagida e menosprezada por pertencer ao sexo feminino.

Nesta quarta (19), em uma publicação em suas redes sociais, Kelly falou sobre o impacto da fala do técnico em sua carreira e pediu por mudanças. “Mas que bom que esse acontecimento nos fez recolocar em pauta uma discussão que já existe há muitos anos e não pode morrer. O machismo está na sociedade inteira. Não só no futebol. Está em todos os lugares e em todas as profissões. Todas as mulheres que eu conheço algum dia foram alvo de comentários machistas. Alguém aí não? Então, o que eu desejo hoje é que tenhamos força e resistência para desconstruir isso tudo: o machismo, o racismo, o sexismo, a homofobia... O preconceito precisa ser desconstruído”, escreveu ela que conversou com o UOL e explicou que não falaria “mais nada” além post.

A gente já sofre demais por ser mulher, não precisa vir mais um cara e te menosprezar por conta do seu sexo

Reprodução/FacebookRenatadeMedeiros
Frequentadora de estádio desde criança por conta a mãe, Renata de Medeiros decidiu que queria ser jornalista esportiva aos 12 anos Imagem: Reprodução/FacebookRenatadeMedeiros

A jornalista Renata de Medeiros do “Futebol da Gaúcha” estava no estádio na hora que a colega foi hostilizada e movimentou as redes sociais ao comentar o caso. Até o momento, seu post acumula cerca de 16 mil curtidas e 5.000 compartilhamentos.

“Eu me senti muito atingida com o comentário do Guto para Kelly. Estava na zona mista entrevistando o Uendel [Pereira Gonçalves, lateral esquerdo], fora da sala de imprensa na hora que ele falou aquilo ao vivo, paralisei ao ouvir. Pensei ‘não é possível!’. A Kelly estava sozinha na sala, só tinha eu e mais uma repórter trabalhando lá [estádio], e todo mundo ouviu, uns 50 caras, e ninguém se posicionou”, conta Renata que logo depois encontrou a parceira e ouviu a frase de resistência "não vamos desistir, Renatinha".

No fim, quando já não havia mais câmeras por perto, Guto chamou Kelly e pediu desculpa. “Parece que ele não entendeu o peso de sua fala para mulheres que insistem em trabalhar e 'invadir' o ambiente futebolístico que os homens pensam pertencer a eles”, relata Renata que acompanhou a cena e fez o registro fotográfico que estampa o [seu primeiro] post de desabafo no Facebook.

“As minhas amigas não esperavam a minha publicação, pois sempre fui a pessoa que responde os comentários com trabalhem vez de fazer textão. Mas não podemos ficar quietas em situações assim. É importante responder até para que os homens se conscientizem do machismo [diário], já que é algo tão enraizado na sociedade. A gente já sofre demais por ser mulher, não precisa vir mais um cara e te menosprezar por conta do seu sexo”, justifica a jovem de 24 anos.

Trabalhando na cobertura esportiva desde 2011, e única mulher da redação “Futebol da Gaúcha”, Renata já teve que lidar com inúmeras situações machistas no dia a dia e sempre preferiu responder aos ataques com conhecimento e estudo em dobro em relação aos colegas homens.

“Esse comentário não é novidade, vem do técnico, dos repórteres, dos jogadores...mas uma hora o copo transborda. Não é só o Guto que é machista, é a torcida, o ambiente, a rua, tudo... Mulher erra porque é mulher, porque não entende de futebol, já homem porque não checou direito, porque não é bom profissional. As críticas são sempre ligadas ao gênero e isso me incomoda muito”, afirma a gaúcha que ficou surpresa ao ser procurada pela reportagem e ver que não está sozinha na luta.

Leia abaixo o relato de Renata de Medeiros

Carta aberta da jornalista Kelly Costa

Pensei muito antes de fazer esse texto. Pensei inclusive em não fazê-lo. Mas não seria justo depois de receber tantas mensagens. Primeiro, obrigada! Familiares, meu namorado, amigas e amigos, colegas de trabalho, torcedoras e torcedores de Inter e Grêmio, mulheres e homens... Todos! Vocês são demais. De verdade. E queria dizer que comigo está tudo certo, tá?

O Guto Ferreira me chamou e se desculpou pessoalmente. Depois, sentiu a necessidade de se manifestar publicamente e aceitou vir ao Globo Esporte para se retratar com todo mundo. Gente, não é só comigo. Ele entendeu isso. Para mim, esse caso é assunto encerrado.

Mas que bom que esse acontecimento nos fez recolocar em pauta uma discussão que já existe há muitos anos e não pode morrer. O machismo está na sociedade inteira. Não só no futebol. Está em todos os lugares e todas as profissões. TODAS as mulheres que eu conheço algum dia foram alvo de comentários machistas. Alguém aí não? Então, o que eu desejo hoje é que tenhamos força e resistência pra desconstruir isso tudo: o machismo, o racismo, o sexismo, a homofobia... O preconceito precisa ser desconstruído.

Que essa seja a luta de todos.

Vamos em frente!
Mais uma vez, obrigada.

E, ah, #JogaQueNemMulher!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Casamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Topo