Sexo

Inversão de papéis no sexo: pessoas que curtem contam suas experiências

Di Vasca/UOL
Imagem: Di Vasca/UOL

Thais Carvalho Diniz

Do UOL, em São Paulo

24/10/2017 04h00

Do desejo feminino de ver o parceiro vestindo uma calcinha ao prazer o do homem ao explorar a própria sexualidade de um jeito diferente: a inversão de papéis no sexo pode surgir de ambos os lados. Protagonizado pela cinta peniana, que tem um pênis artificial acoplado, o fetiche faz parte da vida de casais heterossexuais que buscam novas sensações sexuais. Em suma, na prática, o homem é penetrado pela mulher. 

Apesar de parecer incomum, uma pesquisa com mais de 4.000 usuários da rede social Sexlog revelou que 43% já praticaram a inversão e 54% têm vontade de experimentar. Apenas 3% dos participantes não demonstra interesse. O UOL conversou com quatro casais que praticam a inversão. Leia os relatos.

Leia também:

"Gosto de dominá-lo. É um prazer inexplicável"

"Estamos casados há quatro anos e praticamos a inversão há três. Fazemos sempre que estamos a fim. A cada três vezes que transamos, em uma eu 'pego ele'. É um prazer inexplicável penetrar meu marido com o meu brinquedinho. E o Silva adora. Eu tinha curiosidade por ouvir falar da prática, e quando o conheci, o desejo ficou mais intenso, porque sempre conversamos abertamente sobre sexo e fantasias. Algumas vezes, quando eu não quero penetração, ele só me masturba. Gosto de dominá-lo, alisar o ânus dele... Dá muito tesão! Tenho orgasmo na inversão também. E como!). Mas é um prazer diferente de quando fazemos o sexo tradicional, outra intensidade". Fernanda, 44, sobre o relacionamento com Silva, 40.

"O ânus é um ponto sensível e faz o prazer durar mais"

"Minha mulher tinha a fantasia de me ver usando calcinha. Quando ela me disse e eu realizei o desejo dela, a nossa relação melhorou muito, até mesmo a confiança para tratar assuntos relacionados ao sexo. Um tempo depois, durante uma transa, ela tocou meu ânus com os dedos e, confesso, fiquei meio sem reação. Conversamos sobre a inversão, e cheguei dizendo que não faria. Depois ela mostrou alguns vídeos, resolvi ceder e acabei gostando. Isso foi há quatro anos. Desde então, acontece cerca de três vezes por semana. Também usamos plugs vibratórios e abusamos do beijo grego. O ânus é um ponto muito sensível e isso faz com que o prazer dure mais tempo. Consigo ficar com o pênis ereto logo depois de ejacular, por exemplo, algo que não dá em um sexo tradicional. As pessoas negam esse tipo de prática por puro machismo". Marcelo, 31, sobre a relação com Marcia, 27.

"Eu me sinto realizado quando uma mulher me domina"

"Começamos a fazer inversão com dois meses de namoro. Rola todo dia. A Sandra conheceu a prática comigo e eu ensinei passo a passo. Hoje, dois anos depois, ela domina bem o assunto, não fica com medo ou nojo de fazer de fazer nada. As coisas entre nós acontecem na maior naturalidade possível. Eu me sinto realizado quando uma mulher me domina. Sinto-me como um objeto sexual. E eu gosto disso. Também praticamos outras formas de humilhação, usando algemas, chicotes e consolos, além da cinta peniana e as bolinhas tailandesas. Eu vivo para dar prazer para ela". Roberto, 33, sobre a relação com Sandra, 41.

"É impressionante ter orgasmo sem ao menos tocar o pênis"

"Eu já praticava inversão antes de iniciar o meu atual relacionamento. A Silvana, minha parceira há nove anos, ficou sabendo sobre isso durante uma conversa nossa sobre sexo, porque sempre falamos abertamente a respeito. E um dia ela disse que queria experimentar. Fazemos pelo menos duas vezes por mês e tem dia que apenas ela é ativa. Acontece sem cobranças, naturalmente. Mudou a minha vida sexual, pois nunca tinha imaginado sentir prazer assim e muito menos vê-la sentir por fazer a inversão. Foi inusitado para ambos. Tornou-se essencial para a nossa satisfação sexual. É impressionante conseguir ter o orgasmo sem ao menos tocar o pênis. Você não acredita quando acontece a primeira vez, e vira um vício", Lopez, 60, sobre o relacionamento com Silvana, 47.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
Redação
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Mayumi Sato
Redação
do UOL
Topo