Comportamento

Coletor menstrual: guia completo para se adaptar ao copinho sem aperto

Getty Images
Imagem: Getty Images

Helena Bertho

Do UOL, em São Paulo

16/08/2017 04h00

Alternativa ao absorvente descartável, o coletor menstrual tem se popularizado nos últimos anos, a ponto de a Anvisa criar, em março de 2017, uma norma específica para regulamentar o produto.

Apesar disso, muita gente ainda tem dúvidas em relação à sua segurança e também sobre como usá-lo. Para facilitar a vida de quem está querendo se aventurar com o copinho, preparamos um guia completo para escolher, usar e não passar aperto:

Como funciona?

O coletor é um copinho de material hipoalergênico e antibacteriano, normalmente silicone, maleável, que é inserido na vagina. Lá dentro, ele se abre e forma vácuo, "grudando" nas paredes vaginais. Então o sangue que sai do colo do útero cai dentro dele e fica ali até que você retire e jogue o sangue fora.

Quais as vantagens?

É prático: você pode ficar até 8 horas com ele entre um esvaziamento e outro, inclusive enquanto dorme ou quando vai à praia.

É confortável: se usado de forma correta, você não sente o coletor na vagina.

É hipoalergênico e antibacteriano: isso quer dizer que o material provavelmente não causará reação alérgica e não favorece a proliferação de bactérias, o que diminui o risco de infecções.

Faz você conhecer melhor seu corpo: usar o copinho te obriga a manipular a vagina e, consequentemente, entender melhor como ela é. Além disso, você passa a ver o sangue menstrual e entender melhor como é seu fluxo.

Ecológico: duram entre cinco e dez anos. Isso quer dizer que nesse período você deixará de produzir lixo com os absorventes.

Econômico: um coletor custa entre R$ 39,90 e R$ 90. Se você o usa por cinco anos e menstruar uma vez por mês, isso quer dizer que o custo vai ser de só R$ 1,50 por ciclo.

Mas é higiênico?

O coletor em si, sim. Mas a higiene depende de você. É essencial estar com as mãos lavadas antes de usar e limpá-lo do jeito certo -- a gente conta abaixo como fazer.

Como escolher o copinho?

Existem diferentes marcas, modelos, tamanhos e cores de copinho. Para escolher o seu, considere:

Tamanho: deve ser escolhido levando em conta seu fluxo e a largura da sua vagina. Mulheres que já tiveram filhos ou mais velhas tendem a ter a vagina mais larga e precisam dos maiores. Assim como quem tem o fluxo mais intenso -- nesse caso vale também optar por modelos com mais profundidade. As marcas costumam indicar o tamanho ideal para você.

Material: a maioria é de silicone medicinal. Mas alguns têm o silicone mais grosso ou mais fino. Isso influencia na sua adaptação ao coletor. Quem é mais sensível, tende a ficar mais confortável com os coletores mais moles e finos. Já atletas ou mulheres que têm a musculatura pélvica tensa se dão melhor com os mais grossos, que não dobram tão fácil com a contração muscular.

Cor: só importa para o seu gosto. Os transparentes tendem a ficar um pouco amarelados com o uso.

Modelo: apesar de serem todos parecidos, alguns são mais lisos que outros e podem ser mais confortáveis para quem é mais sensível -- só testando para saber. Outra coisa que varia é o formato e o comprimento do cabinho. Cada mulher se adapta melhor a um tipo diferente.

No canal de vídeos Papo de Copinho, é possível ver avaliação das diferentes marcas nacionais e seus modelos e conferir as comparações.

UOL
Imagem: UOL
Como colocar?

Basicamente, basta dobrar o copinho e inseri-lo na vagina, que ele abre automaticamente lá dentro. Mas isso nem sempre é fácil, por isso algumas dicas podem facilitar. Primeiro de tudo, é essencial estar relaxada, para que os músculos não fiquem tensos. É tão simples quanto colocar um absorvente interno.

A posição pode ajudar, mas não há regra: cada mulher prefere de um jeito -- de cócoras, sentada no vaso ou de pé. Teste e veja o que funciona melhor para você.

Por último, o jeito de dobrar o copinho pode fazer diferença. Algumas dobras o deixam mais fininho e mais fácil de colocar.

Lembrando que ele não deve ser colocado no fundo, e sim ficar bem na entradinha da vagina.

Como faço as dobras?

Qualquer jeito de dobrar o coletor que funcione para você é válido. Qual é a melhor? Varia de mulher para mulher, já que a anatomia da vagina é diferente. Marcas e usuárias já compartilharam algumas dobras possíveis. Veja no vídeo abaixo algumas opções:

O que fazer se vazar?

