Comportamento

O maior fardo que as mulheres carregam é o ódio ao próprio corpo

Divulgação
Taryn Brumfitt, ativista australiana e produtora do documentário "Embrace" Imagem: Divulgação

Daniela Carasco

do UOL

05/10/2017 04h00

O documentário “Embrace”, disponível na Netflix, joga luz sobre um grave problema que ainda oprime muitas mulheres: o ódio ao próprio corpo. O nome por trás do longa é Taryn Brumfitt, australiana e ativista que enfrentou uma verdadeira cruzada contra a própria silhueta até alcançar a autoaceitação. Sua batalha é comum também a muitas, que chegam inclusive a deixar o emprego e a vida social por conta da baixa autoestima.

A luta de Taryn só terminou depois do nascimento do terceiro filho, uma menina. Em sua busca pela silhueta perfeita, chegou a virar fisiculturista. Nem o corpo sarado, porém, foi suficiente para que ela se sentisse feliz diante do espelho. Decidida a transmitir valores corporais positivos à caçula, ela decidiu esquecer os padrões de beleza. A mudança deu origem ao Body Image Movement, que ganha as redes com imagens e mensagens de valorização dos mais variados formatos de corpo.

Segundo a nutricionista comportamental Paola Altheia, ativista body positive e autora do blog “Não Sou Exposição”, “a insatisfação corporal é a maior chaga da mulher ocidental contemporânea”. O padrão que impera hoje é o europeu caucasiano, da mulher bonita, magra e loira. Para ela, estamos vivendo no olho do furacão da obsessão pela imagem, fortalecida pela indústria do emagrecimento e pelo sucesso das musas fitness.

Beleza como valor pessoal

Paola lamenta o fato dos atributos físicos terem ganhado tanta importância. “Viço, atratividade sexual e potencial reprodutivo definem hoje o valor da mulher. Quando ela envelhece, engorda e tem filho, é como se seu prazo de validade tivesse vencido”, conta. “Isso é muito cruel e excludente. Beleza é tratada como sucesso, saúde e aceitabilidade.”

Em seu consultório, ouve com frequência relatos de pacientes que não vivem plenamente por não se acharem bonitas. Muitas não vão à praia, evitam frequentar ambientes sociais e chegam até a se autosabotar no trabalho por conta da insegurança em relação à própria aparência.

“Acompanhei uma menina que trabalhava em uma repartição, era competente, ganhava bem e tinha grandes chances de ser promovida. Entre suas atribuições diárias, precisava tirar cópias de documentos. Isso lhe exigia cruzar o escritório diariamente, seu maior desafio. Por se achar gorda e feia, achava que os colegas riam dela durante o trajeto. Por isso, pediu demissão.”

Reprodução/Facebook
Antes e depois de Taryn Brumfitt Imagem: Reprodução/Facebook
Não é mimimi!

Apesar de parecer uma voz do subconsciente, essas exigências estão em todos os lugares e são absorvidas naturalmente. Há quem minimize essas dores, mas ela impacta a vida das mulheres todos os dias. “Hoje, mais do que ganhar dinheiro, as pessoas querem ser magras”, diz Paola.

A profusão de capas de revista, publicidade, desfiles de moda e blogueiras fitness é o combustível para essa onda de repúdio. O corpo retocado acabou virando algo normal, enquanto o errado ganhou a pecha de inadequado. Com isso, celulite, cicatriz e dobrinhas foram completamente eliminadas desse referencial distorcido que é disseminado como um novo luxo. Seu excesso tem até nome: ortorexia, um transtorno alimentar marcado pela fixação por padrões “saudáveis”.

“A beleza, assim como o prestígio social, foi e continua sendo tratado como um privilégio para poucos”, diz a nutricionista. Se na época das beldades renascentistas, as mulheres flácidas e curvilíneas eram valorizadas, já que ficavam dentro do castelo, sem trabalhar, usufruindo de farturas. Hoje, é estimado quem tem a prerrogativa de se dedicar exclusivamente à manutenção do próprio corpo.

“Mas não dá para demonizar as blogueiras. Elas estão apenas se aproveitando da resposta expressiva do público.”

Leia também

Cultura da dieta

No extremo oposto desse movimento, está o crescimento da obesidade. Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 10 anos, a prevalência da obesidade no Brasil aumentou 60%. Apesar de contraditório, Paola garante que ambos os assuntos estão mais do que nunca interligados. O motivo: a prática crônica de dietas.

As pessoas criaram uma relação de pecado e penitência com a comida. E isso é grave. O alimento deixou de ser visto como algo que nos ajuda a manter vivos, para virar aquilo que nos engorda, adoece e sabota esforços”, explica Paola. “Está todo mundo tentando resolver a obesidade com projetos fitness. Mas a realidade é que as pessoas não fazem dieta porque estão gordas. Elas são gordas porque fazem dieta.”

Contrária a qualquer tipo de regime da moda, a especialista faz questão de dizer que o histórico de pessoas gordas é sempre dominado por inúmeras tentativas de emagrecimento radicais que começaram na adolescência. A longo prazo esse hábito criou um ganho de peso progressivo. O problema, segundo ela, está no desequilíbrio alimentar.

A relação com a comida

“Ao longo dos últimos 40 anos, foi criada uma cruzada anti-gordura. Só que ao eliminá-la do cardápio, aumentou-se o consumo de carboidrato, que, em excesso, leva ao aparecimento de doenças crônicas, como a obesidade. Como resposta, surgiu então a ‘carbofobia’. E a proteína se transformou no grande aliado. No futuro vamos ter que lidar com um grande problema de insuficiência renal e falência hepática por conta disso. Nas décadas de 80 e 90, as pessoas tinham medo de ovo. Hoje, os jovens comem 20 ovos por dia, acham maravilhoso, só que morrem de medo de pão.”

Nessa dinâmica problemática de vilão e aliado, quem sai ganhando é a indústria do emagrecimento, que depende do insucesso para se manter. Ela precisa de clientes cativos dependentes da sensação do ‘agora vai’. Por isso, investe em novas soluções que não entregam o que prometem para fazer a máquina girar. “Prova disso está nos alimentos da vez. Já tivemos o goji berry, agora o óleo de coco. Pouco a pouco, ele já vai perdendo espaço para o kombuchá. É um ciclo sem fim.”

Autoaceitação é o catalizador da mudança

A luz no final do túnel só virá, segundo ela, da força do movimento que prega a autoestima feminina, independentemente do número do manequim. E ele começa dentro de casa, diante do espelho.

Ao questionar 100 mulheres para o documentário sobre a palavra que definia seus corpos, Taryn ouviu apenas termos pejorativos. Cerca de 90% delas odiavam a própria silhueta. “Caçar defeitos em seu próprio reflexo é um ritual privado de toda mulher”, diz Paola. “Todas precisam parar de descrever a si mesmas como horrorosas, feias, nojentas. É preciso tirar o corpo perfeito do pedestal, entender que cada silhueta é normal.”

Isso deve acontecer inclusive entre as profissionais de nutrição. Convidada para ministrar aulas e cursos em universidade, a especialista tem notado um número crescente de estudantes com distúrbios alimentares. “Elas se matriculam já tendo o problema e, em vez de se tratar, aprendem ferramentas – contagem de calorias, leitura de rótulo -- que contribuem para a manutenção. Com o diploma em mãos, passam a perpetuar esses desajustes. É como um cego guiando outros cegos.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
BBC
Bloomberg
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Agência Estado
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
BBC
AFP
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo