Infância

Ataque de birra nunca mais! 5 lições para evitar chiliques infantis

Getty Images
Em pleno ataque de birra, não adianta querer conversar com a criança, muito menos dar bronca Imagem: Getty Images

Do UOL

19/12/2016 11h55

Só quem já viu o filho se jogar no chão do supermercado aos berros sabe o quanto um ataque de birra pode desestabilizar a família. A psicóloga Tovah Klein, diretora do Barnard Center for Toddler Development –instituição de ensino e pesquisa de Nova York dedicada a crianças pequenas— ensina em cinco lições como os pais de filhos entre um e três anos podem tentar evitar ou lidar com episódios do tipo.

  • Antes de mais nada, evite o ataque de birra

    Os pais têm de entender que o famoso chilique infantil não acontece do nada. Antes de explodir em gritos e choro, a criança está tomada pelas emoções, sente-se incompreendida e com raiva. O caminho para evitar a birra é entender quais são as situações ou horários que são gatilhos para ela. Dar dez minutos a mais para que o filho acorde com calma, e não na correria, pode fazer toda a diferença para que a família saia de casa sem conflitos.

  • Demonstre empatia

    Antes de a criança ficar histérica, demonstrar empatia dizendo coisas como "sei o quanto é difícil o que você está sentindo" pode fazer com que ela processe os próprios sentimentos.

  • Quando a birra acontece, dê um tempo

    Não adianta conversar quando a criança está em plena birra, muito menos dar bronca. O melhor a fazer é levar o filho para um lugar seguro --onde ele não se machuque e não tenha plateia-- e dar um tempo para que ele se acalme.

  • Não faça pouco do que a criança sente

    Embora os pais tenham toda a razão de ficarem exasperados diante de um ataque de birra, nada de fazer a criança sentir vergonha do que fez. Quando os adultos reconhecem os sentimentos da criança, com certeza, o chilique passa mais rápido.

  • Fique por perto

    Depois que o turbilhão de emoções passa, a primeira coisa com a qual a criança se preocupa é "será que os meus pais ainda me amam?". Dependendo do temperamento da criança, você pode abraça-la ou pelo menos estar por perto para assegurar que o que aconteceu não interferiu no seu afeto por ela.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Disney Babble
BBC
Gravidez e Filhos
Folha de S. Paulo
Topo