Comportamento

'Terminei o namoro porque ele tinha câncer. Foi um ato de amor-próprio'

Getty Images
Imagem: Getty Images

Helena Bertho

do UOL

29/09/2017 04h00

Depois de mais de 20 anos de casamento, em 2013 a aposentada Silvia*, 53, se divorciou e estava pronta para viver uma fase de autocuidado, de liberdade e de estar disponível para coisas novas. Rapidamente ela conheceu um novo amor e eles começaram a namorar. Mas com oito meses de relacionamento veio a bomba: ele tinha um tumor no cérebro.

"A gente se dava muito bem, tínhamos planos de morar juntos. Mas, com a doença, foi bem complicado. Num primeiro momento, segurei a bronca, dei apoio, fiz de tudo para ele se sentir bem. Cada vez a saúde dele exigia mais de mim, até que chegou um momento em que percebi que estava me doando como mãe e não mais como namorada, mulher. Eu estava me doando demais e precisava olhar para mim. Então dei um basta, terminei. Foi um ato de amor-próprio".

Só dá para cuidar do outro se você estiver bem

Sua decisão foi muito julgada. O namorado e a família condenaram a escolha de Silvia, mas ela não se arrepende. "Sei que tenho de fazer primeiro por mim e depois pelo outro. Estava esquecendo que aquela doença não era minha; estava virando codependente da doença dele".

Se num primeiro momento o que Silvia fez pode parecer chocante, a verdade é que atitudes como a dela não são raras e podem, sim, ser a melhor decisão a ser tomada. "A gente só vai conseguir cuidar do outro se a gente estiver bem. Muitas vezes é realmente necessário esse tipo de rompimento para cuidar de si", explica a psicóloga hospitalar Sabrina Gonzalez.

Segundo a especialista, muitas vezes quando uma pessoa assume o papel de cuidadora de um parente ou companheiro, ela acaba ficando doente emocionalmente também. "Existe uma reorganização da relação, os papéis mudam. Além disso, questões práticas, como trabalho e dinheiro, são envolvidas e há grande demanda emocional de quem está doente", explica.

Cada caso é um caso: tudo depende de como são as relações entre as pessoas, a situação em que vivem, a doença e muitos outros fatores. Por isso, a psicóloga considera impossível dizer que existe um comportamento certo ou errado, mas ressalta que é essencial que quem cuida do outro lembre sempre de cuidar de si.

Quem mais cuida são as mulheres

Outra coisa muito notada por Sabrina é que as mulheres normalmente são as que mais assumem a responsabilidade de cuidar de parentes doentes. "Temos de entender isso de um modo cultural. Atribuímos à mulher o papel de cuidado, como se fosse do feminino a atenção, a dedicação. Na verdade, qualquer pessoa pode ter esse papel".

Ana Paula Galvão, 42, gestora cultural, viveu isso na pele. No final de 2015 sua mãe teve um AVC  e perdeu os movimentos do corpo, ficando completamente consciente. Na hora, Ana Paula foi de São Paulo para sua cidade natal, no interior paulista, para cuidar dela e viu sua vida mudar por completo. "Parei meu trabalho, saí da minha casa, parei tudo", conta.

Mas o mais difícil foi a relação com os homens da família. "Somos três irmãos, eu e dois homens. Um deles simplesmente abandonou a responsabilidade dos cuidados da nossa mãe", lembra ela, que dividiu então com o outro irmão os momentos com a mãe.

"Perdi oito quilos, fiquei mentalmente confusa, exausta", mas foi com o toque dos amigos e da namorada que Ana Paula percebeu que precisava olhar para si e se cuidar. Alugou uma casa, para ter um espaço seu, e começou a fazer terapia. Agora está tentando reorganizar sua vida profissional, para poder pagar mais uma cuidadora para ajudar com sua mãe e aliviar um pouco.

E se a pessoa não aceita um cuidador de fora?

Ter ajuda de um enfermeiro ou cuidador é importante. Se a pessoa doente for aposentada, ela tem direito a um acréscimo de 25% na aposentadoria para contratar o profissional. Porém, muitas vezes o doente não aceita ajuda de desconhecidos. O namorado de Silvia era assim e isso foi um dos fatores que fizeram com que ela se sentisse sobrecarregada, já que ele era muito dependente no dia a dia.

Nesses casos, Sabrina Gonzalez orienta ter uma conversa sincera. "Forçar não é legal. Mas às vezes a pessoa está com medo, é preciso conversar bastante, explicar que está difícil e ir introduzindo a ideia da ajuda", explica.

 

*O nome foi trocado a pedido da entrevistada. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Topo