Comportamento

8 assuntos que os casais não conversam, mas deveriam falar hoje mesmo

Getty Images
Imagem: Getty Images

Carolina Prado e Gabriela Guimarães

Colaboração para o UOL

31/08/2017 04h00

A vida corrida faz com que os casais passem menos tempo juntos. E conversem pouco. Os assuntos que geram desconforto, então, tendem a ser deixados para “um dia, quem sabe, a gente fala sobre isso com calma”. Mas não deveria ser assim. A dica é: coloque na sua agenda um diálogo franco sobre os temas listados abaixo.

1. Sexo (ou a falta de)

Fazer é ótimo. Falar a respeito... também. Não é só dizer o que dá ou não prazer e quais as posições favoritas. É conversar quando o desejo passa por altos e baixos. Com anos de relacionamento, pode acontecer de um dos dois (ou os dois) perder o interesse sexual pelo par. Aquele lance de rotina, sabe? Para reinventar a vida na cama --no sofá, na pia, na mesa da sala-- é bom manter o diálogo em dia.

2. Desejo de ter ou não filhos

Um dos dois não tem lá muita vontade de ter filhos. A outra parte quer muito e vive na expectativa de que uma hora aconteça, mas evita o assunto por receio do desconforto. Não tem como isso dar certo, porque a angústia que fica para um dos lados prejudica a pessoa e a relação. É uma decisão que muda a vida de um casal e precisa ser tomada o quanto antes.

3. Educação dos filhos

Tudo bem discordar sobre algumas questões –pode ser que um sonhe com uma escola infantil bilíngue e o outro priorize uma instituição que foque no desenvolvimento da personalidade da criança. Mas evita-se um bocado de crise ao falar sobre as expectativas e os valores que cada um considera importante passar. Só com o diálogo aberto dá para chegar num meio termo.

4. A família do outro

Você acha que seu sogro não vai com a sua cara e se sente mal todas as vezes que precisa encontrá-lo? Ou se incomoda com o seu cunhado, que janta duas vezes por semana na sua casa? Melhor conversar. Os conflitos com a família do outro precisam ser discutidos –sem ofender ou julgar– para que a convivência inevitável não se torne extenuante. O mesmo vale para quem convive com filhos de um casamento anterior.

5. Como se sente

A gente bem que gostaria que o outro adivinhasse que o nosso dia não está legal e precisamos de um carinho extra. E seria ótimo saber por que o par parece distante, mesmo dizendo “tá tudo bem”. Dois cenários utópicos. É um erro achar que o nosso amor tem obrigação de saber o que se passa dentro da gente. Não falar sobre sentimentos abre espaço para suposições que, quase sempre, não são verdadeiras.

6. O status do relacionamento

Você acha que namoro é no esquema monogâmico, convencional. Mas na cabeça do outro, o relacionamento pode ser aberto, para que ambos não tenham que se privar de viver novas experiências, caso se interessem por uma terceira pessoa. Sem estabelecer um acordo sobre isso, a decepção é inevitável. Como falar? Tente começar com uma pergunta: o que é fidelidade para você?

7. Dinheiro

Finanças são a pedra no sapato de qualquer casal. E haja discussão para lidar com diferença de prioridades econômicas, descumprimento de acordos e a chegada de uma fatura do cartão de crédito exorbitante e inesperada para uma das partes. Falar sobre administração de dinheiro é pouco sexy, a gente sabe, mas fundamental para manter a saúde emocional e financeira do casal.

8. Ciúme

Ter crises de ciúme pode ser bem diferente do que falar sobre ele. Conversar sobre as situações que despertam ciúme evita brigas enormes. Agora, se o ciúme estiver excessivo, é bom procurar uma ajuda profissional, pois pode ter outros fatores envolvidos, como a baixa autoestima, insegurança e até depressão.

A conversa que resolve

O diálogo eficiente tem as seguintes características:

-  Aborda um assunto por vez;
- Foco na solução. Não resgate mágoas passadas, mas resolver o problema atual;
- Empatia, saber ouvir o outro com atenção;
- Não julga. E nem critica;
- Cada um fala sobre si e deixa o outro falar sobre ele mesmo.


FONTES: Arthur Dubrule, psicólogo colaborador no Ambulatório dos Transtornos do Impulso no Hospital das Clínicas de São Paulo. Edyclaudia Gomes de Sousa, psicóloga. Miriam Cruvinel, psicóloga, mestre e doutora em Psicologia pela Unicamp.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo