Gravidez e filhos

Para aumentar o vínculo com o bebê, grávidas optam por parto humanizado; saiba o que é

clebermassaoblog.com/Divulgação/Casa Ângela
Parto humanizado realizado na Casa Ângela, na Zona Sul de São Paulo Imagem: clebermassaoblog.com/Divulgação/Casa Ângela

Lígia Hipólito

Do BOL, em São Paulo

09/03/2012 16h12

“Momento importante na vida de uma mulher, a forma de realização de um parto deve ser decidida pela mãe (ou pelo casal) de forma consciente”, é o que defende a médica obstetra Mariana Simões, que há quatro anos trabalha com o parto humanizado.

Esse método respeita a vontade da mulher e se propõe a colocá-la como protagonista da situação. “Ela escolhe a posição que prefere parir: deitada, de cócoras, utilizando uma cadeira de parto, ou dentro da água – se houver uma banheira esterilizada”, explica Dra. Mariana.

De acordo com a obstetra, desse modo, o nascimento do bebê ocorre sem procedimentos cirúrgicos e sem intervenções, ou somente com as intervenções necessárias. A gestante não recebe nenhum tipo de anestésico, apenas ocitocina sintética – uma substância que estimula as contrações do útero.

Doulas

Para ser uma doula é preciso passar por uma capacitação para a função, sendo que muitas delas são também profissionais de saúde como enfermeiras obstetras e obstetrizes – profissionais reconhecidas pelo COREN (Conselho Regional de Enfermagem)


Mariana ressalta que o vínculo entre mãe e filho é estimulado assim que a mulher dá à luz, antes mesmo do rompimento do cordão umbilical. “Quando a criança vem ao mundo, a levamos para o seio da mãe para estabelecer essa relação afetiva, depois partimos para os procedimentos como higienização e exames”, explica.

A médica observa ainda que os principais privilégios na escolha pelo parto humanizado são a autoestima e a força exercidas pela mulher. “A gestante se torna dona do seu momento, não recebe os comandos de um médico, e a recuperação é mais rápida por não haver procedimento cirúrgico”, finaliza.

Parir em casa

O parto domiciliar trabalha com os conceitos do parto humanizado, mas com a diferença de ser realizado em casa. Esse método conta com o auxílio das doulas (do grego, “mulher que serve”);  essas profissionais dão apoio emocional para as gestantes antes, durante e depois de as mulheres darem à luz.

O procedimento ficou bem conhecido depois que a modelo Gisele Bündchen teve seu filho na banheira de casa. A filha da apresentadora Ana Maria Braga, Mariana Maffei Feola, também ganhou repercussão na mídia quando aderiu ao parto domiciliar.

Segundo a médica Mariana Simões, a prática é reconhecida pela OMS e, para garantir a segurança, é necessário que o local de realização do parto fique a no máximo 20 minutos de uma unidade hospitalar. No entanto, nem todas as mulheres podem conceber bebês desta forma. “A gravidez precisa ser de baixíssimo risco”, alerta a obstetra.

Um vídeo postado no Youtube recentemente mostra o nascimento de um bebê em casa e teve mais de 1,7 milhão de acessos em menos de um mês. As imagens revelam a emoção da gestante, do pai e da equipe que acompanhou o parto realizado em Campinas (SP). O BOL conversou com a mãe e com a autora do vídeo para contar a experiência, porém a publicação do conteúdo foi desautorizada após informamos que a reportagem ouviria também uma opinião médica que poderia ser contrária ao procedimento, visando a mostrar diferentes lados da questão.

Experiências bem-sucedidas

A Casa Ângela, mantida pela ONG Monte Azul, na zona sul de São Paulo, trabalha desde 2008 atendendo às mulheres da comunidade com partos humanizados. Hoje, o local faz acompanhamento pré-natal de 87 gestantes, além das mães que são atendidas no pós-parto. De acordo com Romilda Dias, enfermeira obstetra responsável, a casa tem capacidade para realizar 150 partos por mês.

Romilda explica que, na Casa Ângela, as mulheres dão à luz sempre com o acompanhamento de uma enfermeira obstetra, em quartos equipados com todos os aparatos determinados pelo Ministério da Saúde e ainda uma banheira, para o caso de parir na água.

“A mulher tem que estar muito bem informada sobre a opção pelo parto humanizado. Por isso, trabalhamos com grupos de gestantes que orientam desde detalhes sobre a gestação até o momento da amamentação. Além disso, oferecemos um trabalho de fisioterapia, que ensina a paciente a desenvolver movimentos voltados para o períneo (região dos órgãos sexuais externos), o que facilita a realização do parto”, conclui Romilda.

  • Edna Abreu Barreto,43, durante uma de suas gestações

Diferentemente das mulheres que procuram casas de parto, a professora paraense Edna Abreu Barreto, 43, optou por conceber seus filhos em casa. Edna é mãe de Cecília, 6, e Danilo, 3.  “Quando escolhi o parto domiciliar, não estava fazendo algo por modismo; eu li sobre, frequentei grupos de discussão e, por fim, decidi junto com meu companheiro. O mais importante para mim era respeitar o processo natural do meu corpo”, conta a professora.

Edna relata que não teve complicações de saúde, mas sempre contava com um ‘plano B’ para recorrer a um hospital em caso de emergência. Os filhos da professora foram encaminhados a pediatras para procedimentos de praxe após o nascimento. Sobre a relação com as crianças, ela destaca: “Existe um acolhimento muito respeitoso, os bebês já vinham para meu colo logo após eu dar à luz, e meu marido rompeu o cordão umbilical. Aliás, não imaginaria meu parto sem a ajuda dele. Foi de muita importância para mim”.

Quais os riscos dos partos humanizado e domiciliar?

Apesar do movimento que se coloca a favor do parto domiciliar, dar à luz em casa não é recomendado pelo Conselho Regional de Medicina. De acordo com o órgão, as casas de parto também só devem ser utilizadas quando a mulher não teve nenhum problema durante a gestação, já que são capacitadas somente para ocorrências de baixo risco, sem a assistência médica de uma maternidade completa.

A Dra. Vera Fonseca, obstetra e diretora administrativa da FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), afirma que o parto domiciliar só deve ser aceito nos locais onde não há hospitais.

“O parto é um ato médico que só deve ser realizado dentro do meio hospitalar. No caso de um sangramento, por exemplo, o tempo que leva da casa da pessoa até o hospital pode ser determinante no estado de saúde da paciente. Precisamos esclarecer a população; as mulheres correm um risco maior nesse procedimento. Na Austrália, uma mulher morreu por falta do atendimento médico necessário”, defende a obstetra.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo