Bebês

Babás fazem assustadores relatos de pais que "terceirizam" os filhos

Getty Images
Os pais devem delegar a babás funções mais operacionais e reservar mais tempo de convívio com a criança Imagem: Getty Images

Suzel Tunes e Thaís Macena

Do UOL, em São Paulo

08/04/2014 08h05

Durante quatro anos e meio, a babá Luiza*, 30 anos, trabalhou na casa de um empresário paulista. Tinha sob sua responsabilidade um bebê de um ano e seis meses e outro de apenas seis meses. Dormia no emprego e, no começo, tirava folga a cada 15 dias. Até que percebeu que suas ausências não faziam bem às crianças.

O que a babá do seu filho faz?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

“Elas eram muito apegadas a mim. Quando eu saía, não tomavam nem banho. O pai era atencioso, mas não tinha tempo de ficar com elas. Já a mãe não tinha mesmo vontade de ficar com os filhos. Uma vez, ela estava lendo uma revista e não viu quando o mais novo comeu uma lâmpada de pisca-pisca da árvore de Natal. Outra vez, deixou os dois sozinhos na sala e, quando se deu conta, o mais velho estava pendurado na sacada”, diz. Desde esse dia, a babá optou por diminuir suas folgas.

A situação vivida por Luiza é frequente no cotidiano das profissionais que tomam conta de crianças. É cada vez mais comum encontrar babás –algumas altamente qualificadas, com domínio do inglês e salários entre R$ 2.000 e R$ 8.000– assumindo praticamente todas as responsabilidades pelos cuidados com um filho que não é delas, desde a saída da maternidade.

O pediatra José Martins Filho, professor convidado do programa de pós-graduação em saúde da criança e do adolescente da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), chama o fenômeno de “terceirização das crianças”, tema de um de seus livros, lançado pela Editora Papirus.

Martins Filho destaca que o fenômeno não se restringe às classes mais altas. Trabalho demais e o trânsito caótico têm roubado momentos preciosos de convivência entre pais e filhos, em todos os setores da sociedade.

O pediatra é contundente. Para ele, parte da violência sofrida pela sociedade atual é devida à falta de construção de vínculos afetivos entre os familiares próximos.

“Há pesquisas inglesas em que os cientistas acompanham as crianças durante 20, 30 anos. Esses estudos mostram que a ausência de afeto nos primeiros anos de vida se traduz em dificuldades de relacionamento social, problemas de aprendizado, hiperatividade e agressividade. Por isso é que, em alguns países, a licença-maternidade é de dois anos e não apenas de quatro meses”, afirma.

Para a psicóloga Maria Tereza Maldonado, especialista pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio de Janeiro e membro da Associação Brasileira de Terapia Familiar, é no cuidado diário –trocar fralda, amamentar, acalentar, brincar etc.– que se constroem os vínculos de afeto.

“Pais e mães têm se afastado do cuidado, deixando que todo trabalho seja feito por terceiros. Mas essas tarefas significam construção de vínculo. Quando elas são delegadas a outra pessoa, esvazia-se essa construção.”

A psicóloga Ceres Alves de Araújo, professora da PUC de São Paulo, tem a mesma opinião. “Já conheci famílias que tinham babás em três turnos, de forma que a criança nunca ficava sozinha com os pais”, diz. Ela observa que muitos adultos, simplesmente, não têm paciência para cuidar de suas crianças, mesmo quando estão em casa.

“Sobretudo entre dois e cinco anos, os filhos exigem muito dos pais. Nessa fase, são muito comuns as birras, e os pais precisam impor limites até para proteger a criança de situações perigosas. Só que impor limites não é uma tarefa das mais fáceis ou prazerosas”, afirma.

Márcia*, 19, trabalhou apenas nove meses como babá de uma criança de três anos. Ela desistiu porque grande parte da responsabilidade pelos cuidados e até pela educação da criança foram delegados a ela.

“Eu praticamente era a mãe da criança. E os dois salários mínimos que recebia eram uma remuneração baixa demais para o tamanho da responsabilidade que tinha e para a carga de trabalho enorme, que incluía até viagens com a família. Quase não tinha folgas”, diz.

Rose*, 25, babá de uma menina de seis anos, conta que, da mesma forma que a colega, assume papéis que ela considera serem dos pais.

