Vida no trabalho

Os prós e contras de ser um chefe "gente boa"

Getty Images
Por um lado pode parecer maravilhoso ser querido pelo seu time, mas por outro, existem os impactos negativos da camaradagem Imagem: Getty Images

Carolina Prado e Gabriela Guimarães

Colaboração para o UOL

31/10/2017 04h00

A figura do líder autoritário já foi comum. Muitas empresas eram comandadas por pessoas que exerciam modelos de liderança centralizadores e rígidos. Mas os tempos são outros e os gestores também. O chefe gente boa é o cara mais próximo da equipe, que gosta de agradar quem trabalha ao seu lado e manter as pessoas felizes no dia a dia. Mas se por um lado parece maravilhoso ser querido pelo seu time, por outro, existem impactos negativos da camaradagem. Veja quais são:

Leia também:

Contras

Pega para si as tarefas que deveria delegar

Ele pode fazer isso por diferentes razões, como aliviar a equipe ou até para mostrar que é um chefe que “põe a mão na massa”. Contudo, quanto mais o líder assumir tarefas dos seus liderados, menos tempo ele tem para desenvolver a equipe – e maiores são as chances de ficar estressado. O chefe deve dar o exemplo, mas também autonomia para que a equipe experimente as tarefas, aprendendo com os erros e crescendo com os acertos.

Nem sempre é bem visto pelos clientes ou pela empresa

Às vezes, um chefe que tenta ser camarada pode não levar seu time a grandes desafios. Porque protege a equipe de maneira excessiva. E a imagem que passa para quem está fora do time, pode ser a de alguém que não age com a energia diante de um profissional mais fraco.

Passa a mão na cabeça por saber da vida pessoal do funcionário

Ao ter contato com um problema pessoal de um colaborador, este chefe pode tomar suas dores, em vez de orientar. O ideal não é resolver o problema, mas ajudar a pessoa a encontrar o caminho para obter ajuda. Não dá para ‘pegar no colo’, isso só se faz com filho. A relação profissional é diferente.

As críticas que dá não são bem recebidas

Uma das grandes dificuldades em ser um líder assim é que os funcionários nem sempre estão preparados para ouvir algo negativo dele, mesmo que necessário. Só que dar feedback e desenvolver alguém não se faz dizendo o que o outro quer ouvir, mas, o que precisa ouvir para crescer.

Getty Images

Prós

É conectado com a equipe

A base de qualquer relacionamento é a conexão, sem isso é complicado buscar resultados. Criar conexões sólidas gera confiança, dizem os especialistas. A confiança não fecha negócio, mas, sem ela, é muito difícil começar uma negociação.

Sabe dar feedback

O chefe gente boa enxerga o que a equipe está fazendo de positivo e reconhece, o que ajuda o time a crescer mais. Ele também não costuma trabalhar com respostas prontas e críticas objetivas, indica os liderados a encontrar repostas em si mesmo, assim como um coach.

Dá autonomia para a equipe

Deixar que as pessoas atuem com liberdade em determinados momentos potencializa as competências individuais. É também uma maneira de dar à equipe o que os americanos chamam de ‘ownership’, que é dar a sensação de propriedade, de ser dono do negócio que está tocando, o que aumenta a responsabilidade e o comprometimento.

Enxerga no que cada funcionário é bom

As pessoas não são boas em tudo e o gestor gente boa sabe disso. Mas ele consegue potencializar as qualidades, fazendo até com que o funcionário se torne referência naquilo. Segundo os especialistas, o bom líder empodera as pessoas, permite que os talentos sejam explorados e, ao mesmo tempo, consegue harmonizar para que não haja disputa dentro da equipe.

Ele sabe o que cada um faz

Como está mais próximo dos liderados, este chefe tem a chance de acompanhar de perto o desenvolvimento do trabalho. Assim, consegue reunir um número maior de informações para construir estratégias que beneficiarão a todos.


FONTES: Alexandre Lacava, autor do livro "7 passos para ser um líder de vendas" (Editora Gente). Alexandre Slivnik, diretor geral do Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento. Luciano Salamacha, professor de gestão e estratégia da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Marco Ornellas, psicólogo e membro do International Coaching Federation.


 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Comportamento
BBC
Redação
BBC
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
Topo