Comportamento

Crush no trabalho? Veja 6 dicas para a paquera não prejudicar sua carreira

Getty Images
Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

13/09/2017 04h00

"Onde se ganha o pão, não se come a carne", prega um ditado popular. Na prática, porém, é bem complicado segurar a onda e não se interessar por um colega de trabalho, ainda mais passando tanto tempo na empresa. Conexões desse acontecem, nas mais diferentes instituições, o tempo todo. Mas não deixe que a paquera desvie a atenção das tarefas nem prejudique a imagem profissional dos envolvidos. Isso pode ser possível com esses seis conselhos:

E-mail com emoji de coraçãozinho? Nem pensar!

Usar os meios de comunicação interna da empresa para paquerar é um grande erro, pois as organizações têm acesso a essas informações. Mesmo que o teor das mensagens não seja explícito ou erótico, é melhor que assuntos pessoais sejam tratados via meios pessoais e que a privacidade de vocês seja mantida bem longe dos olhos alheios. Que tal apelar para o charme vintage dos bilhetinhos escritos à mão (ou, menos arriscado, o celular de vocês, mesmo)?

Não dê (muita) bandeira

É difícil paquerar alguém no trabalho sem chamar a atenção: o humor, a aparência, o olhar, o comportamento... tudo muda. Por isso, nada de ingenuidade: você pode até achar que ninguém está reparando, mas muita gente está, sim. Portanto, nada de excessos: evite gestos expansivos, toques "inocentes", conversinhas prolongadas no café ou papinhos às escondidas nas escadas. Por mais permissivo e moderno que seja o ambiente, empresa não é balada. Não se coloque na posição de alvo de fofocas ou puxões de orelha indesejáveis.

Crie pretextos "profissionais" para se aproximar 

Cheque se existe a possibilidade de fazer parte da mesma equipe do crush, mesmo que seja de forma temporária ou em algum trabalho voluntário. Participar de um projeto coletivo é um contexto bastante favorável não só para passar mais tempo ao lado da pessoa, como também para conhecer mais a respeito da suas opiniões e forma de agir. Inclusive, pode ser o momento de desmanchar ilusões, fantasias e expectativas que possam ter sido construídas sem base na realidade. Mas, atenção: o objetivo principal continua sendo o trabalho.

Não transforme a história em um seriado

À medida que a relação for avançando, é normal que o nível de entusiasmo suba na mesma medida. Porém, contenha a tentação de relatar cada acontecimento, cada frase ou cada atitude do crush aos seus colegas de bancada, mesmo para aqueles em quem você confia. Ninguém precisa acompanhar nada, certo? E você não tem controle sobre onde e como suas informações vão repercutir.

Assim como em um processo seletivo, não minta

Quanto mais autêntica, sincera e verdadeira for a cantada (ou melhor, a abordagem), maior a chance de você não passar vergonha. Os demais colegas conhecem você, então não adianta forjar um personagem. A paquera é como um processo seletivo, ou seja, embora você possa florear algumas informações, não adianta mentir e construir alguém que você não é, porque não será convincente o bastante. E artificialidade não seduz nem a turma do RH, nem a dos solteiros disponíveis. 

Pense se vale a pena transformar em namoro

Há empresas que regulamentam ou simplesmente proíbem relacionamento entre funcionários --cheque a política do local onde você trabalha. Fora isso, é importante analisar os prós e os contras da situação, principalmente se há maturidade suficiente para separar os assuntos pessoais dos profissionais. Em algum momento pode acontecer um conflito no namoro que repercuta no expediente: uma briga, por exemplo. Você estão dispostos a continuar se tratando como colegas de trabalho ou vão misturar as coisas? Se relação tem algum nível hierárquico, então, o cuidado deve ser redobrado.

FONTES: Daniela do Lago, coach, especialista em comportamento no trabalho e autora dos livros "Despertar profissional" e "Up - 50 dicas para decolar na sua carreira" (Integrare Editora), de Santo André (SP); Eraldo Melo, psicólogo e palestrante motivacional, de Itumbiara (GO); Luiz Francisco, psicólogo, life coach e docente dos cursos de Administração de Empresas e Direito da FADISP (Faculdade Autônoma de Direito), de São Paulo (SP), e Roberta Nascimento, psicóloga, autora dos livros "Terapia de bolso" e "Seleção RH" (Matrix Editoria), e diretora do Núcleo Médico Psicológico, em Porto Alegre (RS)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Comportamento
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Blog da Morango
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
Topo