Gestação

Colo do útero curto faz Isabel Fillardis passar por gravidez de risco

Divulgação
A atriz Isabel Fillardis está grávida de um menino Imagem: Divulgação

Thais Carvalho Diniz

Do UOL, em São Paulo

15/11/2013 08h05

Aos 40 anos, a atriz Isabel Fillardis está grávida de sete meses de um menino, seu terceiro filho. Mãe de Analuz, 12, e Jamal Anuar, 10, ela e o marido, Júlio Cesar Santos, com quem está casada há 12 anos, planejaram a chegada do caçula, o que não evitou que fossem surpreendidos por uma gravidez de risco.

Em meio a exames para verificar seu estado de saúde para iniciar as tentativas de engravidar, mas já tendo suspendido seu método contraceptivo, Isabel descobriu que seu colo do útero estava curto, o que poderia causar um parto prematuro.

"Diante desse quadro, decidimos abrir mão do terceiro filho, mas, uma semana depois, a menstruação não veio, e descobrimos que eu estava grávida. Foi muito tenso saber sobre o risco. Meu marido ficou e está muito preocupado. Acho que ele só vai ficar tranquilo, de verdade, quando estiver tudo bem comigo e com o bebê", contou a atriz ao UOL Gravidez e Filhos.

De acordo com Coríntio Mariani Neto, obstetra da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), o encurtamento do colo do útero, normalmente, é diagnosticado durante a gravidez, com o exame de ultrassom, e, fora dela, é raro de ser detectado.

"O colo do útero curto nada tem a ver com a idade da paciente ou com o número de gestações que ela teve. A partir do diagnóstico, o procedimento indicado é a cerclagem, que é dar pontos no orifício interno do colo para fechá-lo e assim permitir que a gravidez evolua até que a criança chegue a termo ou próximo dele", afirmou. O procedimento é feito sob anestesia e os pontos são retirados com cerca de 37 semanas (uma gestação a termo dura entre 37 e 42 semanas) para que o parto possa ocorrer normalmente.

Isabel foi submetida a uma cerclagem e se sente mais segura agora, que, segundo ela, "as fases mais delicadas já passaram". Mas a sua rotina atual é de muito repouso em sua casa, no Rio de Janeiro.

As principais preocupações de uma gestação após os 35 anos (faixa etária considerada fator de risco segundo o documento "Manual Técnico - Gestação de Alto Risco", do Ministério da Saúde) são as chances aumentadas de a mulher desenvolver diabetes e hipertensão, doenças que exigem um acompanhamento mais rigoroso durante o pré-natal.

"A idade passou quase que desapercebida depois que descobrimos o problema com o colo do útero. Sempre fui muito saudável, não tenho pressão alta e nas minhas duas primeiras gestações engordei entre dez e 12 quilos", falou a atriz, que também não tem diabetes.

Parto prematuro

Segundo o obstetra Coríntio Mariani Neto, algumas providências podem ser tomadas para que o parto não seja prematuro, pois, mesmo em casos de gravidez de risco, o recomendado é deixar o nascimento acontecer naturalmente.

"Existem exames e testes que são feitos e que dão sinais se aquela gestante está perto de entrar em trabalho de parto. A regra número um para prevenir é o uso da progesterona (hormônio feminino), que deixa o útero mais 'descansado' e em 'repouso'. A gestação só deve ser interrompida se houver risco para mãe ou bebê", afirmou Mariani Neto.

E esse é o desejo de Isabel, apesar de ter sido prevenida por seu médico para ficar "preparada", e de malas prontas, a partir de dezembro, quando iniciará o oitavo mês de gravidez.

"Vamos esperar o máximo que der, mas já estou tomando injeção de corticoide (para amadurecer o pulmão do bebê), porque quero fazer o máximo para não precisar manter meu filho na UTI", disse.

Depois de passar por um parto normal aos 28 anos e uma cesárea aos 30, a atriz foi categórica na resposta sobre a maior diferença entre as duas primeiras gestações e a atual.

"Cansaço. Minha resistência é muito menor. Não posso fazer atividade física. Para sentir o bem-estar que ela traz, faço shiatsu. Para não ficar inchada, recorri à drenagem linfática", contou.

A gravidez semana a semana

  • Arte/UOL

Armazenamento de células-tronco

O filho mais novo de Isabel, Jamal Anuar, é portador da síndrome de West, tipo raro de epilepsia. A doença foi uma das razões que levaram a atriz a decidir armazenar as células-tronco do cordão umbilical do bebê que vai nascer. A esperança é que, no futuro, pesquisas desenvolvam um novo tratamento para a síndrome de Jamal a partir desse material.

"Conversei muito com os neurologistas que o acompanham e sei que são apenas estudos sem resultados. Mas, se existe uma esperança no fim do túnel, por que não guardar essas células e ter ali uma ferramenta para buscar uma qualidade de vida melhor? É pela família toda, afinal, não sabemos as doenças que podemos vir a ter", declarou a atriz.

Segundo Eliseo Sekiya, especialista em hematologia e hemoterapia e cientista da CordCell, clínica de armazenamento, coleta e pesquisas sobre células-tronco do cordão umbilical, ainda não existem estudos específicos sobre a síndrome de West, mas a área neurológica é uma das que recebe investimento.

"Outras síndromes epiléticas já são estudadas em animais e a tendência é que essas pesquisas avancem para a fase clínica (em seres humanos)", afirmou Sekiya, que também lembrou que a compatibilidade entre irmãos de mesmos pais é de 25%, caso dos filhos da atriz.

De acordo com Coríntio Mariani Neto, mais de cem doenças podem ser tratadas com as células-tronco. Todas são muito raras e só aceitam esse tipo de tratamento. "As mais 'conhecidas' são: anemias raras, linfomas (câncer nas glândulas linfáticas), leucemias (câncer no sangue) e mielomas (câncer na medula óssea)", falou.

Para o obstetra, a alternativa de armazenar deve ser avaliada por quem tem essa disponibilidade financeira (a coleta custa em torno de R$ 3.500 e existe anuidade para o armazenamento), pois é um investimento na criança e também na família.

"Eu sugiro, pois é um material que é jogado fora quando não é coletado e, muitas vezes, um diagnóstico que necessita desse tipo de tratamento é feito somente após o parto", afirmou o médico obstetra.

 

 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Maternar
It Mãe
Guia do Bebê
AFP
Topo