Gestação

Recursos para evitar parto prematuro são mal utilizados

Getty Images
Um terço das mulheres em trabalho de parto prematuro recebe tratamentos ineficazes Imagem: Getty Images

Catherine Saint Louis

Do New York Times

29/08/2014 07h25

Pesquisadores constataram que, todo ano, aproximadamente um milhão de crianças morre no mundo inteiro após nascer prematuramente, e que duas estratégias eficazes para impedir as mortes são em grande medida subutilizadas.

Antes do parto, injeções de corticoides ajudam os pulmões do feto a amadurecer e a reduzir a dor respiratória, mortalidade e infecções nas primeiras 48 horas após o nascimento. Remédios para retardar o parto podem conferir mais tempo para que os corticoides funcionem e permitam a transferência para um ambiente no qual o tratamento intensivo esteja disponível, se for o caso.

Contudo, o maior estudo a examinar a utilização desses medicamentos em âmbito mundial, incluindo dados de 359 unidades de saúde em 29 países, constatou que somente 18%  das mulheres em trabalho de parto prematuro espontâneo receberam os dois tratamentos, sendo que 42% não tiveram acesso a nada. O estudo foi divulgado, neste mês, na publicação "The Lancet".

"O emprego atual de corticoides neonatais é muito baixo, sendo necessária mais pesquisa para compreender por que e como esse pode ser aprimorado", afirma o médico Joshua Vogel, principal autor do estudo e diretor técnico do Departamento de Pesquisa e Saúde Reprodutiva da OMS (Organização Mundial de Saúde).



O uso de medicamentos para retardar o parto, conhecidos como tocolíticos, é mais controverso. "Apesar de um grande número de testes, não ficou claro se os remédios para evitar o parto prematuro melhoram o cenário para o bebê", diz Vogel.

O estudo constatou que a utilização dessas drogas era não frequente e, quando eram administradas, as menos eficientes ou potencialmente menos nocivas eram mais utilizadas.

Por exemplo, drogas betamiméticas, como a terbutalina, costumam ser dadas a mulheres em trabalho de parto prematuro, embora esses medicamentos tenham mais efeitos colaterais, como dor no peito e dificuldade respiratória. Já a nifedipina, bloqueador de canal de cálcio, é o medicamento recomendado,  de acordo com Vogel.

Ainda segundo o médico, igualmente preocupante é o fato de mais de um terço das mulheres em trabalho de parto prematuro terem recebido tratamentos ineficazes, como o repouso.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Especiais
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo