Gravidez e filhos

7 frases machistas para abolir já da educação dos filhos

iStock
Quais ideias você não quer ver seus filhos reproduzindo por aí? Imagem: iStock

Bárbara Stefanelli

Do UOL

15/03/2017 04h01

"Isso é coisa de mulherzinha.” Essa é uma das frases que o corretor de imóveis Rafael Hoffmann, 43 anos, escuta de vez em quando do caçula Vicente, 4. Preocupado em não criar filhos machistas, ele, que também é pai de Pedro, 18, sempre conversa com os garotos para mostrar que não existe essa divisão entre tarefa de menino e de menina, mas é dando o exemplo que ele realmente ensina as crianças.

Arquivo Pessoal
Rafael Hoffmann com os filhos Vicente, 4, e Pedro, 18, e a mulher, Priscila Spindler Imagem: Arquivo Pessoal
“O que tentamos fazer em casa é ter uma relação igualitária, porque isso é feminismo. Tanto eu, quanto minha esposa nos dividimos nos afazeres diários da cozinha, das compras, do banho das crianças, de ir à reunião da escola.”

No entanto, mesmo com a criação igualitária, Hoffmann não está livre de ouvir comentários machistas do filho. "O machismo está enraizado na nossa sociedade, então ele acaba reproduzindo coisas que escuta na escola ou dos coleguinhas. Em alguns momentos, temos que reforçar, verbalizando e ensinando algumas ideias", aconselha.

Linguagem carrega preconceitos

De acordo com Caroline Arcari, diretora da Escola de Ser e presidente do Instituto Cores, é importante ter esse cuidado na criação das crianças e evitar reproduzir falas que, de certa forma, estimulem o preconceito de gênero. "A linguagem carrega ideias e valores. Algumas frases, se ditas todos os dias, passam a fazer parte da visão de mundo e até de si que a criança desenvolve ao longo dos anos."

Pensar no que se diz à criança e também no que se faz na frente dela é uma forma de refletir sobre esses estereótipos que têm graves consequências na sociedade.
Caroline Arcari

Para a pedagoga, que também é uma das criadoras da página no Facebook “Já Falou para Seu Menino Hoje?”, se a criança perpetuar algum pensamento machista dentro de casa, a melhor maneira de lidar é pelo diálogo. “Se ela falou, aprendeu com alguém. Então, é interessante devolver a pergunta para a criança, para que o adulto consiga ter um panorama do que ela pensa, onde ouviu e por que está reproduzindo isso.”

Caroline completa: “Se alguém falar ‘é coisa de mulherzinha’, vale fazer a criança pensar no que disse e mostrar a ela que essa visão de mulher fraca e incapaz não é aceitável nem representa a realidade. O adulto deve mostrar exemplos de pessoas que quebram esse estereótipo, como a jogadora Marta, que foi melhor do mundo mais vezes que muito jogador conhecido.”

Abaixo, veja nove frases que não devem ser ditas na criação de meninos e meninas.

Fontes: Caroline Arcari, diretora da Escola de Ser e presidente do Instituto Cores e Nathália Borges, psicóloga e coordenadora dos projetos de gênero do Instituto Cores.

O que não falar para os meninos

  • "Homem tem que ser cavalheiro com as mulheres"

    Homens devem tratar as mulheres da mesma forma que devem tratar qualquer pessoa, com respeito e gentileza.

  • "Meninas devem se dar o respeito"

    O respeito é um direito de qualquer cidadão, independentemente do sexo. Não cabe a ninguém julgar atitude, roupa ou postura de uma mulher.

  • "Seja homem"

    Afirmativas como essa exigem da criança que ela se comporte com agressividade e fazendo uso de poder. Porém, cada ser humano tem características próprias e deveria ter a possibilidade de se expressar da maneira que preferir.

O que não falar para as meninas

  • "Ah, já pode casar!"

    Se a garota fez alguma tarefa doméstica com sucesso, você pode dizer que ela já pode morar sozinha ou estudar fora. Casar é legal, mas não é a única opção e projeto de vida para ela.

  • "Sente que nem mocinha"

    Ela deve sentar de forma confortável, somente. Meninos e meninas podem se sentar como quiserem. Se suas roupas íntimas estão aparecendo de alguma forma, é legal orientá-los sobre as regras de privacidade da nossa sociedade. Se não é legal deixar a calcinha à mostra, a cueca também não é.

  • "Ele puxou seu cabelo, deve estar apaixonado por você"

    Nada disso, violência é inadmissível! Se alguma menina sofreu agressão, ela deve ser acolhida e o problema deve ser resolvido por um adulto. Ela deve ser orientada que o puxão ou beliscão não são sinais de amor, mas de violência e desrespeito.

  • "Você não pode, porque é menina"

    Se queremos uma sociedade com igualdade entre os gêneros, meninos e meninas precisam ter a mesma oportunidade desde jovens.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Redação
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo