Gravidez e filhos

Saiba o que é mito e o que é verdade sobre o contato com animais durante a gravidez

Thinkstock
Gestante deve ter alguns cuidados, mas não precisa se desesperar se tiver um cão ou gato em casa imagem: Thinkstock

Ivonete Lucirio

Do UOL, em São Paulo

Pobres amigos de duas e quatro patas. Basta a mulher descobrir que está grávida para olhar com desconfiança para os animais. "Será que eles podem fazer mal para o meu bebê enquanto ele ainda está na barriga?", pergunta-se a futura mãe. A preocupação tem lógica. Algumas doenças especialmente graves na gestação podem ser transmitidas, principalmente, pelas fezes dos animais. Mas o risco não é tão grande quanto se pinta. Tomados os devidos cuidados, os animais podem ser bons companheiros durante os nove meses.

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Liverpool, na Inglaterra, e divulgada em fevereiro passado, mostrou que gestantes que têm cachorro tendem a manter os níveis ideais de atividade física durante a gestação. Foram avaliadas 11 mil gestantes e observou-se que as proprietárias de cães são 50% mais propensas a alcançar os 30 minutos diários de atividades recomendadas. Isso sem falar no carinho que os animais têm a oferecer, bom em qualquer fase da vida.

Veja o que é verdade e o que é mito sobre ter animais durante a gestação:

Não posso conviver com gatos durante a gestação
Mito: as pessoas imaginam isso por conta da toxoplasmose, doença que pode ser transmitida pelas fezes do animal. Nelas pode estar o parasita transmissor da doença, contraída quando a pessoa entra em contato com o coco. Muitas pessoas têm toxoplasmose e sequer ficam sabendo, porque não apresentam sintomas. O problema é infectar-se pela primeira vez durante a gestação. Quando isso acontece, há uma chance de 50% de passar a doença para o feto. "Nesse caso, a doença pode causar sérios problemas como catarata, atraso no crescimento, aumento do fígado e do baço, hidrocefalia e retardo mental", explica o ginecologista Renato Ferrari, do Hospital Universitário Clementino Fraga, no Rio de Janeiro. 
Como resolver: "Não precisa se desfazer do animal, mas peça para outras pessoas limparem as fezes e lave as mãos constantemente", diz o obstetra Eduardo Zlotinik, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. "Às vezes, a mulher até é imune, porque já teve a doença", completa ele. As fezes não devem ficar expostas por muito tempo, pois ressecam e as partículas podem ser inaladas.

Hamsters podem causar infecção
Verdade: esses animais podem carregar um vírus chamado Lymphocytic choriomeningitis. A infecção se dá pelo contato com a urina, sangue ou saliva do roedor e pode causar defeitos congênitos no bebê ou aborto.
Como resolver: vale a mesma dica com relação aos gatos: deixe para outros a limpeza, principalmente da gaiola onde vive o animal. Nesse caso, é melhor evitar o contato com o bichinho durante a gestação, por causa da saliva. 
 

Cães podem transmitir doença
Mito: o melhor amigo do homem é o melhor companheiro da gestante no mundo animal. "Se o cachorro for conhecido e viver na casa há algum tempo, não há risco de provocar doenças que ofereçam risco ao bebê", diz o ginecologista Eduardo Zlotnik. O cuidado, principalmente com animais de grande porte, é evitar que eles pulem sobre o abdome ou provoquem a queda da dona, que fica com o ponto de equilíbrio deslocado por causa da barriga.

Envie sua foto 

  • Thinkstock

    Você Manda - Grávidas: clique na imagem para enviar sua foto com seu bichinho de estimação; não tem um? Participe mesmo assim


Animais de rua podem oferecer perigo
Verdade: não se deve acolher em casa animais que estejam vivendo nas ruas, de origem desconhecida. "Eventuais mordidas e arranhões podem estar infectados por bactérias e fungos e é contra-indicado que a gestante tenha contato com algumas drogas usadas para tratá-los", diz a ginecologista Elizabete Dobao, da Clínica Curart, no Rio de Janeiro. É impossível saber se estão vacinados (e podem estar infectados com raiva).
Como resolver: se você realmente quiser dar abrigo ao animal,  peça a alguém que ajude a levá-lo ao veterinário para certificar-se de que ele é sadio. Também pode ser uma boa providência deixá-lo de quarentena com algum amigo antes de colocá-lo dentro de casa. Mas se é apenas um cachorro passeando com o dono que você gostaria de fazer carinho, não custa evitar. 

Répteis devem ser evitados
Verdade: embora não seja muito comum ter cobras, lagartos e tartarugas em casa, há quem goste. Esses animais podem ter uma infecção por bactéria, a salmonelose. Mesmo que o animal não esteja doente, há chances de carregar a bactéria, que é mais agressiva para o organismo humano que para o dele. A infecção provocada por salmonela provoca náuseas, vômitos, diarreia, dores abdominais, febre e dor no corpo. Como o sistema imunológico da gestante é mais frágil, as chances de infecção são ainda maiores.
Como resolver: deixar os animais no quintal, longe do contato direto com a gestante. Caso viva em apartamento ou em uma casa pequena, pode deixar o animal na casa de amigos ou procurar um hotelzinho para cuidar dele até o final da gestação.

Pássaros são totalmente seguros
Mito: alguns pássaros são reservatórios naturais de doenças, isso é, carregam o agente infeccioso sem adoecerem e podem transmitir o mal para os humanos. Uma dessas doenças é a psitacose, transmitida por papagaios, araras e periquitos, principalmente. A contaminação se dá ao aspirar as fezes ressecadas dos emplumados. A doença não causa mal ao feto, mas à gestante, que pode apresentar febre, tosse, dor de cabeça e prostração.
Como resolver: é bom lembrar que, embora possa ocorrer, o contágio é raro em adultos. Por isso, não há necessidade de se desfazer do animal. Basta pedir para que alguém limpe as gaiolas e mantê-las sempre higienizadas, evitando que as fezes ressequem e se espalhem pelo ar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Guia do Bebê
Folha de S.Paulo
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Redação
Topo