Adolescência

Entenda o que é o bar-mitzvá: a cerimônia que marca a maturidade religiosa no judaísmo

Fernando Donasci/UOL
Adolescente faz uma leitura em seu bar-mitzvá na Congregação Israelita Paulista Imagem: Fernando Donasci/UOL

Ledy Valporto Leal

Do UOL, em São Paulo

13/09/2012 08h10

Bar-mitzvá (filho da lei ou do mandamento em hebraico) significa a transição mais importante na vida de um judeu e acontece quando o menino completa 13 anos e a menina 12. Segundo o judaísmo, a partir dessa idade, os adolescentes alcançam a maioridade na tradição da religião.

“A pessoa passa a ser livre e responsável por seus atos. A partir desse momento, não pode mais atribuir suas escolhas aos pais´", explica o rabino Ruben Sternschein, da CIP (Congregação Israelita Paulista) e professor-convidado da Faculdade de Filosofia da USP (Universidade de São Paulo). O rabino diz ainda que o jovem define seu caminho de acordo com seus valores e comprometimentos. "Essa lei da religião ajuda o jovem a assumir sua maturidade social e cultural, como cidadão e judeu”, afirma .

Ao completar 11 anos -10 para as meninas-, o jovem começa um curso preparatório sobre os vários aspectos do bar-mitzvá. Nessa preparação, um período é dedicado ao aprendizado da cerimônia propriamente dita, já que é o garoto quem oficia o ritual repleto de simbologia e realizado, em parte, em hebraico. O UOL Gravidez e Filhos acompanhou um bar-mitzvá realizado em agosto na CIP.

Outra etapa do curso enfatiza o processo educativo com aulas de conteúdo diverso sobre assuntos como lealdade, amizade, ecologia, sustentabilidade, direitos humanos, justiça e responsabilidade social, entre outros. Há ainda aulas sobre o judaísmo, nas quais se procura fazer o jovem refletir e interpretar as leis a seu modo. “Tentamos aproveitar a idade desses rapazes para torná-los seres humanos melhores”, afirma o rabino.

A cerimônia de bar-mitzvá dos meninos existe há 2.000 anos e, a das meninas (chamada de bat-mitzvá), há cerca de 70 anos. Em diversas correntes do judaísmo, as mulheres eram dispensadas dos estudos religiosos, o que pode explicar o fato de o ritual feminino ser mais recente na história da religião. Por isso, o bat-mitzvá está em processo de construção e assemelha-se ao bar-mitzvá, dependendo da corrente do judaísmo.

O bar-mitzvá tem símbolos muito fortes. Um deles é a leitura pública da Torá, composta por cinco livros (o Pentateuco -Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio), livro sagrado do judaísmo. Na cerimônia, quem lê o trecho da Torá é o garoto. Simbolicamente, o que ele está dizendo é que a partir daquele momento o livro sagrado também é dele, passando a ser responsável por ele e a ter liberdade para interpretá-lo. “Desse modo, ele se apropria da história, da lei, dos valores e do texto”, explica o rabino Ruben Sternschein.

Outro símbolo de grande importância no bar-mitzvá é o tefilin –caixinhas pretas com faixas de couro que são colocadas no braço, na altura do coração e também na cabeça. Quando o garoto o coloca significa que busca, a partir daquele momento e como adulto, a coerência entre o que pensa, o que sente e o que realiza.

Outro paramento usado pelo menino durante a cerimônia é o talit, um manto branco com quatro pontas e franjas que representam a transparência, a beleza interior; as boas ações e o comprometimento do novo adulto com o bem.

  • Fernando Donasci/UOL

    O adolescente teve de fazer um curso para estar apto para a cerimônia de bar-mitzvá

Como é a cerimônia

Com duração média de uma hora e meia, o bar- mitzvá começa quando o menino coloca pela primeira vez o talit e o tefilin. Depois de rezar e cantar, ele recebe a Torá da maneira mais tradicional: na forma de um grande rolo ou pergaminho.

Em seguida, carregando o livro sagrado, o garoto anda pela sinagoga, reproduzindo a viagem de Moisés que, de acordo com as escrituras, conduziu as Tábuas da Lei com os Dez Mandamentos até a Terra Prometida. O rito significa que a mensagem precisa viajar, circular. Não pode ficar estática, morta dentro de uma gaveta. “As mensagens têm de ser lidas, discutidas, reinterpretadas e divulgadas. Quando entregamos a Torá nas mãos do jovem, dizemos: agora inicie a sua viagem”, afirma o rabino.

Depois de ele próprio ler trechos do livro sagrado, o adolescente escuta uma mensagem escrita pelo rabino especialmente para a ocasião. Feito isso, é a vez da bênção final. Normalmente, a cerimônia de bar-mitzvá é seguida por uma grande festa para comemorar a nova fase na vida do adolescente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

UOL Estilo
do UOL
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Topo