Seu mau humor pode fazer bem para você; entenda por quê

Getty Images
Imagem: Getty Images

Letícia Rós e Veridiana Mercatelli

Colaboração com UOL

02/01/2018 04h00

Ninguém consegue ser bem-humorado todos os dias, 100% do tempo. Se você conhece alguém que é assim, é bom desconfiar.

Mas acredite: o mau humor pode até ser benéfico e você não precisa, necessariamente, fingir que está tudo bem. Entenda por que:

Ninguém é feliz como no Instagram

A primeira coisa que você precisa saber sobre mau humor é que é desnecessário sorrir quando você não tem vontade. "Vivemos um perigoso tempo em que o baixo astral é negado, temos que estar felizes o tempo todo e exibir isso no Instagram. Mas nós variamos de humor, não tem jeito. Todos estamos sujeitos a um vazio existencial. E, ao mesmo tempo, é ele quem diz: o que faço com a minha vida?", afirma Luiz Scocca, psiquiatra membro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e da Associação Americana de Psiquiatria (APA).

Além disso, também vale levar em consideração que um certo mau humor pode ser uma característica da personalidade, quando associada a determinadas situações. "É comum algumas pessoas terem esse sentimento quando acordam cedo, estão com fome ou com sono e isso pode ser considerado uma característica individual", conta a psicóloga Caroline Riva.

Mau humor aumenta estado de atenção

Outra informação importante: o mau humor tem utilidade e não é apenas irritar os outros. Claro que quando a situação é crônica, começa a ficar preocupante, mas aquele momento de rabugice, natural do ser humano, pode ajudar a desenrolar situações tensas e difíceis. "Aproveite esse dia para resolver pendências, ter aquela conversa difícil que estava adiando com seu vizinho, seu patrão, seu empregado. Desde que você não seja do tipo que explode, perde a razão e ofende. O mau humor aumenta a energia e a atenção", afirma Scocca.

Veja também

A rabugice pode ser edificante

A irritação também pode ser um indício de que algo não vai bem, levando você a refletir mais profundamente sobre a própria vida. Ao final do processo, você poderá descobrir novas alternativas para viver melhor ou até ganhar fôlego para empreender as mudanças necessárias, para tornar seu dia a dia mais prazeroso. 

Porém, para dar certo, é interessante que você seja capaz de analisar os seus sentimentos e pensamentos. "Às vezes, você pode achar que o que o deixa ranzinza é acordar cedo. Mas aí chegam as férias e você acorda cedo para aproveitar mais o dia, sorrindo de orelha a orelha. E a rabugice, onde foi parar? Nesse caso, se refletirmos, poderemos chegar à conclusão de que o mau humor não é por acordar cedo, mas sim por ter que ir trabalhar", diz Aristides Brito, neurocientista, coach, professor de Pós-Graduação de Publicidade e Propaganda da Universidade Santa Cecília, de Santos.

A partir dessa descoberta, ele sugere ressignificar a ideia relacionada ao motivo do mau humor. Se for o trabalho, a orientação é tentar associá-la ao progresso material, à compra de uma roupa nova ou de um carro novo, por exemplo. "A partir desse novo significado, surge uma motivação que altera o estado emocional relacionado àquela situação. Não é fácil, claro. Precisa praticar", afirma o neurocientista.

Procure o que lhe dá prazer nessas horas

Em alguns casos, a melhor maneira de lidar com o mau humor é ficar mais introspectivo, para minimizar os riscos de acabar descontando a irritação em quem não tiver sensibilidade para entender esse seu momento. Além disso, quanto mais reservado, mais você poderá pensar sobre o que está alterando seu estado de espírito.

Outra alternativa é buscar companhias e programas que lhe deem prazer. Cultivar seu passatempo predileto é uma ideia. Praticar atividades físicas também funciona. Afinal, os exercícios podem aumentar o nível de hormônios que geram uma sensação de bem-estar instantâneo no organismo.

Quando procurar ajuda

Segundo a psicóloga clínica Heloísa Spinoso, o mau humor passa a ser patológico quando se torna uma constante e começa a trazer consequências desagradáveis, diminuindo a qualidade de vida. "Esse estado é prejudicial quando a pessoa começa a alimentar pensamentos automáticos, espontâneos, ligados a fatores negativos, quando maximiza tudo o que é ruim. O resultado é que ela fica sempre pessimista, cansada e muito autocrítica", explica. Nesses casos, é bom buscar apoio profissional, como de um psiquiatra ou psicólogo, que ajudará a mudar esse padrão mental, para viver de forma mais saudável.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor