Comportamento

As 7 crises mais comuns do casamento (e como enfrentá-las!)

iStock
Imagem: iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

06/01/2018 04h00

Os relacionamentos amorosos são divididos por ciclos. A maior parte deles é pontuada por crises que colocam à prova o amor, a cumplicidade, o vínculo e a vontade de permanecer juntos. Driblá-los é possível, sim, mas primeiro é bom entender o impacto de cada uma dessas situações:

Leia mais

1. Noivado e preparação do casamento

É um período cheio de alegria e estresse. Há muito o que preparar, comprar, combinar, tenha ou não cerimônia de casamento: escolha da casa, festa, viagem, móveis, divisão de contas. Quando os dois estão alinhados nas vontades, a chance de conflito é menor. Mas é difícil não ter desavença quando um é mais econômico do que o outro, por exemplo. É a primeira vez que diferenças vêm à tona. Como lidar? Aprender a ceder e a negociar. Agora, nem tudo será do jeitinho que você quer. 

2. Primeiro ano de casamento

Uma fase de adaptação de valores, princípios e costumes. O que era tolerável e até “fofo” durante o namoro começa a irritar. “Ambos devem cooperar para uma boa convivência e lembrar que se tornaram parceiros de vida”, diz Yuri Busin, psicólogo e diretor do CASME (Centro de Atenção à Saúde Mental Equilíbrio), de São Paulo (SP). Para a psicóloga carioca Claudia Iulianelli, muitos conflitos ocorrem porque as pessoas cultivam a fantasia de que os parceiros vão mudar depois do casamento. “Não tenha essa expectativa nem imponha uma visão particular de ‘certo’ ou ‘errado’ no casamento. Os dois devem, juntos, criar um jeito de viver”, diz.

3. Nascimento primeiro filho

Os dois têm de lidar com as demandas do bebê. Um misto de felicidade e insegurança mexe com o relacionamento. O psicólogo Roberto Rosas Fernandes, professor da PUC-SP, fala que a mãe se envolve com o bebê mais rapidamente. "Só mais tarde o homem percebe que faz parte desse espaço maravilhoso de amadurecimento familiar". Isso não justifica, porém, que o pai não divida as tarefas com a mãe. Ainda na gestação (ou até antes!) é preciso deixar bem claro o papel de cada um --e que a mulher não é a única responsável pela criação dos filhos. 

4. A crise dos 7 anos

A famosa crise dos 7 anos nem sempre acontece nesse período, mas depois de um certo tempo juntos --suficiente para o casal ter vivido uma série de coisas, como a chegada de filhos, brigas, desafios profissionais, perrengues domésticos, financeiros, familiares etc. A crise pode surgir na forma de dificuldade de comunicação, necessidade de rever objetivos e crenças, anseios por mudanças... É uma oportunidade de o casal crescer juntos e fortalecer a relação. Rever acordos, ter conversar honestas e não ficar armazenando mágoas é a única saída. 

5. Chegada dos 40

Além de lidar com as mudanças físicas, muita gente enfrenta a angústia de perceber que os anos passaram e que boa parte de suas aspirações ainda não foi realizada. Em alguns casos, homens e mulheres negam o processo natural de envelhecimento. A relação pode se desestabilizar, mas algumas medidas ajudam a aliviar a tensão: “Manter um estilo de vida saudável, continuar a sonhar e realizar projetos, ter foco em suas ações, manter a mente produtiva, assumir suas responsabilidades e escolhas e se sentir bem sem negar a idade neutralizam a crise”, diz Claudia.

6. Entrada na meia idade

Mesmo com a expectativa de vida aumentada e com várias estratégias para curtir os anos com saúde e equilíbrio, nessa fase as pessoas precisam passar por várias mudanças nada fáceis, como a morte dos pais idosos, filhos indo embora de casa, doenças na família, climatério, andropausa... Culturalmente, trata-se de uma etapa que é percebida como declínio da vida. As perdas existem, mas ainda há a espaço para expandir a capacidade produtiva e de recriação de si e do relacionamento. Buscar interesses diferentes, praticar esportes, ter um hobby ajudam a ter energia para não deixar a peteca cair. 

7. Terceira idade

É um momento em que aparecem as limitações: motoras, de locomoção, de concentração, da libido, emocionais, financeiras, profissionais, sociais. No entanto, se os casais fizeram das crises anteriores um aprendizado comum, fortalecendo o vínculo, certamente vão conseguir chegar a essa fase com mais aceitação, união e força. “A terceira idade é uma fase em que as pessoas acabam se entregando como se não pudessem mais realizar nada na vida, mas cada idade tem suas limitações e vantagens”, afirma Yuri. “Os idosos costumam refletir sobre a vida, fazendo um balanço. Tudo dependerá do olhar que a pessoa terá sobre a vida e sua rotina”, diz Claudia.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

BBC
BBC
Blog do Fred Mattos
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Da Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
BBC
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
ANSA
Sem Filtro
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
ANSA
Blog Alto Astral
Blog do Fred Mattos
Redação
Topo