Comportamento

Você enrola no trabalho? 5 dicas para você se animar e se organizar melhor

Andrew Testa/The New York Times
Imagem: Andrew Testa/The New York Times

Gabriela Guimarães e Veridiana Mercatelli

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/08/2017 04h00

Assim como a dieta que deveria começar na segunda-feira, mas é ignorada no primeiro café da manhã da semana, a procrastinação no trabalho também faz parte da vida de muita gente (quem nunca?). Por que fazer hoje aquilo que pode ser feito amanhã? A resposta é simples: enrolar compromete a sua vida profissional. Entregar um relatório feito às pressas, porque foi muito otimista com relação ao tempo, prejudica sua performance. Mas temos uma ótima notícia: ninguém nasce procrastinador. Isso pode acontecer por motivos que vão além da desorganização, como insegurança e falta de interesse no trabalho. Que resolver isso? Não deixe para ler depois!

1) Se livre da insegurança e o perfeccionismo: vamos ao primeiro passo
Se você enrola para começar uma tarefa, a culpa pode ser da insegurança e do perfeccionismo, que aparecem, especialmente, quando você precisa executar uma tarefa pela primeira vez – como quando o seu chefe te passa uma atribuição nova. Nesse caso, a dica é agir independentemente das dúvidas: conversar com pessoas que entendem do assunto, pedir conselhos ou mesmo fazer a atividade em grupo. 
 
2) O problema é tédio? Quebre as tarefas em pequenas atividades
Agora, se você sofre para começar uma tarefa que faz sempre, é bem provável que esteja entediada. Mas tem como tornar um dever mais atrativo: em vez de pensar na tarefa como um todo (exemplo: entregar a apresentação em ppt), quebre-a em pequenas atividades (pesquisar dados, escolher imagens, montar slides...) e recompense a si mesma ao finalizar cada uma – você pode tomar um café com um colega ou entrar rapidinho no Facebook, por exemplo. 
 
3) Separe os navegadores para tarefas pessoas e profissionais
Estava tudo indo bem na execução da tarefa, mas você se lembrou de que a sua TV está com defeito, que precisa ligar para o dentista e que seus amigos vão almoçar na sua casa amanhã. Então, liga para assistência técnica, pesquisa o preço do quilo da carne e o telefone do dentista. Obviamente, o que deveria ter feito se perde no tempo. O que pode estar por trás deste comportamento é a dificuldade de concentração. Especialmente, quem trabalha em frente ao computador fica exposto a muitos estímulos. Algumas táticas ajudam, como usar um navegador para cada coisa: Google Chrome para assuntos profissionais e Internet Explorer para assuntos pessoais. Com o tempo, a mente reconhece qual ambiente é de trabalho e para de atrapalhar. Também vale deixar o celular no modo avião durante algumas horas do dia, para não receber notificações e mensagens do WhatsApp. 
 
4) Prazo maior não significa mais tempo para fazer nada
Seu deadline não é o “para ontem” e ninguém está pressionando você. Dessa sensação confortável pode nascer a procrastinadora que vai colocar as coisas que lhe dão prazer na frente da obrigação. O problema é que coisas que dão prazer existem aos montes. E quando menos esperamos, aquele prazo de três meses virou uma semana e o desespero bate. Tenha em mente que prazo maior não significa mais tempo para fazer nada e, sim, para trabalhar com mais eficiência. Ajuda mentir um pouco para si mesma – é a mesma lógica de quem levanta coloca o relógio para tocar uma hora antes, porque saber que vai enrolar na cama. Você estabelece um prazo falso de entrega para manter-se motivada. 
 
5) Vai levar 5 minutos... Só que não!
Tudo vai dar certo. Eu faço rapidinho. Isso aí é moleza. São todas desculpas da procrastinadora que crê demais na própria eficiência. A culpa, geralmente, é da falta de conhecimento de quanto tempo precisa para realizar cada demanda, o que é bem fácil de resolver: você pode cronometrar a execução de algumas tarefas, para descobrir o tempo real que cada coisa leva. Com esse número em mente, preveja eventuais percalços – a internet pifar, o ônibus não passar na hora certa, você descobrir que falta informação para concluir o trabalho... Use a regra de considerar 30 minutos para tarefas simples, como fazer ligações ou pagar contas; uma hora para tarefas médias, como responder e-mails e duas horas para tarefas complexas, montar uma apresentação, por exemplo.
 
Fontes pesquisadas para a matéria:
Andrea Murrer, formada em administração de empresas pela FGV, coach pela Sociedade Latinoamericana de Coaching, pós-graduada em Coaching e Liderança Pessoal na Universidade de Barcelona. José Roberto Marques, Master Coach Senior, presidente do IBC. Sulivan França, especialista em comportamento humano e presidente da SLAC® Coaching - Sociedade Latino Americana de Coaching. Maria Fernanda Lorenzini, psicóloga pela UFSCar e coach. Gisele Gengo, Master Coach com formação em Gestão Financeira e especialização em Gestão Tributária, com MBAs em Gestão Estratégica de Negócios e também em Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Topo