Infância

Emprego flexível ajuda a conseguir equilíbrio entre trabalho e família

Arquivo pessoal
Fernanda Blanchard conseguiu equilíbrio entre a vida profissional e familiar com emprego flexível Imagem: Arquivo pessoal

Fernanda Nidecker

Quando a brasileira Fernanda Blanchard voltou a trabalhar em horário integral depois que a filha nasceu, percebeu que teria de rever suas opções profissionais.

A carioca, de 34 anos, mora na França desde 2003, e trocou o emprego na Câmara de Comércio de Amiens, onde entrava diariamente às 9h e saía às 17h, por outro em que poderia trabalhar alguns dias de casa com carga horária reduzida. Com isso, encontrou mais equilíbrio entre a vida profissional e familiar.

Fernanda se beneficia de um esquema de trabalho cada vez mais comum nos países mais desenvolvidos da Europa, que prevê a oferta de vagas com carga horária menor do que as tradicionais oito horas diárias, além de jornadas flexíveis - que não exigem a presença do funcionário no local de trabalho diariamente.

Segundo dados da Comissão Europeia, 56% das empresas na Europa oferecem algum tipo de trabalho flexível, enquanto 67% oferecem vagas com cargas horárias reduzidas.

Uma pesquisa realizada pela Comissão Europeia (órgão executivo da União Europeia) em 30 países do continente aponta a Áustria e o Reino Unido como as nações com maior flexibilidade em termos de organização da jornada e quantidade de horas executadas. Na outra ponta da lista estão Portugal, Lituânia, Chipre e Hungria.

A comissão acredita que as jornadas flexíveis de trabalho beneficiam tanto empregadores como empregados e defende que "em tempos de retração econômica, o trabalho flexível pode ajudar as pessoas a manterem seus empregos".


Roupa passada

Formada em Comércio Internacional, a brasileira hoje trabalha em uma firma de engenharia e vai ao escritório apenas duas vezes por semana.

"Nos outros dias eu trabalho de casa, mas organizo meu horário como acho melhor. Separo um tempo para limpar a casa, cozinhar e cuidar das roupas", conta Fernanda à BBC Brasil.

Nesses dias, a brasileira também dedica mais tempo à filha Sofia, de dois anos, que vai para a creche mais tarde ou às vezes fica o dia inteiro com a mãe.

"Poder passar mais tempo com minha filha e resolver as tarefas domésticas são as grandes vantagens de trabalhar de casa", avalia.

Fernanda mora na pequena cidade de L’Étoile, no norte da França, com apenas 2 mil habitantes e pouquíssima oferta de trabalho doméstico.

Sem faxineira, ela faz boa parte da limpeza da casa e conta com a ajuda do marido. A carioca diz que apesar de ter adotado padrões de limpeza mais "europeus", portanto menos exigentes, ainda faz questão de passar toda a roupa da família, herança da época em que morava no Brasil.

Na maioria das vezes, esta tarefa fica atribuída ao marido, enquanto Fernanda pilota o fogão.

"Sempre tive empregada a vida inteira e quando cheguei à França não sabia nem fritar um ovo. Hoje não somente sei fazer tudo na cozinha, como também adoro cozinhar", diz, acrescentando que facilita a preparação dos pratos comprando legumes descascados e picados.

Orçamento

Fernanda também adotou outras técnicas para agilizar o trabalho de casa, como fazer compras pela internet. Depois de buscar a filha de carro na creche, ela vai ao supermercado onde alguém a espera com as sacolas cheias.

E a pequena Sofia também participa da organização da casa. Desde já está sendo acostumada arrumar os brinquedos antes de dormir.

O orçamento familiar pôde acomodar bem a redução no salário da brasileira, graças, sobretudo, ao preço acessível da creche que a menina frequenta. O estabelecimento é subsidiado pela prefeitura e custa apenas 250 euros por mês (cerca de R$ 645), valor baixo se comparado às creches particulares, que custam mais de mil euros por mês (R$ 2.580).

Fernanda acredita que este é o melhor modelo de trabalho para a realidade da família. A Comissão Europeia, no entanto, pondera que a oferta de jornadas flexíveis nem sempre contribui para a igualdade entre os gêneros.

"Enquanto a flexibilidade no emprego for considerada apenas como um jeito ‘feminino’ de organizar a vida profissional e familiar, trabalhos com carga horária reduzida tendem a perpetuar a diferença entre os gêneros em vez de eliminá-la", afirma a Comissária Europeia para Justiça e Direitos Fundamentais e Cidadania, Viviane Reding.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Disney Babble
BBC
Gravidez e Filhos
Gravidez e Filhos
Folha de S. Paulo
do UOL
Gravidez e Filhos
Gravidez e Filhos
Topo