Bebês

Colar de âmbar usado por filha de Gisele oferece risco ao bebê

Reprodução/Instagram
Gisele Bündchen com a filha, Vivian, no colo Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

01/10/2013 11h57

Por volta dos seis meses de idade, é normal que os bebês comecem a ficar irritados, babões, percam o sono e tenham diarreia ou febre por causa do nascimento dos dentes.

Para aliviar o incômodo dos filhos, algumas providências podem ser tomadas. No caso da modelo Gisele Bündchen, mãe de Vivian, 9 meses, o colar de âmbar foi a solução escolhida.

A explicação para o uso do acessório é que o âmbar, que é uma resina, contém ácido succínico. A substância teria propriedades analgésicas, anti-inflamatórias, cicatrizantes e imuno-estimulantes e por isso atenuaria os desconfortos causados pela erupção dos dentes.

Segundo Paulo César Rédua, presidente da ABO (Associação Brasileira de Odontopediatria), não existe nenhuma evidência científica sobre a eficácia do uso desse colar.

"Cerca de 70% dos bebês passam por problemas na fase da primeira dentição e, apesar de o colar de âmbar ser um mito antigo, ainda não há nenhum estudo sobre ele. A ABO não recomenda", afirmou.

Rédua aconselha um trabalho em conjunto entre o odontopediatra e o pediatra para aliviar os desconfortos da primeira dentição.

"Além da prescrição de analgésicos e anti-inflamatórios, sempre recomendo um fitoterápico à base de camomila e alcaçuz, que é regulador neural, ajuda muito e traz sensação de alívio aos bebês", disse ele. O especialista ainda recomenda o uso de mordedores com líquido dentro, que massageiam a região da gengiva. Colocados na geladeira, esses itens ainda podem anestesiar a área.

Para Alessandra Françoia, coordenadora nacional da ONG Criança Segura, que tem como objetivo promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes até 14 anos, se os pais não abrem mão do uso do colar, é obrigatório vigiar constantemente. A recomendação vale para qualquer tipo de cordão e outros objetos pequenos, como brincos e botões.

"A ONG não recomenda qualquer cordão com mais de 15 centímetros, por risco de estrangulamento. A criança pode dar a volta no próprio pescoço com qualquer corda, mesmo que essa não esteja fechada. Além disso, o contato com pequenos objetos pode causar engasgamento."

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
ItMãe
Topo