Sexo

Pênis fraturado no sexo não é lenda; entenda esse e outros acidentes

Getty Images
O pênis pode sofrer com fratura e rompimento do freio Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

26/01/2018 04h00

Uma transa mais arrebatadora pode provocar muito mais do que marcas de mordida e joelhos e cotovelos ralados. De camisinhas perdidas na vagina a pênis sangrando por excesso de entusiasmo, tudo pode ocorrer.

Saiba sobre alguns deles, para evitar contratempos e riscos desnecessários.

Pênis fraturado

Mesmo sem ter nenhum osso, o pênis é formado por um corpo cavernoso com várias estruturas que parecem esponjas e são responsáveis pela concentração de sangue da ereção. A fratura acontece quando, durante a penetração, o órgão erra o caminho e acaba se “dobrando”, rompendo algumas fibras com o impacto.

Veja também:

Segundo especialistas, no momento, escuta-se um estalo e há perda imediata da ereção. Em poucos minutos, um grande hematoma se forma. Esse acidente exige que o homem procure atendimento médico, para que um profissional avalie o estado e aplique o melhor tratamento. Em casos mais extremos, uma cirurgia é indicada para prevenir sequelas, como curvaturas e deformidades. Importante saber: a posição mais arriscada é a que a mulher vai por cima do homem.

Camisinha perdida na vagina

O preservativo pode se soltar durante a transa se for colocado do jeito errado (se não estiver totalmente desenrolado, por exemplo) ou se o seu tamanho for maior do que o diâmetro do pênis.

Na maior parte das vezes, dá para puxar a camisinha sem grandes esforços –o grande risco fica por conta de uma possível doença sexualmente transmissível ou uma gravidez indesejada, já que o esperma pode ter vazado. A recomendação é entrar em contato com o ginecologista assim que possível para uma orientação adequada.

Há, entretanto, duas situações em que o objeto fica literalmente dentro da vagina.

A primeira é quando a mulher adormece ou demora para tirar o preservativo, o que pode desencadear coceira, corrimento com odor desagradável e candidíase.

A segunda circunstância, mais rara, mas muito assustadora, é o preservativo entrar de tal forma na vagina que se torna impossível de puxá-lo ou vê-lo. Nesse caso, é fundamental procurar um ginecologista com urgência para que ele faça a retirada em consultório, com a ajuda de um espéculo e sem furar a camisinha.

Freio do pênis rompido

Sabe aquela “tirinha” que prende o prepúcio e se localiza entre a pele que reveste o pênis e a glande? Também chamada de frênulo ou freio, ela pode se romper e provocar muita dor e sangramento. Isso acontece, em geral, quando o frênulo é muito curto.

Apesar da dor, não há maiores consequências a não ser a interrupção do momento de diversão (não só na hora, mas por alguns dias).

Para tratar, basta pressionar a área com uma gaze esterilizada, para estancar o sangramento e fazer compressa com gelo. Em poucos dias, o machucado cicatriza.

Na dúvida, vale consultar um urologista – inclusive antes do rompimento acontecer, porque uma cirurgia preventiva pode evitar o problema.

Vagina cortada

Lubrificação é tudo na vida de uma mulher. Mesmo que ela esteja ansiosa por sexo, às vezes, certos medicamentos ou fatores como estresse (que dificulta o relaxamento) e o início da menopausa acabam deixando a vagina mais ressecada.

Daí, por maior que seja a animação, a penetração se revela bastante incômoda e agressiva. Sem um bom lubrificante, podem acontecer pequenos cortes e fissuras na vagina, que provocam dor e inchaço.

O mais indicado é interromper a transa e lavar a área com água fria, para aliviar a vermelhidão e a ardência. Caso o incômodo perdure, é bom procurar um ginecologista para checar a possibilidade de ser uma infecção ou algum outro problema.

Objetos “perdidos” no ânus ou na vagina

Não, aquele raio-X perturbador que você recebeu no WhatsApp não é fruto de recursos do Photoshop. Qualquer setor de emergência de hospital nesse mundão afora coleciona histórias de pacientes que tiveram coisas –de legumes a escovas de dentes e celulares– introduzidas no ânus, e impossíveis de retirar sem uma intervenção médica.

Por meio do anuscópio, equipamento para melhor visualização do reto, o médico consegue visualizar o objeto perdido e retirá-lo manualmente. Dependendo do tamanho e da natureza do “brinquedo”, pode sair pelas vezes.

Por falar em brinquedo, é por causa desse tipo de acidente que os fabricantes de produtos eróticos costumam colocar alças ou puxadores nos plugues anais. Na vagina, os riscos são os mesmos da camisinha, com a ressalva de que há o perigo extra de algo machucar o colo do útero e gerar uma infecção.

Fontes: Alex Meller, urologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Cristina Carneiro, ginecologista e obstetra, e Renato de Oliveira e Silvio Pires, ginecologista responsável pela área de reprodução humana e urologista da clínica Criogênesis, em São Paulo.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Blog da Regina
Redação
Blog Deu Match
Redação
Redação
Blog da Regina
Blog Deu Match
Redação
Redação
Redação
Blog Deu Match
Redação
Mayumi Sato
BBC
Redação
Redação
Redação
EFE
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Mayumi Sato
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
Redação
do UOL
Mayumi Sato
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo