Comportamento

Seu amor virou doença?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Às vezes, o sentimento deixa de ser prazeroso e passa a ser fonte de sofrimento para a pessoa e o par. Veja se é o seu caso a partir do teste realizado com a colaboração da psicóloga clínica Rosanna Talarico Mannarino, pós-graduada em terapia familiar

  • Getty Images

    Sim, precisa se cuidar

    Segundo a psicóloga clínica Rosanna Talarico Mannarino, o amor torna-se patológico quando a rotina é prejudicada ao sentir-se ameaçado por um rival, muitas vezes fantasioso, e pela necessidade obsessiva de controlar os sentimentos e comportamentos do outro. E esse parece ser o seu caso. Para sair do quadro obsessivo, buscar apoio de um profissional será de grande valia. 'O ideal é que o casal faça tratamento, com sessões individuais', afirma a especialista

  • Getty Images

    Não, é equilibrado

    Suas respostas indicam que você tem uma excelente autoestima, o que permite que alimente uma relação equilibrada com o par, sem cobrança ou ciúme excessivos. "Nenhum relacionamento está livre de desconfianças, mas o importante é encontrar um limite saudável e respeitá-lo", afirma a psicóloga Rosanna Talarico Mannarino. Aparentemente, você compreendeu isso e, agindo com coerência e lucidez, só tem a ganhar

  • Getty Images

    Não, mas corre risco

    É natural sentir medo da perda, ficar inseguro diante de uma ameaça. Porém, quando o ciúme e a dependência do outro tornam-se exagerados, podem justamente surtir efeito contrário, afastando de vez o par. "Avalie se a possessividade não está prejudicando sua vida pessoal e a do parceiro. Esse é um limite que não deve ser ultrapassado", afirma a psicóloga Rosanna Talarico Mannarino. Pense sobre o assunto e, se necessário, busque ajuda profissional

  • Getty Images

    Não, mas precisa cuidar da autoestima

    Aparentemente, seu problema é a insegurança. Você se coloca em uma posição muito inferior a do par e por isso sofre. Talvez esteja sendo o objeto da obsessão do par, tamanha sua subordinação a ele. "É muito comum que, para aliviar as brigas, um se submeta ao que o outro exige, de maneira disfuncional. Dessa forma, o parceiro obsessivo sente-se sempre no controle", diz a psicóloga Rosanna Talarico Mannarino

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

EFE
Blog Extraordinárias
Blog Alto Astral
Blog da Morango
Redação
AFP
Redação
EFE
BBC
Blog Alto Astral
Blog Deu Match
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog Alto Astral
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
AFP
Redação
Redação
Blog Deu Match
Redação
Blog Extraordinárias
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
AFP
Topo