Adolescência

Saiba diferenciar depressão de comportamentos típicos dos jovens

Getty Images
É importante entender a fase da vida do jovem para compreender que nem toda tristeza é sinal da doença Imagem: Getty Images

Maria Laura Albuquerque

Do UOL, em São Paulo

02/01/2014 08h01

Não são só os hormônios que fazem a vida de um adolescente parecer uma montanha russa. Ele enfrenta dúvidas, medos, ansiedades e alterna momentos de felicidade e bom humor com tristeza profunda e explosões de raiva. Crescer é complicado. Até aí, nada tão difícil de conviver, afinal, "é uma fase", costumam dizer os pais.

No entanto, certos comportamentos silenciosos, apáticos e por vezes irritadiços e brutos causam preocupações familiares a ponto de se pensar na possibilidade de um quadro de depressão. Será que esse mal pode atingir os jovens? Sim.

"É uma doença que não tem relação com a idade, embora ainda exista a fantasia de que pessoas mais novas, com muitos anos de vida pela frente, não têm motivo para se deprimir. Por causa disso, muitos casos sérios são negligenciados", diz Ênio Roberto de Andrade, psiquiatra especialista em adolescentes do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Faz pouco tempo que a ciência admitiu que esse mal pode afetar adolescentes. Até os anos 1970, a comunidade médica acreditava se tratar de um quadro raro, praticamente inexistente. Somente em 1975, o NIMH (National Institute of Mental Health), do governo dos Estados Unidos, reconheceu oficialmente a doença em crianças e jovens.

Thinkstock
Em casa, antes do quadro ser encarado e tratado como depressão, é importante entender um pouco do que seu filho está passando nessa fase da vida, justamente para compreender que nem toda tristeza é sinal da doença.

A juventude é uma época em que é normal o jovem se fechar em si mesmo por alguns momentos. Isso porque precisam vivenciar alguns lutos do ponto de vista psicanalítico. "O luto pelo corpo infantil, pela identidade infantil e pelos pais da infância", explica Magdalena Nigro, psicanalista e professora da Fesp-SP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo).

De fato, tudo está mudando e aparecem os sinais físicos de maturidade sexual. A pessoa não se encara (e não é encarada) mais como criança, ao mesmo tempo que ainda não é um adulto, e começa a enxergar os pais de forma diferente: eles não são mais heróis.

Magdalena explica que, por conta dessas transformações, os jovens podem ficar tristes e confusos até que compreendam a nova realidade. "Por isso apreciam ficar sozinhos no quarto, ouvindo música, navegando na internet ou sem fazer nada, e preferem a companhia dos amigos a dos pais".

Adolescentes tendem a procurar o isolamento temporário e se mostram arredios, pois passam por uma fase de grande autocrítica, buscam um espaço na sociedade, estão aprendendo a lidar com grupos e descobrindo sentimentos como o amor. A dificuldade de se encaixar em modelos sociais também gera tristezas e inseguranças.

Magdalena diz que nesse tempo de silêncio, é importante que os familiares se façam presentes oferecendo apoio, sendo gentis, pacientes e validando o sofrimento que o jovem manifesta, reconhecendo-o como real –sem exageros, é claro. "Os pais podem ajudar a fazer essas crises se transformarem em oportunidades de amadurecer",

Para Maria Angela Cruz, gestora da Clínica Psicológica do Instituto Sedes Sapientiae, em São Paulo, muitas vezes, os jovens sofrem porque ninguém lhes dá atenção ou porque os pais não compreendem essa fase de lutos.

Quando buscar ajuda especializada?


Se a apatia do adolescente perdura por muito tempo e ele se mostra desinteressado por coisas das quais gosta muito, sem substituí-las por outra, e o rendimento escolar sofre uma queda, os pais devem considerar a hipótese de depressão. Andrade recomenda que a família acompanhe o jovem a uma consulta psiquiátrica para que um profissional avalie o quadro.

"Choro excessivo, reclamação de dores físicas sem causa aparente e declarações que envolvam o desejo de morrer de forma insistente também são sinais de que é necessário buscar um médico", afirma.

Thinkstock
A literatura médica trata com cuidado os sintomas que marcam o quadro em adolescentes e ainda considera irritabilidade e instabilidade de humor, crises de raiva, manifestação de sentimentos de desesperança e culpa, perturbações do sono e uso abusivo de álcool e drogas como sinais. É essencial ter claro que tristeza não é uma característica obrigatória, embora o senso comum relacione uma coisa à outra.

 O tratamento indicado não é, necessariamente, medicamentoso. "Inicialmente, o recomendado é a terapia. As sessões podem solucionar o problema", conta o psiquiatra. Até hoje, não existem exames clínicos para diagnosticar o mal. No entanto, o psiquiatra pode solicitar exames para o jovem.

"Depois de crescidos, muitos deixam de frequentar o consultório do pediatra e não são acompanhados por nenhum médico. Então, é importante, antes de receitar um antidepressivo, que o profissional avalie a saúde do adolescente, para evitar que o remédio desencadeie alguma reação indesejável", conta Andrade.   

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Estilo
do UOL
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Topo