Pós-parto

Conheça cinco procedimentos desnecessários realizados após o parto

Getty Images
Após o nascimento, o bebê deve ir direto para o colo da mãe, o que estimula o vínculo e a amamentação Imagem: Getty Images

Juliana Nakamura

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/07/2016 07h05

Nascer não é tarefa fácil. O bebê mal deu seu primeiro choro e já é submetido a uma sequência de procedimentos médicos para atestar e garantir sua saúde. Alguns são imprescindíveis e devem fazer parte da rotina pós-parto. Outros, nem tanto, como a passagem de sonda e aspiração das vias aéreas. “Se ele nasce chorando, ativo e com boa movimentação devemos ser o menos invasivos possível”, resume a pediatra Lílian Sadeck, vice-presidente da SPSP (Sociedade de Pediatria de São Paulo). O recomendável é que os pais informem-se previamente sobre a rotina realizada na maternidade e tirem todas as dúvidas com o obstetra e o pediatra antes de o bebê nascer. “Suavizar o nascimento deveria ser a regra, ainda mais quando a criança nasce bem e o parto transcorreu sem intercorrências”, defende a doula Maria de Lourdes da Silva Teixeira, Fadynha, presidente da Ando (Associação Nacional de Doulas). Pediatras e especialistas em parto humanizado listam os procedimentos que podem ser dispensados quando bebê parece saudável:

  • Corte precoce do cordão

    Nas maternidades brasileiras é comum o obstetra cortar o cordão umbilical do bebê menos de um minuto após o nascimento. Mas o ideal é que se espere de dois a três minutos para fazer esse procedimento, quando o cordão deixa de pulsar ou após a saída da placenta. Esse cuidado é importante para prevenir anemia no recém-nascido. "A prática deve ser diferente se o bebê nascer sem respirar e hipotônico", alerta a pediatra neonatal Lílian Sadeck. Nos casos mais críticos, o cordão deverá ser clampeado (cortado) imediatamente para que o pediatra possa proceder as manobras de reanimação.

  • Aspiração das vias aéreas

    A aspiração das vias aéreas do recém-nascido não deve ser parte da rotina. Esse procedimento só é indicado quando o bebê apresenta obstrução das vias por secreção. Nesse caso, o neonatologista deve realizar uma sucção suave da secreção da boca e depois da narina para facilitar a respiração do bebê. Tudo com muita delicadeza.

  • Colírio de nitrato de prata

    Este é um dos procedimentos mais controversos e que faz parte da rotina da maior parte dos hospitais e maternidades brasileiros. De modo geral, a aplicação do nitrato de prata é feita em todos os recém-nascidos na sua primeira hora de vida para prevenir uma conjuntivite grave. O colírio evita a contaminação do bebê pelo gonococo, bactéria responsável pela gonorreia e que pode estar presente no canal vaginal da mãe. Tal contaminação é grave e pode levar o recém-nascido à cegueira. "Mas esse cuidado não faz sentido em mães que se submetem a cesarianas e, principalmente, a controles pré-natais rigorosos", afirma a doula Fadynha. A polêmica ocorre porque é possível que o colírio cause um quadro irritativo no bebê, conhecido como conjuntivite química, além de desconforto. A mãe tem o direito de recusar o procedimento assinando um termo de responsabilidade na maternidade. A comprovação da ausência de doenças ou do tratamento delas durante o pré-natal pode justificar a dispensa.

  • Passagem de sonda

    Invasiva, a passagem da sonda até o estômago faz parte do exame físico rotineiro do recém-nascido para diagnosticar malformações raras como atresia de esôfago (alteração congênita caracterizada por falhas no desenvolvimento do esôfago). O objetivo é aspirar uma pequena quantidade do conteúdo estomacal para avaliar a presença de sangue ou mecônio (primeiras fezes do bebê que podem estar presentes no líquido amniótico). O procedimento, que pode provocar espasmos de laringe, deve ser feito com extrema delicadeza. A sonda também é utilizada para confirmar o diagnóstico de ânus imperfurado e obstruções. Mas há controvérsias. Há médicos que defendem a passagem da sonda em todos os casos. Outros que preferem esperar aparecer algum sintoma para só então recorrer ao procedimento.

  • Afastar o bebê da mãe

    Tanto o Ministério da Saúde quanto a OMS (Organização Mundial da Saúde) preconizam que recém-nascidos com boas condições de saúde sejam levados direto para o colo da mãe, ainda na sala de parto. Mas em meio a rotinas médicas rigorosas, isso raramente é feito. Só que favorecer o contato pele a pele entre mãe e filho é fundamental para estimular a produção do hormônio ocitocina, que fortalece o vínculo mãe-bebê, e favorece a amamentação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Guia do Bebê
Guia do Bebê
It Mãe
do UOL
Cenapop
Cenapop
It Mãe
Disney Babble
Guia do Bebê
do UOL
Guia do Bebê
Disney Babble
It Mãe
Guia do Bebê
It Mãe
Folha de S. Paulo
Guia do Bebê
Harper's Bazaar
Maternar
Maternar
Guia do Bebê
It Mãe
RedeTV!

Saúde do homem também pode complicar gestações; veja entrevista

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 10% das mulheres grávidas e 13% das que acabaram de dar à luz sofrem algum tipo de distúrbio mental. Em países em desenvolvimento o índice sobe para 20%. A depressão seria o comportamento mais comum entre esses distúrbios e requer, na maioria das vezes, interferência psiquiátrica. Ela se difere de baby blues ou tristeza materna, que é uma situação considerada normal e temporária, e atinge cerca de 80% das mulheres. Depressão pós-parto e perda gestacional foi o tema da transmissão ao vivo da "TV Folha" nesta quarta-feira (27), com as participações da obstetra e ginecologista do Hospital das Clinicas de São Paulo Albertina Duarte e da especialista em cuidados com bebês e crianças Mariana Alves. A mediação é da blogueira Camila Appel, do "Morte Sem Tabu". Há alguns fatores de risco para se considerar, como passar por quebras de expectativas (ter imaginado o parto perfeito ou não sentir amor imediato pelo bebê), já ter tido depressões prévias e perdas gestacionais. O momento é de extremo cansaço para mãe, que pode sofrer de transtornos de humor normais em até um mês após o parto. Se o quadro se agrava depois do período, é recomendada a busca por ajuda médica. A perda gestacional impacta cerca de 10% das mulheres e é sentida como um luto profundo, por mulheres e homens. Entre as causas, Albertina destaca a má-formação do feto, infecções, falta de vitamina (D especialmente) e stress. Ressalta também que a perda pode acontecer devido a infecções presentes no esperma e por isso ser algo não apenas relacionado à saúde da mãe. Mariana fala em um aumento tanto de casos de depressão pós-parto quanto de perdas gestacionais. Albertina e Mariana concordam que sintomas da sociedade contemporânea estariam associadas a essa realidade, como o stress e a má alimentação.

do UOL
Revista Caras
Gravidez e Filhos
do UOL
Revista Máxima
Maternar
do UOL
Maternar
do UOL
Revista Ana Maria
Guia do Bebê
do UOL
Topo