Gestação

8 respostas sobre diabetes gestacional; problema nem sempre gera sintomas

Getty Images
Para prevenir o diabetes gestacional é preciso evitar doces e o consumo excessivo de carboidratos Imagem: Getty Images

Beatriz Vichessi

Colaboração para o UOL

28/09/2016 15h27

Qualquer gestante corre o risco de desenvolver diabetes gestacional. A doença atinge entre 3% e 8% das mulheres e torna a gravidez de alto risco. Podem ocorrer complicações para a mãe e para a criança, como parto prematuro (o risco é seis vezes maior), pré-eclâmpsia (hipertensão arterial específica da gestação),  macrossomia fetal (quando o feto ganha muito peso), desenvolvimento de síndrome de angústia respiratória no recém-nascido e risco de o bebê apresentar cardiopatias.

Por conta de tudo isso, é preciso acompanhamento desde o início da gravidez, ainda mais no caso de mulheres que têm casos de diabetes na família. Conheça melhor esse mal, que muitas vezes é silencioso, saiba como preveni-lo e como o pré-natal deve ser encaminhado.

Consultoria: Carlos Eduardo Czeresnia e Rodrigo Rocha Codarin, ambos ginecologistas e obstetras do Hospital Israelita Albert Einstein; Alberto d’Auria, obstetra do Hospital e Maternidade Santa Joana, e Anderson Nascimento, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz - unidade Anália Franco, todos de São Paulo.

  • O que é diabetes gestacional?

    É uma intolerância a carboidratos diagnosticada pela primeira vez durante a gravidez. Mudanças hormonais que ocorrem nesse período alteram a ação da insulina, dificultando a entrada de glicose nas células. Para a maioria das mulheres, o corpo compensa esse desequilíbrio com o aumento da insulina, mas se ele não for suficiente, a taxa de glicose sobe e aparece o diabetes gestacional. Nesse caso, a glicose sanguínea elevada ultrapassa a barreira placentária podendo, se não for controlada, causar complicações.

  • Quais as consequências do diabetes gestacional para a criança?

    No ambiente uterino, o problema é que a criança passa a viver em um ambiente com nível de glicose acima do normal. É possível também que o feto cresça mais que o desejado, apresente hipoglicemia neonatal, obesidade e desenvolva diabetes na vida adulta, além de problemas cardiovasculares.

  • Como identificar o quadro diabético na gestação?

    Não há um consenso a respeito. A maioria dos especialistas leva em consideração níveis de glicemia em jejum e a presença de fatores de risco (gestação em idade avançada, maior peso corporal e história familiar de diabetes mellitus). Glicemias de jejum realizadas no início do pré-natal inferiores a 85 mg/dl (miligramas por decilitro) e sem fatores de risco são consideradas como rastreamento negativo para diabetes gestacional. Gestantes com glicemia de jejum entre 85 mg/dl e 125 mg/dl, com ou sem fatores de risco, ou com glicemia em jejum menor que 85 mg/dl, mas com fatores de risco, devem ser consideradas casos de rastreamento positivo para a doença. Nesse último caso é importante fazer o exame de curva glicêmica com sobrecarga de glicose na 24ª semana de gestação.

  • Quais fatores predispõem a mulher a desenvolver o diabetes gestacional?

    De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, há alguns fatores de risco: idade materna avançada, ganho de peso excessivo durante a gestação, sobrepeso ou obesidade, síndrome dos ovários policísticos, histórico de diabetes gestacional em gestações anteriores, de diabetes em parentes de primeiro grau e de diabetes gestacional na mãe da gestante, hipertensão arterial durante a gestação e gestação de gêmeos.

  • Quem desenvolve diabetes gestacional se torna diabética depois do parto?

    As mulheres com diabetes gestacional têm entre 20% e 50% de chance de desenvolver diabetes tipo 2 após o parto e desenvolver o mal na gravidez seguinte. Após a alta hospitalar, será preciso ainda fazer controle e até uma nova curva glicêmica. É fato que muitas das mulheres que permanecem diabéticas após o parto tinham a doença não diagnosticada antes da gravidez.

  • Quem tem diabetes gestacional terá de passar por uma cesariana?

    Não, é possível ter parto normal desde que o diabetes esteja sob controle e que o bebê não esteja muito maior do que o esperado.

  • Como prevenir o diabetes gestacional?

    Além de não ganhar muito peso durante a gestação, é importante cuidar da alimentação: não exagerar no consumo de carboidratos (arroz, pão, batata, macarrão e outros pratos que contenham farinha branca), já que eles induzem o corpo aumentar a produção de insulina, e praticar atividade física com regularidade, com conhecimento e aval do obstetra.

  • A mulher com diabetes gestacional precisa tomar algum medicamento?

    Em cerca de 80% dos casos não é necessário, basta controlar a dieta e fazer exercícios físicos. O ideal é que a glicemia em jejum se mantenha abaixo de 90 mg/dl e que a glicemia duas horas depois do almoço seja menor que 120 mg/dl. Essas são as metas de controle que devem ser mantidas para diminuir o risco de complicações. Os casos que não se resolvem com alimentação e atividade física são submetidos ao uso de insulina injetável ou de hipoglicemiantes orais (substâncias que ou estimulam a produção de insulina ou tornam a pessoa mais sensível a ela). Por serem uma medicação recente, o uso dos hipoglicemiantes ainda é discutível, pois não se sabe se podem provocar má formação fetal.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Topo