Bebês

Depois do parto, cuide do corpo para dar conta da nova rotina

Thinkstock
Com a nova rotina, a coluna, as costas, os pulsos e os ombros da mulher serão muito mais exigidos Imagem: Thinkstock

Catarina Arimatéia

Do UOL, em São Paulo

17/06/2013 08h25

Depois de nove meses de gestação, chegou a hora de cuidar do bebê. Pegar a criança no colo, tirá-la do berço e colocá-la de volta, carregar a bolsa com seus pertences, o carrinho, levantar e abaixar a todo momento. Com essa nova rotina de atividades, a coluna, as costas, os pulsos e os ombros da mulher serão muito mais exigidos.

Para evitar que lesões e desconfortos aconteçam, é importante que a nova mãe, assim que for liberada pelo seu médico, restabeleça sua rotina de atividade física ou comece uma. Exercícios que envolvam as articulações, como uma caminhada, vão ajuda-la a se fortalecer para encarar a etapa, além de contribuir para que retome a antiga forma física.

Segundo o terapeuta funcional Paulo Gelatti, da Good Vibe Personal Studio, as mulheres que já se exercitavam antes da gestação têm memória muscular e poderão voltar à ativa sem grandes problemas. Porém, é importante lembrar que, ao engravidar, o corpo libera um hormônio chamado relaxina, que tem a função de fazer a pélvis relaxar na hora do parto. “Com a liberação desse hormônio, a musculatura torna-se mais maleável e é preciso ter cuidado com movimentos amplos para não lesionar os músculos”, diz Gelatti.

Além de voltar a se mexer, há exercícios simples que podem ser feitos em casa para a mulher fortalecer o corpo para a maratona doméstica, como os ensinados abaixo por Vanessa Marques, especialista em obstetrícia pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e fisioterapia hospitalar pelo Hospital Israelita Albert Einstein, da capital paulista.

A profissional recomenda que os movimentos abaixo sejam feitos ao se levantar pela manhã, antes ou depois de alguma atividade física e quando sentir a área desconfortável.

Para a região dos ombros e do pescoço

1 - Gire lentamente para trás o ombro, associando com a respiração. Puxe o ar lentamente na subida do ombro e solte-o na descida.

2- Incline levemente o pescoço para a lateral direita e depois para esquerda, sentindo o alongamento do músculo.

Para a região das mãos e dos punhos

3 - Gire a mão lentamente para o lado direito e depois para o esquerdo, com os punhos fechados. Faça o movimento simultaneamente com as duas mãos.

4 – Faça movimentos de abrir e fechar as mãos, que ajudam a diminuir o inchaço e também a rigidez.

Para a região lombar

5 - Deite de barriga para cima e puxe as duas pernas juntas, flexionadas em direção ao tronco. Mantenha a posição por 30 segundos. Descanse por um minuto. Repita o movimento de duas a três vezes.

De olho na postura

Amamentar o bebê é uma atividade da rotina que será repetida inúmeras vezes e exigirá preparo físico da mãe. O ortopedista Antonio Carlos da Costa, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, diz que, durante a amamentação, a mulher deve tomar alguns cuidados.

O primeiro deles é aleitar o bebê em uma poltrona adequada, com um bom encosto, fazendo com que a coluna fique em posição relativamente reta e o bumbum encaixado. Braços e cotovelos devem estar apoiados. Travesseiros podem ajudar nessa tarefa.

Ao pegar e colocar a criança no berço, também é indicado manter o punho firme, o que evita problemas nas articulações.

O corpo avisa

Mesmo assim, dores e desconfortos podem acontecer e, por isso, é preciso estar atento aos sinais e procurar auxílio médico o quanto antes. O fisioterapeuta Maurício Garcia, mestre em ciências aplicadas ao aparelho locomotor pelo departamento de ortopedia da Unifesp, aponta situações de alerta.

- Dor pós-esforço em articulações. “O mais comum é ter dor na coluna, mas pode ser no quadril, no joelho, no punho. Esse é o primeiro indicador de que o corpo está passando do limite naquele momento”;

- Incapacidade de executar um movimento. Se o punho for flexionado demais, pode ocorrer a dor. Nesse momento, a mãe começa a buscar movimentos alternativos que podem prejudicar outras partes do corpo. “Muitas vezes, ela força a coluna, o ombro ou o cotovelo, tudo para facilitar o movimento”, diz Garcia;

- A dor passa a ser constante. Nesse estágio, é comum acontecer a LER (Lesão por Esforço Repetitivo), exigindo cuidados médicos imediatos;

- A mulher começa a delegar funções, por não conseguir mais realizá-las. 

“Os alertas são progressivos”, afirma o fisioterapeuta. “Se o primeiro não for respeitado, acontece o segundo, o terceiro". Assim como os alertas, os problemas também progridem se providências não forem tomadas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
ItMãe
Topo