Sexo

5 ideias furadas que as pessoas costumam ter sobre sexo casual

iStock
Sexo casual pode mexer com homens e mulheres Imagem: iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

24/09/2017 12h56

Na hora, vale tudo, mas no dia seguinte é preciso encarar a culpa e o arrependimento. Quando o assunto é transar sem compromisso, muita gente ainda tem na cabeça alguns conceitos que há muito tempo deixaram de ser regra geral e de corresponder à realidade. Saiba quais são os principais:

1. Só as mulheres ficam mexidas

É comum achar que as mulheres - não todas, vale frisar! - saem da experiência envolvidas e com expectativas de transformar o encontro em romance. Ou, pelo menos, repetir a dose. Porém, muitos homens também sentem um "algo a mais" quando transam com alguém de forma casual. "É besteira achar que um cara não fica apaixonadinho só porque acabou de conhecer a mulher. Eu fiquei bem mexido quando fui para a cama com uma garota que conheci numa viagem, pena que ela não quis nada sério", diz o publicitário Raphael*, de 27 anos. É preciso ter em mente que o sexo em si é uma emoção: por mais casual ou ocasional que seja, sempre haverá um componente íntimo e afetivo. E por causa disso pode abalar as pessoas envolvidas, e isso vale para homem e mulher.

2. No fundo, o objetivo é o compromisso

É bem ultrapassada a crença de que a mulher topa transar para conseguir romance, enquanto o homem engata um romance para conseguir transar. Sexo casual, o próprio nome já diz é casual. O objetivo principal é aproveitar plenamente o momento, sem especulações ou exigências sobre o futuro. Quem ainda pensa assim quer, na verdade, "encaretar" o sexo, vinculando-o ao amor e ao romance. É claro que, às vezes, as coisas saem do controle e um ou outro acaba se envolvendo e querendo mais. No entanto, cabe a cada um cuidar de si e dos próprios sentimentos. Quem topa o sexo casual tem que se despir de expectativas em relação ao outro para não se machucar. 

3. Acontece de tudo na cama

Há uma falsa ideia de que a informalidade da situação torna as pessoas selvagens e dispostas a tudo na cama. Ledo engano. O corpo continua a ser uma propriedade particular e um deve respeitar os princípios, limites e vontades do outro. Sexo casual é uma escolha, o que significa que cada um escolhe o que fazer com o desejo. "Topar transar de cara não significa estar aberta para qualquer coisa. Uma vez, parei no meio porque o parceiro ficou insistindo que eu devia aceitar fazer sexo anal. Me vesti e fui embora. Ainda bem que foi o único machista desrespeitoso com quem me relacionei até agora", conta a universitária Camila*, 23 anos. 

iStock
Imagem: iStock

4. Sexo casual é incrível e libertador

Outra impressão errada: a de que, ao toparem transar sem compromisso, as pessoas vão imediatamente se livrar de tabus, mitos e repressões e atingir um nível elevado e, até então desconhecido, de liberdade. Não é bem assim. O sexo casual só é bom e gostoso se feito por pessoas muito bem resolvidas com elas mesmas, conscientes da situação, sem expectativas e em busca de prazer por simples diversão. Ou seja, a autonomia e independência precisa fazer parte da vida ANTES de partir para a experiência. Um estudo publicado pelo "Journal of Sex Research", dos EUA, apontou que há um aumento nos níveis de depressão e estresse logo após uma transa casual, tanto em homens quanto em mulheres, justamente por ter o componente afetivo e por, inconscientemente, as pessoas tenderem a usar o sexo como uma forma de compensar vazios ou questões emocionais. O incrível e libertador é fazer a escolha e aceitar lidar com as implicações que ela traz. 

5. Todo mundo tem ressaca moral no dia seguinte

Oi? Óbvio que não. Quando os limites são claros e as expectativas alinhadas, transar sem compromisso é uma excelente forma de ter prazer e aprimorar a sexualidade. É um acordo bem definido e, por isso, não há espaço para criar neuras ou culpas. O problema é que inúmeras vezes o que se acredita ser um desejo autêntico, não é! Faz-se uma coisa e se espera outra. Por isso a pessoa precisa se conhecer bem, e entender a fundo o que quer, para não responsabilizar o outro por uma escolha que ela mesma fez. Somos responsáveis não só por nossas decisões, mas também pelo que sentimos. 

*Os nomes dos entrevistados foram trocados para preservar a identidade.

FONTES: Blenda de Oliveira, psicoterapeuta de adultos, adolescentes, crianças, famílias e casais, de São Paulo (SP); Miriam Barros, psicóloga e psicodramatista, de São Paulo (SP); Raquel Fernandes Marques, psicóloga da Clínica Anime, de São Paulo (SP), e Sabrina Gonzalez, especialista em Psicologia Hospitalar pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Redação
Mayumi Sato
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Mayumi Sato
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
UOL Notícias
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Redação
Topo