Comportamento

Estudo mostra que estereótipos de gênero afetam crianças cada vez mais cedo

Divulgação
Projeto mostra que meninas podem ser o que quiserem ser independente do gênero Imagem: Divulgação

Do UOL

09/10/2017 17h08

De acordo com um estudo divulgado na última semana pela Organização Mundial de Saúde e Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, não importa se você cresce na Índia, China ou nos Estados Unidos - quando se trata de aprender o que significa ser uma menina ou um menino, prevalece um estereótipo universal: as meninas são fracas e os meninos são fortes. O estudo foi realizado com 450 crianças de 10 a 14 anos em 15 países, incluindo Bélgica, Egito, Quênia e Nigéria.

Desde muito novas meninas recebem a mensagem que são vulneráveis e que seus corpos são um alvo. Por isso devem cobrir e manter seus corpos longe dos meninos. "Se você é uma menina, você está de guarda. Se você é um menino, você aprende que você é um agressor. É como uma profecia auto-realizadora", diz Robert Blum, professor do departamento de saúde populacional, familiar e reprodutiva da Johns Hopkins.

"Devido à falta de modelos, muitas meninas não acreditam em sua capacidade de liderança e, efetivamente, em estar à frente de um projeto que realmente possa mudar o mundo", afirma Deborah De Mari, idealizadora do projeto "Força Meninas" que tem como principal objetivo apresentar esses modelos para que as meninas se espelhem neles. Deborah é pesquisadora nas áreas de Gênero, Liderança, Habilidades do Século 21 e o Futuro da Educação e concluiu o curso Girls Leadership Professional Development Training (GLPDT), em Boston/EUA.

Ainda de acordo com a estudiosa brasileira, é importante quebrar os estereótipos durante a infância e reforçar essa ruptura durante a adolescência quando as opiniões se firmam de fato.

Uma garota em Assiut, no Egito, estava entre as mais "angustiantes", segundo Blum. Ela disse aos pesquisadores - "Agora, olho para mim no espelho e eu digo: 'Sim, eu cresci. Eu não posso sair mais’”. Um garoto de 11 anos de Hanói, no Vietnã, fez um questionamento parecido ao ser proibido de brincar com sua melhor amiga - "Por que não posso mais brincar com ela? Não é justo".

Para refletir sobre o assunto, o projeto "Força Meninas" vai realizar em São Paulo o evento “Mude o mundo como uma menina” com palestras e apresentações culturais, no dia 21 de outubro na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi dedicado a garotas com idades a partir de 6 anos e seus responsáveis. As palestras serão de 10 minutos cada, intercaladas com apresentações com performance de dança e teatro, entre outras surpresas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
BBC
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Topo