Infância

Descobrir o corpo e se masturbar são coisas diferentes, mas saudáveis

Getty Images
É comum que a criança pequena coloque a mão nos genitais como forma de reconhecer o próprio corpo Imagem: Getty Images

Rita Trevisan e Thaís Macena

Do UOL, em São Paulo

14/03/2014 08h05


Qual pai ou mãe já não se pegou sem saber o que fazer ao ver o filho, recém-saído das fraldas, manipular insistentemente os órgãos genitais? Segundo especialistas, o comportamento só evidencia que a criança está se desenvolvendo normalmente e isso não deve despertar incômodo nos adultos.

“É comum que as crianças entre três e seis anos coloquem a mão em seus genitais, como forma de reconhecer o próprio corpo. Só que esse toque não tem qualquer carga erótica”, afirma o médico João Luís Borzino, terapeuta sexual pela Sbrash (Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana).

Para as crianças, a experiência rende uma sensação parecida com a que sentimos ao coçar, com as pontas dos dedos, uma picada de inseto. A comparação é da ginecologista e sexóloga Carolina Ambrogini, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). E, nesse estágio, a manipulação dos genitais não deve ser considerada masturbação.

“A masturbação, em si, começa a acontecer mais tarde, em geral, paralelamente ao desenvolvimento dos caracteres sexuais, por volta dos 11 anos, ou um pouco antes. Nessa fase, o toque tem conotação erótica, e o jovem se estimula com o propósito consciente de provocar o prazer”, diz o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Junior, professor e médico do Ambulatório de Sexualidade da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Independentemente da idade do filho, a orientação aos pais é tratar o assunto com naturalidade. No caso dos menores, observe se não há outro motivo para a criança estar colocando as mãos nos genitais com frequência. "É muito comum que elas o façam em decorrência de uma assadura, alergia ou um incômodo na região, quando a roupa está apertada, por exemplo", fala Carolina.

Mesmo quando não há outra motivação para o toque, a não ser a curiosidade relacionada ao corpo, é preciso cuidado para não reprimir a criança, retirando a mão dela do local, dizendo que o que ela está fazendo é “feio” ou “ruim” ou, ainda pior, ameaçando aplicar um castigo, caso ela não pare.

Getty Images

Segundo o especialista, muitas pessoas que, na idade adulta, apresentam problemas sexuais, passaram por algum tipo de repressão, justamente na infância, que é uma fase de descobertas.

Mensagem clara

Ao conversar com o filho sobre o tema, o adulto não deve se alongar, já que a criança tem pouca condição de apreender as questões complexas relacionadas à sexualidade. Muita informação poderá confundi-la. Diga apenas o necessário e vá respondendo às demais perguntas que ela fizer sobre o assunto, à medida que forem surgindo, sem se antecipar.

Se, mesmo depois de algumas conversas, a criança, ainda fora da fase da puberdade, continuar se tocando de modo muito frequente, sem corresponder ao que foi combinado com os pais, é interessante observá-la com mais atenção.

“Uma criança preocupada, triste, ansiosa, cujos pais têm uma postura excessivamente crítica ou punitiva, pode usar a sensação de prazer proporcionada pelo toque como uma maneira de aliviar tanto mal-estar”, fala Marcela.

Thinkstock

Na adolescência, tudo muda

Falar sobre masturbação com adolescentes é outra história. “A masturbação passa a ser totalmente sexual quando a menina já menstrua e o menino entrou na puberdade. Nessa fase, a estimulação também é normal e ajuda os jovens a desenvolverem sua sexualidade de forma saudável”, diz o ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Junior.

É comum que meninos e meninas cheguem a se masturbar diariamente na adolescência, por causa da revolução hormonal pela qual estão passando e pelo aumento do interesse por outros jovens.

“Os pais, em geral, não precisam se preocupar com isso. A masturbação não provoca nenhum problema físico nem tem qualquer relação com um futuro comportamento promíscuo ou perverso”, declara Carolina de Mello Nascimento, psicóloga pela UFSCAR (Universidade Federal de São Carlos).

A masturbação só passa a ser um problema quando os adultos da casa percebem que o adolescente se isola para poder se tocar e que está mudando seu modo de agir, mostrando-se excessivamente triste, inseguro ou ansioso.

“A masturbação em público, mesmo após a orientação dos pais, também pode indicar problemas, como a dificuldade em aceitar limites ou a necessidade de chamar a atenção”, afirma a psicóloga Carolina. Nesses casos, conflitos emocionais provavelmente estão associados, e a orientação de profissionais especializados pode ser bem-vinda.

De qualquer forma, ao notar que o adolescente começou a se interessar pelo assunto, vale conversar sobre. Pais que se sentem envergonhados de abordar o tema podem usar livros e outros materiais ilustrativos para orientar os filhos. Também é importante deixar claro que os adultos estão abertos a responder dúvidas.

“É um excelente momento para conversar com o adolescente sobre diversos assuntos importantes relacionados à sexualidade, tais como prevenção de gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, a importância de assumir as consequências dos próprios atos e a necessidade de respeitar a si mesmo e as pessoas com quem irá se relacionar”, diz Marcela.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
Topo