Comportamento

#ChurchToo: Denúncias nas redes relatam assédios em ambientes religiosos

Getty Images
A partir da #ChurchToo, mulheres denunciam suas experiências com abuso e assédio sexual nas igrejas católicas e evangélicas Imagem: Getty Images

do UOL, em São Paulo

23/11/2017 10h01

As redes sociais se tornaram ferramentas importantes nas denúncias recentes de casos de abusos e assédios sexuais tanto em Hollywood quanto dela.

Depois do surgimento da hashtag #MeToo, que transformou o Twitter e o Facebook em plataformas para sobreviventes contarem, literalmente, milhões de suas histórias, quem viu ou passou por violência sexual em ambiente religioso está se expressando através da #ChurchToo.

Veja também

O movimento começou no Twitter no dia 21 de novembro, depois que a poetisa americana Emily Joy relatou sua experiência de assédio com um líder da juventude na igreja evangélica que frequentava quando tinha 16 anos. Ele tinha mais de 30. Veja:

A pesquisadora de trauma Hannah Paasch respondeu aos tuítes pedindo que, aquelas que estavam se identificando com a narrativa de Emily e passaram a relatar suas próprias histórias, usassem a hashtag #ChurchToo.

"Como disse a Emily Joy, o dia de prestação de contas está chegando para a Igreja, assim como para Washington e Hollywood. Compartilhem suas histórias com a #ChurchToo", pediu.

Desde então, milhares de usuários têm relatado situações de abuso sexual em mais de uma corrente do cristianismo através da hashtag. Veja algumas delas:

"Porque eu presenciei uma menina de 5 anos acusar o estuprador dela (ministro da juventude) no meio do culto e, ao invés de a congregação levar as denúncias dela a sério, eles a repreenderam e a acusaram de mentir. As palavras dela foram 'este é o homem que fez minha 'pipi' doer'".

"Um pastor da juventude chamou uma garota de estúpida por "permitir que fosse estuprada". Eu o enfrentei e outros líderes de estudos da bíblia me puniram, disseram que ele estava correto e que eu deveria respeitar os anciões da igreja. Eu deixei a igreja e nunca mais voltei".

"Na igreja que eu abandonei, o filho de 30 anos do pastor tentou abusar sexualmente de uma menina de 13 anos dentro do escritório da igreja. Os outros a culparam".

"Eu tinha 13 anos e era filha do pastor. Um membro proeminente da igreja me abusou e eu o denunciei para a igreja, que encobriu o caso, demitiu meu pai e fez dele um ancião".

"Eu tinha 12 anos e [o abuso] foi visto como um caso de traição. Eu tive que orar com a esposa do meu agressor por perdão. Ela estava tão decepcionada que eu destruí a confiança dela".

"Eu fui estuprada quando tinha 9 anos por um membro da minha igreja. O pastor e meus pais me disseram que eu tinha que perdoá-lo, que era isso que Jesus faria. Eles me fizeram abraçar meu estuprador e dizer a ele que eu o perdoava".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Agência Estado
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
BBC
AFP
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
ANSA
Topo