Comportamento

7 dicas para não sofrer mais ao fazer escolhas

Thinkstock
Imagem: Thinkstock

Gabriela Guimarães e Veridiana Mercatelli

Colaboração para o UOL

21/09/2017 04h00

A carreira, o parceiro, o local onde quer morar, o destino da próxima viagem… As escolhas são muitas e vão aparecer por toda vida - aliás, temos bem mais opções do que as gerações anteriores. Com isso, o medo de sofrer por arrependimento aumenta também. Mas não precisa ser assim.


1. Ouça a sua intuição

Os especialistas dizem que as melhores decisões são as que conseguem equilibrar razão e emoção. O que a gente chama de intuição é um processo de uma memória emocional que está tentando te contar uma coisa - você pode ter vivido algo parecido no passado e alguns sentimentos ficaram inconscientes.


2. Considere seus valores

Para ter bom senso e equilíbrio, procure observar o quanto uma decisão vai “ferir” você. Ao considerar este fator, você elimina opções que não condizem com o que acredita e a escolha fica menos sofrida.
 

3. Desapegue do que abriu mão

Se continuar pensando somente no que deixou de lado, pode não aproveitar o que, de fato, escolheu. Refletir sobre o que perdeu só é produtivo se você pretende voltar atrás e tomar outro rumo. Caso contrário, melhor direcionar o olhar para as novas possibilidades.

4. Entenda que quase nada é definitivo

Você vai sofrer menos se entender que ninguém é obrigado a seguir por um mesmo caminho até o fim da vida. Tomar uma decisão de agora ou nunca pode ser desesperador. Por exemplo, a escolha da profissão. Se você perceber, daqui a algum tempo, que não trabalha mais com o que gostaria, mude de profissão. Nem casamento precisa ser “até que a morte os separe”.


5. Pense nas consequências

Já ouviu falar no método 10-10-10? Criado pela jornalista e escritora Suzy Welch, funciona assim: antes de fazer uma escolha, pense nas consequências daquilo em 10 minutos, 10 meses e 10 anos. É uma ideia interessante, principalmente, para grandes decisões. A própria Suzy usou a regra antes de divorciar-se. Ela avaliou que em 10 minutos e em 10 meses a situação seria caótica. Porém, ao visualizar o cenário em 10 anos, veio a possibilidade de uma nova vida -- mais feliz que a atual.

6. Liste prós e contras

Enumerar vantagens e desvantagens pode ajudar a fazer uma análise racional da situação. Mas, mesmo nesses momentos, a intuição deve ser percebida. Algumas vezes, você terá 10 prós e 1 contra, e a sua inteligência emocional vai decidir com base naquele contra.


7. Evite agir por impulso

Com autocontrole há mais chance de sucesso nas escolhas. Mas isso não significa que você não vai viver intensamente ou perder a espontaneidade. Intensidade e impulso são coisas bem diferentes. E quando você decide algo com consciência, poderá vivenciar aquela escolha profundamente, só que com menos chances de se arrepender.

FONTES: Cecília Barretto, coach especializada em neurociência. Déborah Stroebel, psicóloga e coach.

 

 

                                                                                                                  

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Topo