Gestação

Pagar parto por fora em convênio é indevido; CFM defende prática

Getty Images
O médico pode cobrar para fazer o parto mesmo sendo credenciado pelo convênio Imagem: Getty Images

Priscila Tieppo

Do UOL, em São Paulo

27/08/2014 07h15

Quando a fisioterapeuta Sheila Borges, 34 anos, ficou grávida, já sabia que para ter seu médico de confiança na hora do parto teria de pagar, mesmo ele sendo credenciado do convênio que a atendia. “Aqui é sempre assim: ou você paga para o médico ou terá de fazer o parto com o plantonista." Segundo ela, que mora em Santos, no litoral sul de São Paulo, há muitos casos como o dela na cidade.

No seu parto, mesmo tendo convênio, você teve de pagar algo ao médico que a atendeu?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

A prática é comum e aceita pelo CFM (Conselho Federal de Medicina), mas indevida para a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que regula os planos de saúde, e para o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

O valor é estipulado pelo médico, pois não há uma tabela ou uma recomendação do CFM e depende se o profissional levará uma equipe com ele (composta por auxiliar, anestesista, pediatra e instrumentador) ou se contará com a que estará de plantão no hospital.

Para a advogada Priscila Cavalcanti Carvalho, especialista em direito da mulher, o pagamento acaba sendo duplo, o que é ilegal. "Quando o paciente assina o contrato do plano de saúde, o atendimento obstétrico já faz parte do rol de procedimentos, que diz que a consumidora tem direito ao pré-natal e ao parto. Não tem sentido ela pagar duas vezes", afirma.

A advogada ressalta que o consumidor deve seguir o que diz a ANS, que é contra o pagamento extra. "A sociedade não deve se submeter ao órgão que representa os médicos. Nesse caso, a ANS tem prevalência, e a paciente pode acionar a Justiça", diz.

Joana Cruz, advogada do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), também é contra. “Essa cobrança deveria ser feita à operadora de saúde."

Para Joana, o consumidor está no meio de um “fogo cruzado” entre médicos e convênios. “Sabemos que as operadoras pagam aquém do serviço prestado por médicos. Uma gestante está bastante vulnerável, e a relação de confiança com o especialista é um costume no Brasil. Não dá para negar esse direito à paciente porque a operadora e o prestador de serviço não se acertam com honorários.”

Segundo o CFM, o valor pago pelo convênio ao médico varia entre R$ 160 e R$ 1.180 por parto. "No particular, custa de R$ 3.000 a R$ 8.000", diz Desiré Carlos Callegari, primeiro secretário da entidade.

A ANS também não concorda com a cobrança da disponibilidade do profissional, alegação bastante comum, pois a paciente já paga o convênio.

“Uma consumidora de plano hospitalar com obstetrícia tem o direito garantido de que o parto, normal ou cesárea, está no seu plano, e os honorários médicos serão, em sua totalidade, cobertos pela operadora. Qualquer taxa que o obstetra cobrar da gestante é ilegal e deve ser denunciada à ANS”, diz a agência por meio de nota. Caso haja cobrança, a ANS orienta que a paciente informe à operadora e à própria ANS, que poderá multar o convênio.

Para CFM, cobrança não é antiética

De acordo com Callegari, a cobrança da disponibilidade do médico não é antiética. “Não há nada na legislação que diga que essa prática é ilegal. Nós entendemos que, se a paciente quer aquele médico para fazer o parto, o profissional tem direito de cobrar.”

Segundo orientação do Conselho, esse acordo deve ser tratado na primeira consulta do pré-natal, e deve ficar claro para os pais que, se eles optarem por não pagar, podem fazer o parto sem custos com um plantonista do hospital indicado pelo convênio.

"Independentemente do acordo que será feito entre médico e paciente, tudo deve ser explicado no primeiro dia de consulta. Inclusive se o valor acordado inclui a equipe médica ou não", afirma Maria Rita de Souza Mesquita, diretora da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo).

Assim foi explicado para Sheila Borges desde o início da gestação de Heitor, hoje com um ano. “Aceitei pagar por fora por confiar no médico. Não queria fazer o parto com um desconhecido, não era hora de economizar. Se acontecesse algo de errado, eu me sentiria culpada”, afirma a fisioterapeuta, que deu à luz na Casa de Saúde de Santos.

O profissional, mesmo sendo do convênio de Sheila, cobrou em torno de R$ 2.500 a disponibilidade para o nascimento, mas não emitiu nenhum comprovante para a paciente, ao contrário do que orienta o CFM. “Foi um acordo verbal. Ele já era meu médico antes da gravidez, confiei totalmente e deu tudo certo.”

O CFM diz que, caso seja acordada essa disponibilidade, o médico deve emitir recibo para que a paciente possa tentar abater o valor do imposto de renda ou pedir ressarcimento do convênio. O reembolso não é garantido, pois nem todo plano prevê essa possibilidade. Mesmo a empresa que tem o sistema previsto pode alegar que a mulher tinha à sua disposição uma equipe médica e não a utilizou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Topo