Relacionamento

10 passos para praticar a empatia que farão bem para você e para o outro

Getty Images
Imagem: Getty Images

Heloisa Noronha

Colaboração para o UOL

21/09/2017 04h00

Você sabe o que é empatia? É se colocar no lugar de outra pessoa para compreender suas atitudes e sentimentos. Para exercitar a empatia de uma maneira construtiva, você pode adotar algumas medidas simples. Confira passo a passo: 

Passo 1: o que é verdade para você não necessariamente é para o outro

Afinal, o que é "a verdade"? Tudo é uma questão de olhar. Cada um vive a realidade que cria para si, de acordo com seus valores.

Passo 2: tenha em mente a realidade e os valores da pessoa

Um erro comum ao tentar entender alguém é se deixar guiar pelos próprios costumes, em vez de se colocar verdadeiramente no lugar da pessoa e olhar a situação pela ótica dela. Empatia é diferente de simpatia. Simpatia tem a ver com solicitude, boa vontade; já a empatia está ligada ao sentir. Quanto mais você consegue se aproximar dos sentimentos de uma pessoa no mundo dela, maiores são as chances de você ser empático com ela.

Passo 3: cuide de você antes de cuidar de alguém

Há pessoas que se doam para o outro de uma forma tão intensa, que acabam se esquecendo delas próprias. Esse comportamento também é nocivo. Se pensamos apenas sob a ótica dos outros, quando seremos protagonistas da nossa vida? O ideal é ser sensível ao que o outro coloca, mas não se deixar dominar pela emoção que ele está vivendo. O autoconhecimento é essencial para evitar esse excesso, pois cria habilidades para distinguir o que é seu e o que é do outro. O resultado é uma relação equilibrada, sem sofrimento para nenhum dos envolvidos.

Passo 4: lembre-se de que cada pessoa é única

Portanto, é bom exercer a empatia, digamos, de modo "exclusivo". Não existe receita de bolo, pois cada pessoa tem um tipo de personalidade. Mais uma vez, é importante que primeiro você se conheça bem para conseguir ser empático com diversos tipos de pessoas e suas respectivas realidades. Empatia é justamente essa capacidade de se flexibilizar perante o outro.

Passo 5: pratique a escuta ativa

Preste atenção no que o outro está falando sem ficar respondendo mentalmente ou preocupado com o que vai dizer. Quando você ouve atentamente, as palavras certas surgem. Saber ouvir é uma habilidade que, bem desenvolvida, evita julgamentos precipitados e produz abertura para conhecer a realidade do outro e como ele se comunica. Dá, inclusive, para sentir até o que não é dito, mas que pode ser percebido através do tom de voz ou no olhar.

Passo 6: aceite que nem sempre terá o que falar

Diante de um amigo que se separou ou acabou de perder um ente querido, o que dizer? É bem provável que a pessoa não queira ouvir nada. E, nesse momento, um abraço pode acolher mais que mil palavras.

Passo 7: não julgue ninguém pelas ações

Agimos para satisfazer nossas necessidades. Ou seja, qualquer atitude tem uma intenção positiva para quem a pratica. Exercer a empatia é procurar enxergar essa intenção positiva por trás do comportamento do outro, ao invés de julgá-lo de cara. Suspender o julgamento não significa dar razão à outra pessoa ou admitir que você está errado sem de fato estar. É simplesmente não deixar que seus valores internos impeçam de compreender as ações alheias.

Passo 8: atenção à linguagem corporal

Deixar alguém à vontade é importante para criar empatia. É bom descruzar braços e pernas - cruzados, transmitem a ideia de resistência - e virar o corpo em direção à pessoa, mostrando abertura. Também é importante balançar a cabeça para deixar claro que você entende o que o outro está falando. Além disso, utilize expressões empáticas, como "entendo como você está se sentindo" e "imagino o que passou".

Passo 9: concorde com parte da afirmação da pessoa

Nem sempre é possível concordar com a opinião de alguém, ainda mais quando nossos valores e crenças entram em cena. Mas podemos encontrar, dentro da afirmação dela, algo com que concordemos, e, dessa forma, estabelecer uma relação de confiança sem gerar atrito. 

Passo 10: pratique a empatia até com quem te irrita

Esse também é um caminho para a tolerância social. Esforce-se para enxergar todo mundo - todo mundo MESMO - como pessoas que precisam de amor, atenção e consideração, independente de qualquer coisa.

FONTES: Cássia Santos Vasquez Langer, personal e professional coach e especialista em PNL (programação neurolinguística), de Jumirim (SP); Carolina Veras, psicóloga do Espaço Vitale, no Rio de Janeiro (RJ); Flávia Motta, coach do Instituto Viver o Bem-Estar, em Vila Velha (ES), e Marcela Rangel,  especialista em inteligência emocional e psicologia positiva, do Rio de Janeiro (RJ)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

"Fui marmita de traficante"
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Opiniões Estilo
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
Redação
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Topo