Comportamento

10 fatores que impedem a mulher de chegar ao orgasmo

Getty Images
Cerca de 55% das brasileiras sentem dificuldade de atingir o orgasmo Imagem: Getty Images

Daniela Carasco

do UOL, em São Paulo

08/10/2017 04h00

Os caminhos para chegar ao orgasmo feminino ainda são misteriosos para muita gente. A pesquisa Mosaico 2.0, que mapeou o comportamento sexual dos brasileiros, constatou que 55% das mulheres ainda enfrentam dificuldades de atingi-lo. Segundo a psiquiatra Carmita Abdo, do Programa de Estudos em Sexualidade da USP, os obstáculos são primordialmente psicológicos. Notícia boa: todos são contornáveis! Conheça cada um delas:

1. Achar que orgasmo depende só da penetração

Carmita conta que só um 1/3 das mulheres chega a orgasmo com penetração, outro 1/3 o alcança por meio do clitóris e o restante nem consegue atingi-lo. Quem faz parte do último grupo, deve, segundo a especialista, considerar três razões primordiais: falta de repertório sexual, penetração precoce e descuido nas preliminares –parte fundamental do processo.

2. Preocupação exagerada

Entrar no sexo muito preocupada com o orgasmo prejudica. “Ele é só a terceira fase do ciclo de resposta sexual. Antes, tem o desejo e excitação”, conta a psicóloga e sexóloga Priscila Junqueira, de Campinas. “Se as duas primeiras etapas não forem bem executadas e curtidas, haverá prejuízo na resposta final, quando corpo e mente precisam entrar em repouso.”

3. Obrigação do ritual

Transar não é como um jogo de tabuleiro cheio de estratégias a serem cumpridas. Se a interação for mecânica e marcada por exigências, o orgasmo certamente ficará comprometido. Relaxar é a exigência número um para gozar. Deixe as regras para outras ocasiões.

4. Desconhecer o próprio corpo

Cada corpo tem seu próprio mapa do prazer. E a melhor forma de descobri-lo é experimentando. Para Priscila, é fundamental conhecer suas zonas erógenas. Descubra o que lhe excita e crie suas fantasias. Esse conjunto de fatores dá autonomia, tira a responsabilidade do parceiro e, consequentemente, aumenta a excitação --prato cheio para o orgasmo. Toque seu corpo, explore a vulva e use brinquedinhos eróticos

5. Aversão à masturbação

Ainda segundo dados da Mosaico 2.0, 40% das mulheres brasileiras não têm o hábito de se masturbar. Carmita conta que, até os anos 1970, a masturbação era considerada suja e doentia. O que os especialistas fazem questão de reforçar é que é uma prática extremamente saudável para a vida sexual e a primeira etapa do prazer, antes da descoberta com o parceiro.

6. Insegurança corporal

O desagrado quanto ao próprio corpo ainda é um empecilho para se entregar ao prazer sexual. Por se acharem feias, fora de forma e até sujas, mulheres deixam a baixa autoestima afetar a performance. E aí não há como se sentir confortável com as carícias. Mais do que genital, o orgasmo é uma questão emocional. Procure ajuda!

7. Depressão

Carmita destaca que a condição depressiva anula o entusiasmo, desejo, agilidade sexual e ritmo. E antidepressivos potencializam esse efeito, já que atuam diretamente no retardo da libido. Parar de tomá-los sem que a doença tenha sido curada não é o caminho. O ideal é focar no tratamento para que, ao final, o orgasmo naturalmente chegue. Uma etapa de cada vez!

8. Ansiedade

Se o relaxamento é o potencializador do orgasmo, uma pessoa ansiosa terá dificuldade de gozar. Preocupação com o ato, pressão para dar prazer ao outro, medo de decepcionar, desconforto e falta de intimidade são alguns agravantes da ansiedade na hora do sexo. Se a situação é recorrente, procure ajuda de um especialista.

9. Cansaço

Colocar o sexo na lista de tarefas obrigatórias, assim como tratá-lo como última atividade do dia depois de uma rotina cansativa de trabalho, detona o estímulo ao orgasmo. Se transar for só uma tarefa a mais da sua agenda diária, repense. Ele certamente não te levará ao clímax.

10. Traumas sexuais

Mulheres que já foram vítimas de violência, abuso e assédio podem sofrer com a inibição da sexualidade de forma geral. E isso naturalmente comprometerá o orgasmo. “Em alguns casos, elas não chegaram necessariamente a se darem conta da agressão no momento em que ela aconteceu, mas carregam lembranças inconscientes que interferem no prazer”, explica Carmita. Nesses casos, é imprescindível o acompanhamento psicológico para superar traumas e voltar a ter uma vida sexual satisfatória.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
BBC
AFP
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
ANSA
BBC
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Pelado na ioga
do UOL
Redação
Redação
Topo