Comportamento

Beber estimula o sexo? E brigas? Mitos e verdades sobre efeitos do álcool

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Carolina Prado

Colaboração para o UOL

31/10/2017 04h00

Tem gente que diz ter feito isso ou aquilo por estar bêbado. Mas isso é verdade? A bebida pode mudar o comportamento, é verdade. Qual quantidade? Depende do hábito e da tolerância de cada um. Mas tem muita coisa que é desculpa esfarrapada. Veja os mitos e verdades mais comuns.

Quem bebe fica mais desinibido

Verdade: sob o efeito do álcool, a percepção que a pessoa tem do outro diminui, mas aumenta o contato consigo mesma. E, nesse tipo de situação, a censura vai embora. Até o tímido fica engraçadinho e se solta mais. “No cérebro, o álcool tem um efeito paradoxal, é uma falsa sensação de euforia e bem-estar. A pessoa pensa que está falando coisas interessantes, ela ri do que não tem graça, o pensamento fica empobrecido… mas a pessoa não se dá conta disso”, explica Cristiane Maluf Martin, psicóloga e psicanalista.

Começa a achar a vida um barato 

Mentira: existem três fases do consumo de álcool. Em um primeiro momento, a sensação até pode ser agradável, pois a bebida provoca um relaxamento. Porém, se o consumo é continuado, a pessoa chega à euforia, quando pode ter comportamentos agressivos. “Por fim, com um alto consumo, em um terceiro momento, vem a depressão”, explica a Dra. Iara. Nessa última fase, também são comuns outros efeitos indesejáveis, como vômito e mal-estar. E é aí que, abraçado com a privada, a felicidade do bebedor realmente chega ao fim.

Revela um babaca

Em termosnão é todo mundo que bebe que vai falar coisas capazes de magoar as pessoas ou que vai sair por aí fazendo piadinhas bobas. Mas, segundo o psiquiatra e psicanalista Sergio de Paula Ramos, o que acontece é que a bebida em excesso potencializa tendências que a pessoa já tem. “O álcool ajuda a soltar algumas das coisas que existem em nós e que queremos esconder. Então, acabamos dando com a língua nos dentes sob o efeito da bebida, por estarmos mais descontrolados.”

Perde a memória

Verdade: já teve dificuldade de se lembrar o que fez na noite anterior por causa da bebedeira? Sim, o responsável por isso foi o álcool, ou melhor, você, que bebeu demais. “Chamamos isso de apagamento. É como se tivessem tirado uma fatia da memória da pessoa. Esse é o efeito agudo”, conta o Dr. Sergio de Paula Ramos. Ele conta que também existe um efeito crônico da bebedeira, em que a pessoa apresenta danos na memória. “Quando esse quadro se torna mais grave, a pessoa perde a capacidade de memória de fixação, ela não consegue verter nenhuma informação nova, já está em um quadro demencial.”

Fica sincerão que só

Verdade: aquela história de que “a bebida entra e a verdade sai” não é mito nem desculpa esfarrapada. Com o consumo exagerado de álcool, a censura se torna um conceito abstrato. A pessoa acaba tendo maior contato consigo mesma e para de ligar tanto para o que os outros vão pensar. Então, ela praticamente joga o “filtro” fora e pode sair falando o que tiver vontade, como se não houvesse amanhã.

Melhora a performance no sexo

Mentira: o álcool é um depressor. Em um primeiro momento, ele deixa a pessoa eufórica, excitada. Mas, depois de algumas doses, provoca sonolência e compromete os sentidos. Sem contar que, alcoolizado, o casal pode se esquecer de usar camisinha: um perigo! “Shakespeare dizia que o álcool desperta o espírito. Mas é verdade que ele também adormece o corpo. Homens alcoolizados podem não conseguir ereção por causa do nível de álcool no sangue. Já as mulheres poderão ficar mais anestesiadas”, explica o Dr. Sergio de Paula Ramos.

Arruma briga até com a sombra

Verdade: isso pode acontecer, sim. Segundo a Dra. Iara, o álcool age principalmente em dois neurotransmissores: um deles é a serotonina, responsável pela regulação do humor. “O aumento da liberação de serotonina leva o sujeito à euforia, que pode vir a gerar comportamentos agressivos”, explica a especialista.

FONTES: Cristiane Maluf Martin, psicóloga e psicanalista, com especialização em álcool e drogas. Sergio de Paula Ramos, psiquiatra e psicanalista, diretor do centro de tratamento de dependência química Villa Janus. Iara Regina Wolf, psicóloga pós-graduada em Terapia Cognitivo Comportamental.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Bloomberg
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Agência Estado
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
BBC
AFP
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo