Infância

Tarefas domésticas estimulam autoconfiança e o senso de colaboração das crianças

Marcos Zanutto/UOL
Para Renata Sanches, pedagoga e mãe de três filhas, quando a criança aprende que dá trabalho manter o quarto arrumado e a sala organizada, provavelmente aprenderá também a manter as coisas em ordem Imagem: Marcos Zanutto/UOL

Gabriela Horta*

Do UOL, em São Paulo

30/08/2012 21h20

Aos 6 anos, as gêmeas Sophia e Luiza guardam os brinquedos depois de usar e sabem que devem  colocar a roupa usada dentro do cesto de roupa suja. A irmã mais velha, Stephanie, 9 anos, além de fazer o mesmo que as caçulas, mantém o quarto sempre em ordem, ajuda a mãe a arrumar a mesa antes e depois das refeições e dá uma força na hora de atender o telefone de casa. “A criança deve aprender a fazer, para respeitar o serviço do outro”, defende Renata Sanches, pedagoga, mãe das três meninas. “Quando ela aprende que dá trabalho manter o quarto arrumado, a sala organizada, provavelmente aprenderá também a fazer menos sujeira e manter as coisas em ordem”, acredita.

Seus filhos ajudam nas tarefas domésticas?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Para Adriana Friedman, educadora e antropóloga, especialista na área da infância, Renata está certa. “Ajudar nas tarefas de casa faz parte da educação para a vida”, afirma. Os benefícios? São muitos, porque nessas situações se aprende disciplina, solidariedade, descobrem-se novas habilidades, aprende-se a prevenir acidentes, compreende-se a importância da higiene cotidiana e assimila-se, é claro, valores de organização.

Além do mais, “estar ao lado dos pais -seja dos dois ou de um deles- e fazer algo que não pertence apenas ao universo infantil, proporciona uma sensação de autoconfiança e, consequentemente de autoestima fortalecida”, destaca Karen Ambra, pró-Reitora comunitária e coordenadora da brinquedoteca do Unifai (Centro Universitário Assunção). Nessas horas, o vínculo com a família é fortalecido pelo convívio, pelo sentimento de união, uma vez que estarão realizando algo em comunhão. “Atribuir responsabilidade à criança no que se refere à manutenção de um espaço que é compartilhado confere um sentimento de cuidado pelo que é de todos e não só dela”, explica Karen.

  • Marcos Zanutto/UOL

    A pedagoga Karina Bataglia respeita as diferenças de idade dos filhos Giovani (à dir.), 5 anos, e Lucas (à esq.), 13, na hora de escolher os deveres para cada um

Uma responsabilidade para cada idade
Se a criança pode ajudar em casa, então é importante saber que a cada idade a participação deve ser de um jeito diferente, de acordo com seu desenvolvimento. A pedagoga Karina Bataglia, mãe de Giovani, 5 anos, e Lucas, 13, respeita as diferenças de cada um dos filhos em relação à faixa etária. “Procuro agir da forma mais justa possível, colocando deveres e obrigações aos dois. Mas, na medida em que o tempo passa, a criança vai melhorando suas habilidades, então com o mais velho já começamos a atribuir mais responsabilidades”, explica.

Quer incluir seu filho nas tarefas de casa? Vejas as dicas sobre as atividades e responsabilidades ideais para cada faixa de idade da criança nas abas abaixo.

Carregando conteúdo...

Ajudante, mas não empregado
“O que pertence à casa, de maneira geral, deve ser uma tarefa obrigatória para os pais e optativa para a criança”, alerta Karen. Por esse viés, a obrigação está somente em arrumar o que é dela, como organizar os brinquedos e guardá-los após o uso, e evitar deixar roupas espalhadas, tirar os sapatos e deixa-los pelo caminho, e jogar o lixo em local inadequado. “Sem dúvida os limites são necessários. As tarefas não devem ser colocadas para a criança dentro de uma rotina, como uma atividade permanente”, ensina.

A educadora Adriana Friedman dá outra dica: “é importante estipular qual será, a cada vez, a tarefa solicitada, combinar antes”. Assim, a criança já sabe antecipadamente o que será feito e, se for o caso, pode até negociar fazer algo de que goste mais naquele dia.

Para Renata Sanches, mãe de Sophia, Luiza e  Stephanie, os pais nunca devem apresentar a tarefa como forma de punição, mas, sim, como uma aquisição de autonomia, sempre incentivada como reconhecimento do que os filhos já têm capacidade de fazer. Outro ponto importante é demonstrar satisfação com a cooperação. “Às vezes eles reclamam [de realizar as tarefas], mas, no final, sempre os elogiamos, o que faz com que se sintam importantes e felizes”, diz Karina Bataglia, mãe de Giovani e Lucas.

  • Marcos Zanutto/UOL

    "Sempre elogiamos os filhos após as tarefas, o que faz com que eles se sintam importantes e felizes”, diz Karina, mãe de Giovani

De olho na segurança
De acordo com dados da ONG Criança Segura, 70% das hospitalizações infantis são causadas por acidentes dentro de casa. “É por isso que a realização de toda atividade doméstica deve sempre ter a orientação e a supervisão de um adulto”, diz Alessandra Françóia, coordenadora nacional da entidade. Ensinar que vidro quebra e os cacos cortam, que vapor d’água queima, eletricidade dá choque e que se deve ter cuidado com produtos e equipamentos é papel do responsável pela criança, que já conhece os riscos.

"Esse discernimento não é da criança, mas dos adultos - e é do mundo adulto cuidar de criança”, afirma. Assim, não delegue para a criança a responsabilidade de se cuidar e não a culpe caso ela se machuque com frases do tipo ‘eu não te falei que você ia se machucar?’. "A criança não é um adulto pequeno", diz Alessandra Françóia, "ela é um ser em desenvolvimento, e precisa de cuidados."

Com segurança, discernimento e reconhecimento do esforço dos filhos por parte dos pais, a participação nos afazeres domésticos pode, sim, se tornar uma atividade prazerosa para as crianças. Elogiar e sempre conversar com elas sobre a importância que elas têm dentro da família fará com que se sintam confiantes e competentes, qualidades essenciais para a vida adulta. “Não se trata, portanto, de questionar se os pais podem pedir ajuda às crianças, mas de constatar que eles devem, sim, incluí-la nos afazeres domésticos”, finaliza Karen Ambra.

*Com colaboração de Fernanda Alteff

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
Topo