Comportamento

Exagerar no doce, controlar tudo: 5 jeitos errados de lidar com a ansiedade

Getty Images
Mulher com crise de ansiedade Imagem: Getty Images

Carolina Prado e Letícia Rós

Colaboração com o UOL

03/01/2018 04h00

A ansiedade é uma condição natural do ser humano e um mecanismo de defesa que nos deixa alertas quando nos sentimos ameaçados. Segundo especialistas, dependendo da maneira como tentamos nos livrar de uma crise de ansiedade, podemos até piorar o problema.

Veja os principais erros que cometemos nesta hora e as dicas para lidar com o problema:

1- Tentar ter o controle de tudo

É comum o desejo de ter o controle sobre tudo e todos. Assim, não somos pegos de surpresa e nem ficamos sem saber como agir frente a uma situação qualquer. Infelizmente, não funciona para tudo. Aceite.

Querer controlar o ambiente, as pessoas e as situações só aumenta ainda mais a nossa ansiedade. Gastamos uma energia enorme neste propósito, mas, em geral, as coisas nunca acontecem como esperamos por uma razão simples: ninguém tem poderes para prever o futuro.

Dica: canalize sua energia para agir racionalmente, analisando um problema de cada vez e coloque o foco no agora.

Veja também

2- Fingir que está tudo bem

Aquilo que te deixa ansioso demais não desaparece só porque decidiu não pensar mais naquilo. Ou pior: negar a sua existência. As questões mal resolvidas precisam ser revistas de forma clara.

Se for o seu caso, procure entender quais as situações que desencadeiam sua ansiedade e perceber como reage frente a elas: briga, fica irritado ou fica calado, negando-se a falar como se sente, por exemplo. Ao se conhecer melhor, você poderá ter um pouco mais de controle não sobre o mundo externo, mas sobre si mesmo, deixando que a ansiedade chegue na medida certa.

Dica: procure se manter consciente do que está sentindo. Avalie se a ameaça é real e se há alguma ação de emergência a ser tomada.

3- Querer segurança a qualquer custo

Se você tem medo de avião, não adianta procurar estatísticas que provem que é 550 vezes mais arriscado atravessar uma rua pacata do interior e não morrer atropelado do que pegar a ponte aérea entre Rio e São Paulo.

Essa estratégia é comum, pois queremos sempre encontrar respostas ou soluções definitivas para nos sentirmos seguros. Mas, quanto mais procuramos informações que nos acalmem, maior a nossa chance de encontrar outros motivos para nos preocuparmos, entrando numa roda-viva de emoções estressante. 

Dica: ao enfrentar as situações que você teme, o medo começa a diminuir depois de um tempo. O cérebro registra que nada de mau está acontecendo e que andar de avião é realmente seguro.

4- Analisar tudo muito a fundo

Muitas pessoas tentam se livrar da angústia causada pela ansiedade tentando analisar a situação por todos os ângulos para encontrar todas as respostas possíveis. Quando essa estratégia é usada da forma adequada e na dose certa, pode até ajudar. Porém, o que acontece é que muitos se fixam apenas nas respostas negativas e pessimistas, então, o isso-não-vai-dar-certo-de-jeito-nenhum que se torna pensamento automático. Novamente, o ciclo vicioso se instala: a ansiedade aumenta e com ela vem a paralisia, nos deixando incapazes de tomar decisões assertivas. Ou, então, nos atropela para agir, fazendo que encontremos apenas respostas inadequadas para resolvermos o problema que nos aflige. 

Dica: a terapia cognitiva comportamental é uma maneira eficaz de aprendermos a perceber e raciocinar assertivamente sobre o ambiente, os problemas e as soluções e assim lidar melhor com a ansiedade.

5- Comer doce em exagero

Comer uma barra inteira de chocolate cada vez que bate uma ansiedade louca é uma delícia para alguns. Mas é melhor não cair nessa. O açúcar é um grande vilão nos transtornos de ansiedade. Em curto prazo, o doce pode fazer você se sentir melhor, mas em longo prazo, em excesso, contribui para aumentar a ansiedade, depressão e outros transtornos mentais.


Dica: pode comer chocolate sem susto, mas fracione a barra em pequenos pedaços. Coma devagar e sinta o prazer do sabor e da textura. Dois quadradinhos são suficientes para você se sentir menos ansioso e mais confiante para encontrar a solução que o preocupa.

FONTES: Miriam Farias, psicóloga e especialista em hipnose clínica. Luiz Francisco Jr., life coach e psicólogo. Rosalina Moura, psicóloga especialista em gerenciamento do estresse e diretora da Rumo Saudável. Elaine Di Sarno, psicóloga e neuropsicóloga. Yuri Busin, psicólogo e diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental - Equilíbrio (CASME). Paola Andrade Maia, psicóloga. Irma de Mello, psicóloga clínica.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

EFE
BBC
EFE
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
BBC
BBC
BBC
Blog do Fred Mattos
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Da Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
BBC
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
ANSA
Sem Filtro
Topo