A mais provável causa do vazamento é que o coletor não abriu direito e, por isso, não formou vácuo. Se isso acontecer, vale tentar diferentes dobras. Algumas mulheres, por terem os músculos muito tensos, não conseguem mesmo que o copinho abra sozinho e precisam dar uma ajudinha com os dedos empurrando as bordas do coletor já dentro da vagina. Além disso, mudar o modelo ou marca pode ser a solução.

Será que formou vácuo?

Para conferir, dê uma puxadinha nele. Se tiver formado vácuo, o coletor vai oferecer resistência. Já se ele se mexer facilmente com o puxão, é melhor recolocá-lo.

O que faço para tirar?

Basta apertar a base do coletor, fazendo uma pinça com dois dedos, e puxá-lo para fora. Fazer força contraindo os músculos do períneo (como se fosse fazer cocô) pode ajudar.

E se incomodar?

É normal que a mulher leve um tempo para se adaptar e aprender a colocar e tirar o copinho. Mas se o incômodo não passar depois de alguns testes, vale trocar de marca ou modelo.

O que faço para limpar?

Ferver: por cinco minutos, antes de usar a primeira vez no ciclo e depois que ele terminar. Isso pode ser feito:

  • No fogo: coloque em uma panela exclusiva para isso, e que não esteja descascada. Tome cuidado para não esquecer e queimar o copinho.
  • No micro-ondas: em um recipiente de vidro, que também deve ser usado só para isso.

Lavar: com água e sabonete neutro sempre que esvaziar e for recolocar.

Deixar de molho: em algumas gotas de água sanitária diluída em água ou uma colher de bicarbonato de sódio diluído em água, por algumas horas. Isso pode ser feito quando você não tiver como ferver o coletor, como em viagens, ou para dar uma limpada extra, caso ele esteja ficando manchado. Nesses casos, lembre-se de lavá-lo muito bem depois para tirar os resíduos dos produtos antes de usar.

Preciso ter vários?

Não. Como você só precisa ferver o copinho no começo e no fim do ciclo, dá para ter um só. Quando tiver de esvaziá-lo, basta lavar e colocá-lo de volta.

Preciso tirar para fazer xixi ou cocô?

Não. Como ele fica dentro da vagina, você não precisa tirar. Quando for fazer o número 2, pode ser que o coletor se desloque e você precise ajeitá-lo.

Posso fazer sexo?

Penetração, não. Mas sexo anal, oral e preliminares estão liberadas, já que o copinho fica completamente para dentro do canal vaginal. Pode ficar tranquila que a estimulação não vai causar vazamentos.

E se o banheiro não tem pia? 

As marcas dizem que você pode simplesmente jogar o sangue no vaso e recolocar o copinho sem lavar. As médicas indicam que não há estudos suficientes para dizer se isso é seguro. Por garantia, o melhor é levar uma garrafinha de água com você e limpar. 

Como devo guardar?

Em um saquinho ou embalagem de tecido, que não deixe seu coletor abafado, em um ambiente seco.

Precisa cortar o cabinho?

Não, mas pode. Algumas mulheres sentem incômodo com ele, por isso o cortam. Já outras gostam de manter para facilitar a retirada. Teste o que é mais confortável para você.

Posso perder o coletor dentro de mim?

É comum que o coletor saia do lugar e suba para perto do colo do útero -- e algumas mulheres podem entrar em pânico achando que ele se perdeu dentro do corpo. Mas fique tranquila. Seu canal vaginal termina no útero e o buraquinho por onde o sangue sai é pequeno demais, o coletor jamais entraria ali. Então se ele sair do lugar, o limite é o útero.

Talvez você precise colocar um pouco mais que os dedos na vagina para alcançar o copinho. Mas sem pânico, lembre-se que um bebê pode passar por ali, sua mão não vai causar problemas.

Pode usar o coletor estando com candidíase?

Até pode, mas é melhor evitar. A candidíase e outras infecções e irritações da vagina deixam a mucosa irritada, o que pode causar dor ao usar o coletor. Além disso, aumenta as chances de se machucar.

Não consegui usar de jeito nenhum, e agora?

Se tiver paciência, teste outras marcas e modelos. Não existe vagina incapaz de usar o coletor, mas existem mulheres mais sensíveis, que realmente sentem incômodo com ele e não se adaptam.

É hora de trocar por um novo?

Quando der o prazo de validade informado pela marca. Ou se ele apresentar rachaduras, rasgos ou cheiro.

 

Fontes: Aline de Souza Oliveira, médica da família e comunidade do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde; Cristina Laguna Benetti Pinto, Presidente da Comissão de Ginecologia Endócrina da Febrasgo; Pâmela Freitas do canal Papo de Copinho.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
BBC
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
do UOL
Opiniões Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Blog da Morango
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo