Gestação

Risco de herpes genital é maior para bebê se infecção da mãe for recente

Thinkstock
A cesárea é a melhor alternativa para a mulher que estiver com lesões da doença na hora do parto imagem: Thinkstock

Catarina Arimatéia

Do UOL, em São Paulo

Uma das maiores preocupação das grávidas com histórico de herpes genital é o que pode acontecer com o bebê durante a gestação e, principalmente, na hora do parto. Sim, o risco de o feto se contaminar existe e pode ser maior ou menor, dependendo de a infecção ser recém-adquirida ou recorrência de problema antigo.

“No primeiro caso, o risco de contaminação fetal é de 30% a 50%, caindo para aproximadamente 3%, no segundo caso”, declara Alexandre Pupo, ginecologista e obstetra do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Os bebês de mulheres infectadas pela primeira vez também podem ter nascimentos prematuros.

A herpes genital é uma doença sexualmente transmissível causada pelo vírus do herpes simples (HSV), que provoca lesões na pele e nas mucosas dos órgãos genitais masculinos e femininos. Uma vez dentro de um organismo, dificilmente esse vírus será eliminado, porque se aproveita do material fornecido pelas células do hospedeiro para sua replicação.

Na hora do parto, se a paciente tiver bolhas, sinal da doença, ou se apresentou lesões até seis semanas antes do nascimento, recomenda-se que a mulher se submeta a uma cesárea. Nesses casos, pode existir um risco grande de contágio para o bebê.

Infográfico mostra exames que gestante deve fazer ao longo dos nove meses

“A maior parte das mulheres com herpes genital dá à luz bebês saudáveis, porém, se estiver com uma manifestação da doença no momento do parto, a criança pode pegar a infecção. Por isso é muito importante informar ao médico se a mulher ou o parceiro tiveram alguma manifestação de herpes ou se acham que tem algum sintoma”, diz a ginecologista e obstetra Rosane Rodrigues.

Segundo Rosane, os sintomas variam muito de pessoa para pessoa, mas costumam ser mais graves logo após o contágio, porque ainda não existem os anticorpos para combater o vírus.

“Nessas ocasiões, além de coceira, ardor e lesões na área genital, sintomas de gripe também podem aparecer, como febre, dor de cabeça e dores musculares”, fala a ginecologista e obstetra. Há grávidas que precisam de tratamento intravenoso com antiviral. Caso a gestante tenha desenvolvido anticorpos, o risco para o bebê será bem menor.

“Há gestantes em que infecções recorrentes ocasionam uma produção de anticorpos que atravessam a barreira placentária, imunizando o feto e tornando muito mais difícil o contágio”, afirma Luís Henrique Silva, ginecologista do Hospital e Maternidade Assunção, da Rede D’Or – São Luís, em São Bernardo do Campo (SP).

Além da presença dos anticorpos, há medidas que a mulher pode tomar para diminuir a possibilidade de passar a doença para o filho. São elas: evitar estresse e exposição prolongada ao sol, manter uma boa qualidade de vida –com sono adequado e alimentação saudável–, e procurar ficar distante de situações que possam levar à queda de imunidade, como gripes. Além disso, praticar exercícios físicos e não fumar também são medidas imprescindíveis para a gestante.

A gravidez semana a semana

Outro cuidado fundamental, segundo Silva, é manter-se atenta ao surgimento das lesões características da doença. Ao percebê-las, deve-se iniciar imediatamente o tratamento médico. No caso de recidivas frequentes, o uso contínuo de antiviral específico deve ser orientado pelo profissional que acompanha a gestação.

A gravidez já é um estado em que a imunidade costuma ser mais baixa. Por isso, os cuidados devem ser redobrados para se manter saudável nessa fase. E, mesmo que a gestante não tenha herpes genital, ela não deve esquecer que a doença é sexualmente transmissível e que a contaminação pode existir mesmo que não haja lesão visível.

“É importante utilizar preservativo durante o ato sexual até antes parto e evitar sexo oral no parceiro. E, se necessário, tratar as lesões que, por acaso, aparecerem com o antiviral sugerido pelo médico que faz o pré-natal”, diz Luís Henrique Silva.

Consequências para o bebê

A contaminação do feto pode ocorrer em qualquer momento da gestação, segundo Alexandre Pupo. Quando surge na fase inicial, há risco de abortamento, microcefalia (condição na qual o cérebro chega a ficar reduzido a 70% de seu volume) e déficit mental. Nas fases tardias, o recém-nascido pode apresentar sinais de infecção do sistema nervoso central, como meningite ou encefalite, além de problemas como a hepatite.

Podem acontecer ainda lesões oculares permanentes e também na pele. No pós-parto, o bebê que desenvolve o herpes neonatal pode ter erupções com bolhas pelo corpo em até 45% dos casos. Caso a doença não seja diagnosticada e tratada, a criança pode não resistir e morrer.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Maternar
It Mãe
Guia do Bebê
AFP
Guia do Bebê
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Me Poupe
Maternar
Disney Babble
Opera Mundi
do UOL
Gizmodo
Viagem
do UOL
BBC
Erratas
NE10
Folha de S. Paulo
Estadão Conteúdo
Topo