Sexo

Dá espinha mesmo? Os mitos e verdades sobre a masturbação

Getty Images
Imagem: Getty Images

Avalie seus conhecimentos a partir do teste elaborado em colaboração com Maria Cristina Romualdo Galatia, orientadora sexual do Instituto Kaplan, o ginecologista Amaury Mendes Junior, pós-graduado em terapia sexual pela Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana, e o urologista Ricardo de la Roca, membro da Sociedade Brasileira de Urologia

  1. 110

    Mulheres só sentem prazer na masturbação se estimuladas na região do clitóris.

    1. Verdade
    2. Mito

      Mito

      Na maioria das mulheres, é a estimulação do clitóris que gera mais prazer, já que ele é ricamente enervado e vascularizado, mas também há mulheres que chegam ao orgasmo com a penetração. Além disso, são muitas as zonas erógenas femininas: seios, pescoço, boca, ouvido, parte interior das coxas e ânus estão entre elas.

  2. 210

    O uso de lubrificantes e géis pode intensificar o prazer na masturbação masculina.

    1. Verdade

      Verdade

      O movimento de vaivém com a mão, envolvendo todo o corpo do pênis, é a prática mais comum de masturbação masculina e desencadeia o prazer, culminando, geralmente, na ejaculação. O uso de lubrificantes ou géis facilita esse ir e vir.

    2. Mito
  3. 310

    Tanto homens quanto mulheres podem investir na estimulação anal e obter prazer.

    1. Verdade

      Verdade

      O ânus é uma região sensível, pois tem uma grande quantidade de nervos que podem conduzir estímulos prazerosos, tanto em homens quanto em mulheres, independentemente da orientação sexual deles.

    2. Mito
  4. 410

    Pessoas que ainda não tiveram relações sexuais podem sentir mais prazer na masturbação.

    1. Verdade
    2. Mito

      Mito

      Em geral, quanto menos experiência, mais limitadas as sensações de prazer, pois é maior a dificuldade de achar os pontos sensíveis e de estimulá-los da maneira adequada. Culpa e insegurança também podem afetar a capacidade de obter satisfação com a masturbação.

  5. 510

    Pessoas que estão em um relacionamento estável não precisam mais se masturbar.

    1. Verdade
    2. Mito

      Mito

      Mesmo pessoas que estão bem resolvidas sexualmente com o par podem se masturbar, em ocasiões pontuais em que as fantasias ou os desejos estão mais exacerbados, sem prejuízo algum para a relação.

  6. 610

    A masturbação frequente provoca sintomas físicos, como o aparecimento de espinhas.

    1. Verdade
    2. Mito

      Mito

      A masturbação não provoca qualquer tipo de sintoma físico. Se a prática não for compulsiva, ela traz, inclusive, benefícios. A começar pela liberação de substâncias que proporcionam relaxamento. No homem, a ejaculação descarrega o líquido seminal represado na próstata, nas vesículas seminais e nos epidídimos, o que também gera bem-estar.

  7. 710

    A masturbação é necessária ao autoconhecimento.

    1. Verdade

      Verdade

      Com a prática, é possível conhecer o próprio corpo, as regiões mais sensíveis ao toque e o tipo de estimulação que gera mais prazer. Conhecendo as próprias sensações, também fica muito mais fácil obter satisfação com outras pessoas.

    2. Mito
  8. 810

    Dependendo dos acessórios utilizados, a masturbação pode oferecer riscos.

    1. Verdade

      Verdade

      O uso de anéis de metal na base do pênis não é aconselhado, bem como a introdução de objetos que não estejam higienizados na uretra, na vagina e no ânus, pois podem transmitir infecções. Itens cortantes e perfurantes também devem ser evitados. No ânus, objetos que possam escapar e se deslocar para o interior do intestino oferecem grande risco e só podem ser retirados em um hospital.

    2. Mito
  9. 910

    O tamanho do pênis aumenta com a masturbação constante.

    1. Verdade
    2. Mito

      Mito

      Não há qualquer evidência científica que comprove esta afirmação.

      Getty Images
  10. 1010

    A masturbação substitui o contato erótico com o par.

    1. Verdade
    2. Mito

      Mito

      Quando a masturbação começa a prejudicar as relações sexuais com o par ou provoca o desinteresse total em relação ao contato erótico com outra pessoa, é preciso acender o sinal de alerta. Tratar a estimulação solitária como uma obsessão, com várias práticas diárias, pode sugerir desequilíbrio afetivo, emocional ou uma manifestação de hipersexualidade psicótica, que precisa de tratamento.

  • Getty Images
    [[pts]] de 10 pontos

    Sabe muito pouco

    O resultado do teste indica que você não busca muita informação sobre o assunto, talvez porque ainda veja a masturbação como algo errado, um fator gerador de vergonha ou culpa. Se quiser obter mais prazer, sozinho ou acompanhado, deve conhecer melhor o próprio corpo. "A informação é a melhor maneira de derrubar mitos relacionados à prática. É importante saber que a masturbação não causa qualquer dano à saúde física ou psicológica. É só mais uma forma de obter satisfação e bem-estar", afirma a orientadora sexual Cristina Romualdo Galatia.

  • Getty Images
    [[pts]] de 10 pontos

    Conhece o assunto, mas precisa se informar melhor

    Você ainda está vulnerável a alguns preconceitos e tabus que cercam o tema. Isso é o que sugerem as suas respostas. Buscar mais informação e consultar um especialista podem ser maneiras de vencer essas barreiras. Também é fundamental falar sobre o assunto. "Assim que encontrar alguém com quem tenha uma relação de confiança, procure falar sobre sexo. É essencial dizer ao outro o que você gosta e como gosta. Esperar que ele faça o que você deseja, sem sinalizar, gera frustração", diz o ginecologista Amaury Mendes Junior.

  • Getty Images
    [[pts]] de 10 pontos

    Sabe muito sobre masturbação

    Suas respostas indicam que você vê a masturbação como algo natural, que propicia prazer e conhecimento do próprio corpo. Além disso, está informado sobre o assunto, o que o faz rejeitar diversos tabus. O único cuidado é manter um equilíbrio, para que a masturbação não se torne compulsiva. "Quando a masturbação começa a ocorrer todos os dias, várias vezes ao dia, é preciso analisar se não há uma instabilidade emocional motivando a prática. Em alguns casos, é necessário acompanhamento profissional", afirma o urologista Ricardo de la Roca.

  • [[pts]] de 10 pontos

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mayumi Sato
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Mayumi Sato
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Mayumi Sato
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
UOL Notícias
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Redação
Topo