Comportamento

Cuspe? Hidratante? Óleo? Nem tudo que escorrega é lubrificante sexual

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Rita Trevisan

Colaboração para o UOL

03/08/2017 04h00

Os lubrificantes facilitam a penetração, aumentam o conforto do casal e incrementam o sexo: há versões que produzem sensação de calor e frio e com sabores, por exemplo. Porém, nem todos os produtos são seguros para aplicação na região íntima. Muitos deles alteram o pH vaginal, causam alérgias e infecções. “Como consequência, o ressecamento vaginal pode até se intensificar”, diz a médica Fabiane Berta, ginecologista pela Santa Casa de São Paulo.

Produtos que não são testados e aprovados pela Anvisa –a Agência Nacional de Vigilância Sanitária– podem até danificar a camisinha, diminuindo sua eficácia como contraceptivo. Para os casais que desejam engravidar, há o risco de prejudicar a fertilização ao utilizar lubrificantes de má qualidade.

Alternativas caseiras? Não!

Nada de usar lubrificantes caseiros, como óleo de coco, óleo de amêndoas e azeite. “O óleo de bebê, assim como os outros óleos, pode interferir na integridade dos preservativos, além de aumentar o risco de alergias”, afirma o ginecologista Vamberto Maia, especialista em reprodução humana assistida.

Loções hidratantes, que têm grande quantidade de corante e perfume adicionados à fórmula, podem ser ainda piores. Causam desconforto, coceira e ardência imediatos.

O cuspe é o mais inofensivo, mas não adianta muito. “A capacidade lubrificante da saliva é muito pequena, não se compara com a ação dos produtos industrializados”, diz Maia.

Faça o seguinte: compre um lubrificante sexual, testado para o pH vaginal, feito à base de água ou silicone. “Os que são feitos à base de petróleo podem até ter um bom efeito, mas são mais irritantes à mucosa vaginal”, explica o médico Elvio Floresti Junior, ginecologista e obstetra formado pela Universidade Federal de São Paulo.

Excesso de ressecamento precisa ser tratado 

Para a mulher, preliminares caprichadas ainda são a melhor maneira de ter uma boa lubrificação. Em algumas fases específicas, como na menopausa e no pós-parto, o ressecamento vaginal é comum. A baixa libido, característica desses períodos, está diretamente relacionada à dificuldade de ficar com a vagina úmida. Nesses casos, o uso de lubrificantes ou hidratantes vaginais, prescritos pelo médico, são importantes.

O problema também pode estar ligado à queda dos hormônios testosterona e à insuficiência da atividade dos ovários, conforme explica Luiz Fernando de Carvalho, pós-doutorando em Ginecologia e Reprodução Humana pela Universidade de São Paulo e pelo Brigham and Women’s Hospital. Por isso, ao notar que a secura está prejudicando o desempenho ou a obtenção de orgasmos, em qualquer etapa da vida, vá ao médico.

O primeiro passo é descobrir a causa. “A partir daí, o tratamento varia. Pode ser hormonal, por exemplo, mas, em muitas situações, é preciso contar com o acompanhamento de um sexólogo ou de um psicoterapeuta”, diz Carvalho.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Topo