Comportamento

É marketing pessoal ou arrogância? Como se promover sem queimar o filme

Getty Images
Você é adepta do marketing pessoal? Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Rita Trevisan

Em colaboração para o UOL

11/11/2017 04h00

Em tempos de competitividade acirrada e com o mercado em constante mudança, é preciso evidenciar os resultados alcançados no trabalho para garantir destaque em qualquer tipo de organização. Assim, não basta fazer uma boa entrega, é preciso falar dela aos colegas e superiores. “O marketing pessoal é a ferramenta usada para ressaltar, de maneira positiva, a sua imagem, as suas características, ações e competências, pessoais e profissionais”, conta Felipe Carvalho, gerente de negócios da Thomas Case & Associados. Só não dá para perder o pé nessa autopromoção, a ponto de provocar antipatia e desconfiança nos demais. E a linha é tênue, como você vai ver a seguir.

Propor soluções

É marketing pessoal. Uma das melhores maneiras de mostrar suas habilidades no ambiente de trabalho é pensar em soluções para os problemas recorrentes que afetam o negócio e até as pessoas à sua volta. “Levar inovações para os projetos da empresa gera visibilidade e traz credibilidade ao colaborador”, conta o gestor de RH, Bruno Santana. 

Apontar problemas dos outros

É arrogância. Marketing pessoal tem a ver com promover a si mesmo e não com tentar desqualificar o outro, atitude que, em qualquer tipo de empresa, criará uma péssima impressão.

Falar dos seus bens materiais

É arrogância. Você até pode pensar que está inspirando pessoas ao mostrar seu carrão novo, conquistado com muito trabalho. Mas certas coisas não precisam ser ditas, são notadas. Além disso, é preciso considerar que as novas gerações prezam mais o acesso que a aquisição. “Então, vale expor apenas aquilo que é útil ao outro ou ao ambiente profissional, naquele momento”, conta Jorge Barros, gerente de marketing do Grupo Bridge.

Compartilhar experiências

É marketing pessoal. Desde que elas estejam de acordo com o contexto discutido, você pode falar sobre aprendizados que teve em outras empresas, em outros cargos e com outras equipes. O objetivo deve ser sempre o de enriquecer a discussão e apoiar a tomada de decisão no presente.

Mostrar-se atualizado

É marketing pessoal. Mais uma vez, é fundamental que as novidades citadas no ambiente de trabalho estejam relacionadas ao projeto em desenvolvimento. “Não é arrogante demonstrar conhecimento. O que torna a fala arrogante é quando um profissional se coloca como mais capacitado que outro”, diz Viviane Narducci, mestre em Administração de Empresas e professora do IDE Management FGV.

Veja também:

Defender suas ideias usando dados objetivos

É marketing pessoal. Essa é uma estratégia que ajuda a vencer impasses dos mais variados tipos. Afinal, contra fatos não há argumentos, certo?

Rebater todas as críticas dos colegas

É arrogância. É válido expor seus pontos de vista. Mas as reuniões também podem ser um bom momento para evidenciar uma qualidade cada vez mais rara no mundo corporativo: a humildade. Considere que não há nada de errado em receber críticas, desde que elas sejam construtivas.   

Selecionar muito bem o que posta nas redes sociais

É marketing pessoal. Seus amigos podem até achá-lo muito reservado (ou chato) por isso. Mas as redes sociais potencializam de maneira surpreendente o alcance das mensagens. Um post pode ser divertido para um grupo de amigos, mas pode soar ofensivo a um de seus contatos profissionais.

Postar sobre suas conquistas profissionais, sem citar a equipe 

É arrogância. Ao agir assim, você estará se mostrando incapaz de tirar proveito do que há de melhor no todo. “Isso acontece quando o indivíduo deixa de perceber os outros por estar muito envolvido consigo mesmo”, explica a gerente de RH, Ana Marques.

Falar da sua dedicação a um projeto

É marketing pessoal. Não há problema algum em contar o caminho que você percorreu até o sucesso. “É importante dizer que você se sentiu desafiado. Estará implícita a ideia de que você se esforçou para aquilo acontecer da melhor maneira possível”, conta a coach de negócios Larissa Grosseli.

Mencionar que trabalhou fora do horário para fazer a entrega

É arrogância. Já é de se esperar que grandes projetos demandem grande empenho; nesse contexto, trabalhar fora do horário de expediente é relativamente comum. E assumir a posição de vítima quando há várias pessoas no mesmo barco, bem ao seu lado, pode pegar mal.  “Dependendo da situação, o fato também pode ser interpretado como falta de organização”, diz Felipe Carvalho.

FONTES: Bruno Santana, Gestor de RH e MBA em Gestão de pessoas. Viviane Narducci, PHD e Mestre em Administração de Empresas, diretora da Narducci Consulting – Consultoria e programas de capacitação em Gestão Estratégica de Pessoas, professora do IDE – Management FGV. Felipe Carvalho, gerente de negócios da Thomas Case & Associados. Ana Marques, gerente de RH da Nova Opersan. Jorge Barros, Gerente de Marketing do Grupo Bridge. Larissa Grosseli, coach de negócios e co-fundadora da Baruki Treinamento e Desenvolvimento Humano.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
do UOL
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Opiniões Estilo
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Topo