Gestação

Casais contam desavenças na hora de escolher o nome do bebê

Junior Lago/UOL
Keller e Denise, com a filha, Lívia; os dois discordam sobre o nome do bebê a caminho Imagem: Junior Lago/UOL

Ana Caroline Castro

Do UOL, em São Paulo

20/09/2014 07h25

Quando um casal está esperando um bebê, uma das primeiras conversas costuma ser sobre como ele irá se chamar. O nome é parte da identidade, algo que se carrega por toda a vida. Nessa hora, vale pesquisar significados, inspirar-se em listas com sugestões, mas nem sempre essa é uma tarefa simples. E pode provocar muita discussão entre os casais.

Keller Aparecido Conceição não sabia o próprio nome até os seis anos, mais precisamente no primeiro dia de escola. Em casa só era chamado por Ticão. Quando a professora chamou por Keller, ele permaneceu sentado, sem saber que era por ele que ela chamava. Desde então, aprendeu a gostar de seu nome. “Sofria com brincadeiras. Muita gente não consegue falar ou confunde com nome de mulher. Mesmo assim, gosto do meu nome. Ele não é comum, é fácil de diferenciar.”

Quando sua mulher, Denise Conceição, engravidou da primeira filha, há cinco anos, a escolha do nome foi muito fácil: Lívia Keller. Por não ter o nome do pai em seu registro de nascimento, Keller quis transformar seu nome próprio em nome de família. Denise gostou, e os dois concordaram rapidamente. A discussão começou na segunda gravidez. O bebê que Denise espera está quase nascendo e ainda não tem nome. Ela quer Miguel. Ele quer Vinícius.

Denise acha que, como ele escolheu o Keller como segundo nome, ela tem o direito de escolher o primeiro. “Meu pai se chama Miguel, e nós dois somos devotos de Miguel Arcanjo. Além disso, há uma possibilidade de o bebê nascer no dia de São Miguel, que é em 29 de setembro.” Já Keller acha que Vinícius tem uma sonoridade mais bonita. Enquanto eles não decidem, os amigos e a família chamam a criança de “bebê Keller”.

Briga no cartório

Quando Diogo nasceu, há 12 anos, o enfeite da porta da maternidade carregava outro nome: Tiago. De uma família evangélica, Lílian Duarte sempre quis que o filho tivesse um nome bíblico. Passou a gravidez chamando-o por Tiago, e a família dela também.

Junior Lago/UOL
Lílian e o marido, Roberto, com o filho, Diogo Imagem: Junior Lago/UOL

Quando o casal saiu da maternidade e foi registrar o filho no cartório, uma surpresa. Roberto Ibrahim, o marido, disse que o menino não se chamaria Tiago. Lílian conta que se sentiu traída. “Ele não falou nada antes. Acho que ele pensou que na hora eu iria aceitar a mudança.”

Os dois saíram do cartório discutindo. Diante do impasse, sentados no carro para voltarem para casa, começaram a pensar em outros nomes. Foi Lílian quem sugeriu Diogo. “Quando ela falou, gostei na hora, queria mesmo um nome com cinco letras. Então voltamos e registramos”, conta Ibrahim. Tanto Lílian quanto sua família levaram um tempo para chamar o menino corretamente. “Olhava para a cara dele e pensava em Tiago”, fala.

Homenagem

Mariane Tescaro sempre soube que nome colocaria em seu filho: Davi. Queria um nome curto e bonito. O marido, Thomaz Tescaro, gostou, mas tinha outros planos em mente. “Meu avô Miguel morreu há três anos. E eu queria muito homenageá-lo. Ele era um homem incrível, sincero, bem-humorado e com um coração enorme. Queria que o meu filho, que não o conheceria, pelo menos, carregasse um pouco do bisavô consigo.”

Junior Lago/UOL
Mariane e Thomaz Tescaro com o filho, Davi Miguel Imagem: Junior Lago/UOL

Tescaro chegou a sugerir durante a gravidez que o nome fosse Davi Miguel. Mas, sempre que o assunto vinha à tona, Mariane falava que ficaria muito grande e que não queria. Quando a criança nasceu, Thomaz foi registrá-la. E voltou do cartório, que ficava dentro do hospital, com um sorriso no rosto. Agora era oficial: Davi Miguel Tescaro. “Na hora, fiquei muito brava. Não acreditava que ele tinha feito isso”, diz Mariane.

Aos poucos, a raiva foi passando. “A família do Thomaz ficou muito emocionada. Eles ligavam para mim chorando de alegria. Estavam muito felizes com a homenagem”, diz Mariane. “O apelido do meu avô era Mindozinho. O meu pai só chama o Davi Miguel de Mindozinho. Isso é muito legal”, fala Tescaro.

Mariane conta que demorou para chamar o filho pelo nome completo. “Só quando ele foi para a escola. Lá tinha outro Davi, daí eu passei a chamá-lo de Davi Miguel. Mas hoje olho para ele e penso que não teria nome mais perfeito do que esse. Davi quer dizer amado, e Miguel, querido de Deus. E o nosso filho é muito Davi Miguel.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Maternar
It Mãe
Guia do Bebê
Topo