“Passo mais tempo com a menina do que a própria família dela. Chego às 9h e dou o café. Depois, levo para as aulas de esportes, dou almoço e, do clube mesmo, vamos direto para a escola. Ela só volta da escola às 18h, sou eu quem busca. Dou banho, jantar e depois brinco um pouco com ela. Também sou eu que a ajudo a fazer lição, que levo para as festinhas de aniversário e para brincar com as amiguinhas”, diz Rose. Apesar da atenção constante, ela nota que, às vezes, a garotinha fica carente. “A mãe viaja bastante a trabalho”, explica a babá.

Sinais de alerta

Manhas, birras, irritabilidade. Para a psicóloga Maria Tereza Maldonado, é fácil identificar uma criança que está pedindo mais tempo de convívio com os pais. “Ela gruda neles assim que chegam em casa. Ou, então, exige um monte de coisas e não se satisfaz com nada. Acorda seguidamente à noite, que é quando ela sabe que os pais estão em casa.” Há também crianças que apresentam franca rejeição aos pais ou ainda um forte apego à babá.

A profissional Meire*, 20, viveu a experiência de tomar conta de uma criança que se tornou, de certa forma, dependente dela, tamanho o apego. Meire cuidou de um menino de seis anos, que classifica como dono de um temperamento difícil.

Diagnosticado com depressão, o garoto recebia atendimento psicológico e tomava remédios controlados, que a babá administrava regularmente. Durante um ano, Meire passou todos os dias e as noites com o garoto, inclusive nos finais de semana. Depois desse período, quando decidiu tirar férias, o menino, mesmo sob tratamento, teve rompantes de agressividade.

“Ele não conseguia entender por que uma babá precisava de férias. Estava muito ligado a mim”, conta Meire.

Porém, segundo os especialistas, o envolvimento afetivo das crianças com suas cuidadoras não é necessariamente um problema. Afinal, é importante que, na primeira infância, as crianças tenham a oportunidade de desenvolver vínculos afetivos sólidos com um adulto, seja ele parente ou não.

A psicóloga Ceres Araújo lembra que as famílias sempre contaram com ajuda no cuidado com os filhos. “Avós e tias cuidavam das crianças quando as mães precisavam trabalhar. A novidade dos tempos atuais é ter pessoas estranhas à família exercendo esse papel”, afirma.

Parceria que funciona

Quando há um diálogo franco entre os pais e a babá, o ambiente se torna muito mais saudável para a criança. “Uma questão crucial, a meu ver, é que os pais consigam estabelecer uma relação de confiança com a babá. Se isso ocorre, todo mundo sai ganhando”, diz a psicóloga Sheila Skitnevsky Finger, doutora pela Escola Superior de Psicologia Profissional de Massachusetts, em Boston, nos Estados Unidos, e fundadora do Instituto Mãe Pessoa, especializado na capacitação de educadores e orientação de famílias.

A psicóloga não gosta de usar o termo “terceirização”. Ela diz que a palavra traz, em si, uma carga pejorativa, um julgamento aos pais que precisam contar com a ajuda de outras pessoas para tomarem conta de seus filhos. Para Sheila, é muito saudável que pais e mães tenham trabalho ou outros projetos para desenvolverem além do âmbito doméstico. “O modelo de mãe todo dia em casa não funciona mais em nossos tempos”, afirma.

Um caminho é estabelecer com a babá uma parceria que garanta momentos de privacidade só entre a criança e seus pais. Sempre que possível, aconselha Maria Tereza, os pais devem destinar à empregada o maior número possível de funções operacionais, ou seja, que tenham relação com a criança, mas não necessariamente impliquem contato direto com ela.

E para os pais que chegarem à conclusão de que talvez tenham delegado funções demais a uma terceira pessoa, a orientação é tentar estabelecer mudanças na dinâmica de cuidado, mas nunca de forma abrupta e sempre observando as reações da criança.

“Retomar o vínculo é sempre possível, mas é preciso querer e, acima de tudo, respeitar o tempo da criança”, afirma Sheila. Flexibilizar horários de trabalho nem sempre é uma solução possível, embora desejável.

Mas o importante mesmo é valorizar o tempo livre com a criança. “Quando chegar em casa, desligue TV, celular e Facebook e crie um tempo de convívio com o seu filho, reserve algumas horas na sua agenda só para ele”, diz Maria Tereza.

* Os nomes foram trocados para preservar a privacidade das entrevistadas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Notícias
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Topo