Comportamento

Três feridas emocionais da infância que todo adulto deveria superar

Getty Images
Nunca é tarde demais para mudar Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

20/10/2017 04h00

Não dá para mudar o passado, mas nunca é tarde para mudar a maneira como lidamos com ele. Alguns sofrimentos da infância continuam a doer na vida adulta, gerando dificuldades nos relacionamentos e baixa autoestima. Veja três feridas emocionais comuns, e por que é importante tomar consciência delas para, então, curá-las.

Medo de abandono e traição

O problema: são medos muito comuns e similares que, na idade adulta, ressurgem na forma de ansiedade e numa extrema dificuldade de confiar nas pessoas.

A origem: na infância, todos nós, em algum momento, experimentamos a sensação de abandono. É natural. Quando os pais saem para trabalhar, estão conversando entre si ou quando demoraram para atender nossos desejos. Para algumas crianças, a experiência é mais dolorosa. Nem sempre se trata de abandono. Às vezes, sim: físico ou emocional. A criança queria receber amor incondicional, mas, em vez disso, foi reprimida, ignorada e, em alguns casos, rejeitada.

O reflexo: Quando se sente rejeitada, a criança promete a si mesma (ainda que de maneira inconsciente) que nunca mais ninguém fará com que ela volte a se sentir daquela maneira. Na vida adulta, o que faz uma pessoa que não quer se sentir abandonada, rejeitada ou traída? Abandona, rejeita e trai primeiro. Evita se envolver e se torna uma pessoa controladora e desconfiada.

A sensação de não ser capaz

O problema: se a falta de amor é prejudicial, o excesso também é. Quando os pais exageram na dose de amor e querem fazer tudo pela criança, o resultado no futuro pode ser desastroso.

A origem: aqueles que nunca economizaram mimos e sempre cercearam a autonomia e a independência dos filhos pequenos --guardando seus brinquedos, apaziguando seus conflitos com os coleguinhas ou vestindo-os e calçando-os mesmo depois de grandes-- acabam alimentando na criança o sentimento de inutilidade. A percepção infantil é assim: "não consigo fazer nada certo" e "os outros sabem o que é melhor para mim".

O reflexo: o resultado são jovens incapazes de lidar com negativas, frustrações ou obstáculos. Há, ainda, adultos que por acreditarem que são absolutamente incapazes e inúteis fazem o que for preciso para obter o reconhecimento de suas habilidades e competências. A superproteção impede os pequenos de aprenderem a lidar com dificuldades, frustrações e, principalmente, aprender a criar soluções para o que estão passando.

A obrigação de agradar

O problema: embora a maioria dos pais acredite dar amor incondicional aos filhos, às vezes o que falam passa a mensagem oposta. Exemplos: “você não comeu a salada, eu não gosto mais de você”; “papai não gosta de criança que faz xixi na cama”, "você tirou 10, te amo tanto".

A origem: amor de pai e de mãe não deve depender nunca do que a criança faz. A ausência de reconhecimento e a mania de destacar apenas as atitudes negativas do filhos gera uma angústia imensa. A criança entende que precisa ser perfeita para ser valorizada e até amada por seus pais e leva isso para sua vida e suas outras relações.

O reflexo: o risco, na idade adulta, é de a pessoa se anular em prol dos outros e nunca se sentir boa o bastante para merecer o amor de alguém.

FONTES: Heloísa Capelas, especialista em inteligência comportamental, consteladora familiar, autora dos livros "O mapa da felicidade" e "Perdão – A revolução que falta" (Ed. Gente) e diretora do Centro Hoffman no Brasil, em São Paulo (SP); Lidia Weber, psicóloga, orientadora do Mestrado e do Doutorado em Educação da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e autora de 13 livros, entre os quais "Eduque com carinho: equilíbrio entre amor e limites” (Ed. Juruá), e Yuri Busin, psicólogo e diretor do CASME (Centro de Atenção à Saúde Mental Equilíbrio), de São Paulo (SP)
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Bloomberg
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Agência Estado
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
BBC
Topo