Gravidez e filhos

Blogueira e médicos tiram dúvidas de leitores sobre bebês usarem a privada

Yellow Baby Blog
Imagem: Yellow Baby Blog

22/07/2015 11h48

A BBC Brasil publicou um depoimento da blogueira carioca Manuela Tasca que conta como resolveu adotar uma técnica com o filho Luca que permite que bebês usem o vaso sanitário com poucos meses de idade.

No texto, ela explica que primeiro achou a ideia uma maluquice, mas que depois viu que era uma ótima alternativa para ajudar a família a reduzir sua pegada ambiental.

O depoimento de Manuela surpreendeu muitos leitores, e vários comentários manifestaram dúvidas sobre a experiência da blogueira e a validade da técnica.

Foram tantas questões que resolvemos repassá-las para a blogueira e também para dois pediatras, que compartilharam suas visões sobre o assunto.

Veja algumas perguntas e comentários, seguidas das opiniões da Manuela, do pediatra e neonatologista Carlos Eduardo Corrêa (Cacá), e de Tadeu Fernando Fernandes, presidente do departamento de pediatria ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria:

O leitor Uirá Hans Emmermacher perguntou: O uso precoce do vaso não pode acarretar em problemas posteriores?

Manuela Tasca: Os bebês aprendem a ter controle, eles desenvolvem gradualmente. O método não é nem deve ser uma imposição à criança. Os pais podem utilizar fraldas, fazer um método misto e tudo no tempo do bebê. Se a família notar que é traumático para a criança, o ideal é não praticar e esperar.

A estimulação não é precoce, uma vez que a vontade está lá e o pequeno nos dá o sinal. Para nossa família, deixá-lo com a fralda suja de coco e xixi seria mais prejudicial e anti-higiênico do que levá-lo ao vaso.

Dr. Carlos Eduardo: Acho que a prática é legal quando ela é uma leitura corporal do momento (da criança), feita a partir do vínculo com a mãe. Isso é algo sutil, bacana. Mas se for um treinamento, é algo para que a criança não está pronta nessa idade. Controlar o corpo do outro não é algo legal.

Controlar o esfíncter é uma função de cada indivíduo. É um problema quando a criança (é colocada na privada) não faz as necessidades e os pais forçam a barra com estímulos externos, como aplausos, sorrisos ou abrir a torneira (para estimular o xixi).

A criança não pode achar que está fazendo a coisa errada por não ir ao banheiro. Se ela não aprender a ter consciência corporal e o domínio sobre o próprio corpo, pode desenvolver enurese ou encoprese (dificuldade de controlar a eliminação de urina e fezes, respectivamente).

Dr. Tadeu Fernandes: (Essa técnica) faz mal à parte neuropsico-motora da criança. O cérebro dela não entende o que está acontecendo, o que ela está fazendo. Ela deve estar seguindo a verbalização da mãe, que aplaude.

A criança não está espontaneamente controlando o esfíncter (músculos que, ao se relaxarem e contraírem, permitem a excreção), mas sim sendo condicionada (a usar a privada). O controle fisiológico foi trocado pelo condicionamento.

Como consequência, no futuro a criança pode se tornar enurética, ou seja, ter dificuldade no controle do xixi, por exemplo. (No caso do condicionamento a fazer xixi) a criança, que não sabe esvaziar plenamente sua bexiga, pode ficar com resíduo urinário e desenvolver uma infecção urinária. É só a partir dos dois anos que a criança passa a perceber que tem esfíncter, ou seja, que tem vontade de fazer xixi, e não é bom antecipar isso. Tudo tem seu tempo.

A leitora Michele Alves perguntou: Não seria mais recomendável que se aguardasse que a criança começasse a andar? Já que antes disso ela ficaria muito dependente de um adulto?

Manuela Tasca: A pessoa pode iniciar quando quer, não há regras quanto à idade. A preferência é o quanto antes para ser mais natural. Quanto à dependência...quem escolhe utilizar o método tem que lidar com isso. Mas o bebê também faz na fralda se o adulto não estiver por perto ou não der tempo.

Já a leitora Fernanda Dosso questiona se a técnica não prejudica a coluna do bebê.

Manuela Tasca: Não há problema. Quando o bebê é muito novinho existe uma posição correta e quando ele já consegue sentar sozinho não há problemas.

Dr. Tadeu Fernandes: Talvez se ficar muito tempo na mesma posição, mas não é um grande risco.

Michele Alves enviou também uma segunda questão: Seria seguro no que diz respeito às bactérias que existem na privada? Pergunto no caso de bebês pequenos que não tomaram todas as vacinas (tenho uma menina de 3 meses).

Manuela Tasca: Quanto à higiene, é possível utilizar um peniquinho só para o bebê ou segurá-lo sem encostar no vaso. Fazemos isso quando estamos fora de casa. E,claro, sempre limpo o peniquinho.

Dr. Tadeu Fernandes: Não, não aumenta o risco (de exposição a bactérias).

Michele Alves: É possível aplicar a técnica para urina também?

Manuela Tasca: Para urina é mais complexo. É preciso acompanhar o bebê por um tempo sem fraldas e anotar ou memorizar os horários e gestos que a criança faz antes de urinar. Outra técnica: sempre após as mamadas e de manhã levar o bebê ao peniquinho e esperar ele urinar. Com o tempo ele associa e os pais ficam mais espertos às deixas que o bebê dá.

O leitor João Capozi disse: Li muitos comentários aqui do tipo 'Ela conseguiu fazer isso porque não trabalha'. Você se sente discriminada por ter decidido parar de trabalhar e se dedicar exclusivamente ao seu bebê?

Manuela Tasca: Não, me realizei profissionalmente e a pausa foi muito bem vinda. A decisão foi difícil pelo aspecto intelectual. Pensava que passar o dia só com um bebê seria muito entediante e que eu não me sentiria estimulada. Mas como você pode ver ocorreu exatamente o oposto. Os desafios são muitos, os bebês são muito mais inteligentes do que imaginamos, nós que não damos créditos. E fora isso tenho o blog e o canal do YouTube que me mantém sempre na ativa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo