Equilíbrio

10 exemplos mostram claramente a diferença entre tristeza e depressão

Getty Images
Quando o baixo-astral está demorando a passar, pode ser sinal de que o estado é mais do que tristeza Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

19/10/2017 04h00

Há uma linha muito tênue que separa a tristeza da depressão. Autoconhecimento é fundamental para se dar conta, por exemplo, de que o baixo astral já dura há algum tempo e que o cansaço e a apatia parecem mais intensos do que o normal. Entenda quais são as principais diferenças para saber se precisa buscar ajuda.

Leia também:

1. Definição

Tristeza: é um sentimento.

Depressão: é uma doença.

2. Intensidade

Tristeza: assim como a dor, a raiva e o medo, cada um sente de um jeito.

Depressão: usando a própria experiência com a tristeza como parâmetro, a pessoa percebe que é muito mais intenso. Pensamentos recorrentes: "isso me derrubou, eu não sou assim", "achava que era frescura", "não consigo pensar ou decidir" e "só penso em coisas ruins".

3. Motivos

Tristeza: a relação com o evento que a desencadeia é clara. A origem pode ter sido um rompimento amoroso, uma briga com um amigo, uma chateação no trabalho, saudade de uma fase mais feliz... Em alguns dias, simplesmente acordamos com o pé esquerdo. Porém, sempre é possível se recompor, pensar ou fazer outra coisa e espantar a tristeza.

Depressão: pode haver um fator desencadeante, mas muitas vezes não há. Pelo menos, não claramente. A depressão pode aparecer mesmo que a vida da pessoa esteja sem problemas relevantes. Isso não quer dizer que não haja, de fato, razões para estar deprimido. O que pode ou não se perceber é o tal "gatilho".

4. Sintomas

Tristeza: nem sempre é fácil distinguir os momentos de cansaço, preocupação e desânimo (reações normais do nosso corpo e da nossa mente às demandas da vida cotidiana) de sintomas depressivos, que seriam reações patológicas ou anormais.

Depressão: caracteriza-se pela presença de um conjunto de sinais e sintomas que se mantêm por pelo menos duas semanas consecutivas, dificultam a capacidade de dar conta do dia a dia e torne o jeito de ser da pessoa diferente do habitual. Parece que tiraram sua energia e jogaram fora. Nada muda seu humor e a irritabilidade não passa. Outros sinais: dificuldade para dormir, alterações de apetite, fadiga, perda do interesse pela vida em geral, negativismo, pessimismo, ansiedade elevada e, em alguns casos, pensamentos suicidas.

5. Duração

Tristeza: em geral, vai embora em até duas semanas.

Depressão: os sintomas não passam. Há casos em que podem até passar, mas sem o tratamento adequado demoram muito mais tempo. Pode levar até anos. E, com muita frequência, os sintomas que parecem ter cessado voltam (recaída). Ou parecem que vão melhorar e redobram de intensidade, algo a que os especialistas dão o nome de recrudescência. O pior dano é a permanência para toda a vida de sintomas que viraram crônicos.

6. Jeito de lidar com o luto

Tristeza: quando há uma perda, a aceitação acontece de maneira mais breve, sendo possível dar continuidade a vida sem grandes prejuízos. Aquela dorzinha da saudade pode permanecer, mas em um nível que não impede a pessoa de seguir em frente.

Depressão: as perdas são mais difíceis para a sua elaboração, prolongando a dor, trazendo a sensação de que aquele episódio é recente, mesmo que seja um luto antigo.

7. Apatia

Tristeza: em momentos de reflexão sobre escolhas na vida, a tristeza pode aparecer quando o caminho a ser trilhado ainda não está bem definido ou decidido, acarretando incertezas.

Depressão: a pessoa não consegue fazer planos e projetos de vida, sejam eles profissionais ou pessoais, carregando a sensação de desesperança e grande vazio.

8. Pensamentos

Tristeza: mesmo numa fase baixo-astral, a pessoa consegue mesclar os pensamentos tristes com ideias construtivas e felizes, cultivando novamente a esperança.

Depressão: o pensamento do deprimido costuma recordar, com mais frequência, momentos nos quais houve desistências, perdas, erros e derrotas. As imagens mentais que surgem se concentram apenas no que foi negativo para a pessoa, gerando culpa.

9. Impacto nos relacionamentos

Tristeza: a pessoa restringe contatos e evita algumas situações sociais. Mas, logo que a tristeza passa, as relações são retomadas.

Depressão: as relações tornam-se mais distantes. A pessoa vai ficando cada vez mais calada, pouco disponível a encontros e bate-papos com as pessoas. Não raro, prejuízos começam a aparecer no trabalho e na família.

10. Tratamento

Tristeza: na infância, pais ou cuidadores suavizam nossa tristeza com beijinhos, abraços e palavras de consolo. Aprendemos a aceitar, enfrentar e superar e usamos esses recursos durante toda a vida. A tristeza também pode ser driblada com lazer, programas divertidos, companhia dos amigos.

Depressão: as causas da depressão, muitas vezes, não são identificadas em um primeiro momento, por isso é importante buscar ajuda profissional. Precisa ser tratada com terapia, medicamentos e mudanças nos padrões de vida. E, em alguns casos, com a orientação da família.

Fontes: Barbara Bastoni dos Santos, psicóloga do Hospital Assunção da Rede D’Or São Luiz; Guido Boabaid May, psiquiatra e CEO do laboratório GnTech; Licia Milena de Oliveira, psiquiatra e professora dos cursos preparatórios Medcel, e Luiz Scocca, psiquiatra membro da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo