Comportamento

Você sabe viver em tempos de crise econômica?

Alex Almeida/Folha Imagem
Imagem: Alex Almeida/Folha Imagem

Faça o teste elaborado com a consultoria de Jusivaldo Almeida dos Santos, vice-presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), e descubra se você está se preparando adequadamente para o que ainda está por vir

  1. 710

    Ao realizar uma operação a prazo, você calcula os juros?

    Alex Almeida/Folha Imagem
  • Alex Almeida/Folha Imagem

    Sabe, é precavido e ativo

    Em tempos difíceis, é importante apertar o cinto, mantendo-se sempre no azul, além de ser o mais prudente possível com os gastos domésticos. Também é fundamental agir para manter os recursos que tem e, se possível, ampliá-los, usufruindo de mais segurança. "Para continuar equilibrado, redobre os cuidados para controlar seu orçamento e invista o dinheiro com sabedoria. Esse é um aprendizado que pode ter surgido com a crise, mas dará bons frutos a vida inteira", afirma o educador financeiro Jusivaldo Almeida dos Santos

  • Alex Almeida/Folha Imagem

    Não sabe, é totalmente passivo

    Você vive como se a crise não existisse e pode pagar o preço do endividamento e da perda do patrimônio se continuar agindo dessa forma. Para mudar, o primeiro passo é analisar detalhadamente o seu orçamento, o que entra e sai a cada mês. "Vários estudos mostram que, após essa primeira checagem, consegue-se identificar gastos supérfluos ou excessivos na ordem de 20% a 30% do orçamento", diz o educador financeiro Jusivaldo Almeida dos Santos. Os próximos passos são cortar e poupar de 15 a 30% dos rendimentos mensais, pensando no seu futuro

  • Alex Almeida/Folha Imagem

    Sabe, às custas de muito sofrimento

    A maior parte das suas ações são preventivas e necessárias, como afirma o educador financeiro Jusivaldo Almeida dos Santos: "O prognóstico para 2016 também é ruim. A indústria e o comércio estão desaquecidos, o que reduz a abertura de novas vagas e aumenta o índice de desemprego". No entanto, você pode considerar a possibilidade de usufruir de algum prazer e de proporcionar isso à sua família de vez em quando, sem culpa. Caso contrário, a convivência poderá tornar-se extremamente maçante. Busque o equilíbrio

  • Alex Almeida/Folha Imagem

    Não sabe, mas pode aprimorar-se

    Você é consciente e organizado com as finanças, mas tem lá suas recaídas. Para manter-se disciplinado, use os dados sobre o fraco crescimento da indústria, do comércio, o aumento da taxa de juros e da inflação e a elevação do desemprego como um alerta. "Pense que apenas um gasto de valor mais elevado, feito sem pensar, pode levar você e sua família à inadimplência", diz o educador financeiro Jusivaldo Almeida dos Santos. Para manter as contas equilibradas, pague à vista, seja ainda mais prudente ao gastar e aumente o esforço de poupança

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
do UOL
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Opiniões Estilo
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Topo