Comportamento

Saiba como o pênis e a vagina mudam com o tempo e o efeito disso no sexo

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

11/01/2018 04h00

Sim, o pênis e a vagina também sofrem os efeitos do tempo e envelhecem. Mas, com adaptações e cuidados, dá para transar numa boa, sempre.

PÊNIS

Getty Images
Imagem: Getty Images

Adolescência

A produção de testosterona acontece a todo vapor. O pênis aumenta muito de tamanho e a pele fica mais grossa; os pelos vão ocupando a região pubiana e engrossando. Os testículos também crescem. Ereções fisiológicas e espontâneas durante a noite e pela manhã, quando a bexiga está cheia, são frequentes. A masturbação é fonte de prazer e autoconhecimento.

20-35 anos
O pênis já tem seu tamanho definitivo. As ereções são fáceis, vigorosas e duradouras, mas como a ansiedade em ter um bom desempenho ocupa boa parte dos pensamentos, é comum casos de ejaculação rápida.

40 anos
O atrito causado ao longo dos anos no sexo leva a um escurecimento da pele do pênis e da glande. O pênis sofre uma pequena perda de elasticidade dos tecidos e pode apresentar aumento de tamanho no estado flácido –o que não altera em nada as ereções. A ejaculação parece mais fácil de controlar. É uma fase de curtir o sexo com menos ansiedade. 

50 anos
Os pelos pubianos ficam mais finos; alguns embranquecem. O pênis demora mais para ficar duro. O período de descanso necessário após ejacular se amplia, dificultando mais de uma relação no mesmo encontro. Quem engordou pode achar que o pênis encolheu, mas ele apenas ficou mais “escondido” pelo aumento da gordura.

Terceira idade
Os pelos pubianos diminuem e ficam grisalhos. A pele perde o vigor e resseca. A diminuição de elasticidade atinge seu maior grau. Em alguns casos, o tamanho do pênis flácido se assemelha ao tamanho ereto. A frequência de relações diminui, as ereções diminuem e o orgasmo demora mais, mas a vida sexual pode continuar satisfatória.

VULVA E VAGINA

Getty Images
Imagem: Getty Images

Pré-puberdade
A mulher ainda não desenvolveu os chamados caracteres sexuais secundários –menstruação, amadurecimento dos seios, pelos pubianos. O nível de esteroides sexuais é praticamente nulo, uma vez que ovários e glândulas adrenais estão “bloqueados”. Portanto, a vagina e a vulva representam apenas estruturas meramente anatômicas e sem qualquer função.

20 anos
O órgão genital feminino fixa seu tamanho adulto. Dá para notar uma pequena diferença de espessura dos grandes lábios e é normal que a gordura subcutânea dessa região diminua. Fase de boa lubrificação: o ambiente é favorável à proliferação de bactérias essenciais tanto para a defesa imunológica como para a manutenção de um pH ácido e importante para a progressão dos espermatozoides no processo de fecundação. Corrimentos fisiológicos são comuns. A vulva é mais inchada e rica em fibras de colágeno. Clitóris tem boa irrigação, importante para o orgasmo.

30 anos
Início da perda de colágeno, causando flacidez nos grandes lábios. Outra alteração comum é o escurecimento dos pequenos lábios em decorrência de alterações hormonais e envelhecimento. Nada disso interfere no sexo. Na maior parte das vezes, o parto não causa modificações profundas na musculatura vaginal. Isso depende, é claro, da quantidade de filhos e das condições físicas de cada mulher. De qualquer modo, o processo natural de envelhecimento é responsável por um “afrouxamento” nessa musculatura.

Veja também

40 anos
Por volta dos 45, surge a menopausa. A diminuição dos hormônios testosterona e estradiol causa um grande impacto na saúde da vulva e da vagina, favorecendo infecções genitais e urinárias. A vulva perde tônus, pela diminuição na produção de colágeno, e a vagina fica com as paredes mais finas e lisas. A diminuição da lubrificação pode levar a ferimentos em exames ginecológicos ou no sexo. É fundamental usar lubrificante e é hora de discutir com o ginecologista se há necessidade de reposição hormonal.

50 anos em diante
O fim da menstruação. A diminuição do estrogênio leva a um tecido vulvar e vaginal mais fino e seco e menos elástico, dificultando o sexo. O pH se torna mais ácido, deixando a região mais propensa a infecções. Visitas recorrentes ao ginecologista são necessárias para acompanhamento desses problemas, além de prevenções. Com as medidas certas, a vida sexual segue sem dramas.
 

FONTES: Alessandro  Scapinelli, ginecologista de São Paulo (SP); Alex Meller, urologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Cristina Carneiro, ginecologista e obstetra de São Paulo (SP), e Valter Javaroni, chefe do Departamento de Medicina Sexual e Infertilidade da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), regional RJ.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Da Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
BBC
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
ANSA
Sem Filtro
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
ANSA
Blog Alto Astral
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
EFE
BBC
Redação
Topo