Comportamento

Bloquear puberdade: saiba como é o tratamento para crianças transgênero

Getty Images
Imagem: Getty Images

Denise de Almeida

Do UOL

10/08/2017 08h00

Nascido biologicamente menino, uma criança de 12 anos de Uberlândia (MG) que se identifica como menina acaba de conquistar na Justiça o direito de interromper a puberdade. O tratamento evitará que o corpo dela produza barba e que sua voz engrosse, por exemplo.

A garota transgênero, em resumo, continuará com corpo de criança durante mais tempo. "Bloquear a puberdade significa que não irá desenvolver agora os caracteres sexuais secundários nem de menino nem de menina", explica Alexandre Saadeh, coordenador do Ambulatório Transdisciplinar de Identidade de Gênero e Orientação Sexual, do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Para os transgêneros, esse tipo de ação ajuda a evitar situações vexatórias socialmente, conta o médico. "Vai evitar que, por exemplo, o menino transgênero desenvolva mamas e menstrue. Se for uma menina transgênero, vai impedir que tenha barba, que o pênis cresça, que engrosse a voz e que tenha o pomo de adão. Enfim, que desenvolva todas as características que biologicamente pertençam a um sexo ou a outro".

O psiquiatra aponta que o bloqueio precisa ser feito no momento certo, logo no início da puberdade. "A ideia é ter mais tempo para observar o paciente e fazer o diagnóstico, para o pré-adolescente tomar as decisões, saber de tudo que vai acontecer na vida dele se optar pelo tratamento hormonal. Existe todo um cuidado com esse diagnóstico e a consulta do paciente e da família", revela Alexandre.

Como funciona?

Antes da decisão de impedir a puberdade ser tomada, cada paciente transgênero é examinado e tem um diagnóstico inicial. Depois passa por todas as avaliações psiquiátricas, psicológicas e sócio familiar. Se está próximo da puberdade, a pessoa então é encaminhada para o endocrinologista também examinar.

"Se o endocrinologista avaliou, tem o nosso aval, um diagnóstico e a gente tem certeza que é um menino trans ou uma menina trans, aí sim vai para o bloqueio", diz o médico.

"É uma substância que vai impedir que o hipotálamo aja sobre a hipófise e desencadeie a puberdade. O bloqueio impede que o organismo desenvolva os hormônios sexuais", esclarece Alexandre.

Após o bloqueio ser iniciado, o pré-adolescente é acompanhado pelos médicos até os 16 anos. Ao chegar nessa idade, a equipe decide, junto com os envolvidos, se apenas interrompe o tratamento, para que o corpo continue o processo de puberdade do sexo biológico, ou se opta pela terapia hormonal do sexo oposto. Se a escolha for pela segunda alternativa, a pessoa precisará tomar essa medicação pelo resto da vida. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Casamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
Comportamento
Topo