Bebês

Dez táticas para driblar o excesso de visitas para o recém-nascido

Getty Images
Visitas na maternidade tendem a ser mais breves, deixe clara sua preferência Imagem: Getty Images

Maria Laura Albuquerque

Do UOL, em São Paulo

21/10/2014 07h15

Em nome do próprio bem-estar e o do bebê, a mulher que acabou de dar à luz tem licença para ser antissocial e para faltar com a verdade quando se trata de evitar uma enxurrada de visitas nos primeiros dias com a criança em casa. Pode parecer estranho para maioria das pessoas que algumas mães não queiram receber visitas o tempo todo e compartilhar a alegria de ter um novo integrante na família. Porém, o pós-parto é uma fase muito delicada.

Como você driblou o excesso de visitas quando seu filho nasceu?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

“Mãe, pai e bebê ainda estão se conhecendo e se adaptando à nova dinâmica familiar. A mulher ainda pode estar bastante cansada do trabalho de parto ou em fase pós-operatória, se tiver feito cesariana. A isso, somam-se novas responsabilidades e a privação de sono”, diz Gabi Prado, doula de parto e pós-parto que atende na Clínica Matryoshka, em São Paulo, e em domicílio.

Por isso tudo, Carolina Hofmeister, médica ginecologista e obstetra responsável pelo curso Preparando o Ninho, que faz parte da Escola de Pais do Mamusca, em São Paulo, explica que é importante que os pais deixem o lugar de vítimas da situação para se posicionem, colocando limites para os visitantes. Ainda segundo a ginecologista, o nascimento de um filho é um evento da vida privada e não da vida pública de uma família.

O estresse causado pelo excesso de visitas ou mesmo pelos telefonemas de pedidos para ir até a casa do recém-nascido agita o ambiente, deixa a mãe, muitas vezes, tensa e mal humorada (o que reflete no humor do bebê) e pode até potencializar uma depressão pós-parto.

“O puerpério, com a amamentação e os cuidados com a criança, é um momento ímpar em que o vínculo entre mãe e filho se restabelece após o rompimento marcado pelo parto”, diz Maria Tereza Campos, psicóloga especialista em psicologia clínica de São Paulo e professora universitária.

Sendo assim, receber visitas –programadas ou não– deveria ser a última coisa que as famílias deveriam se preocupar, ainda que queiram muito rever amigos e familiares e apresentar o bebê a eles. Como é natural que as pessoas fiquem ansiosas para conhecer a criança, é preciso pôr limites.


A primeira providência a tomar para evitar que a casa se torne um palco de muito movimento, sugere Gabi, é preparar um e-mail antes do nascimento, deixando espaço para uma foto e informações sobre o bebê, e enviá-lo aos mais próximos quando ele nascer. Isso pode ajudar a matar um pouco a curiosidade dos mais próximos.

“Na mensagem, os pais podem compartilhar a alegria, fazer com que as pessoas se sintam parte desse momento especial e, delicadamente, explicar que estão se adaptando e que precisam de tempo e calma para que isso aconteça, deixando claro que as visitas serão muito bem-vindas em breve –quando passarem os primeiros momentos de ajuste na rotina”, fala a doula.

Outra ideia, logo depois do parto, segundo Carolina, é enviar uma mensagem aos amigos e parentes informando que visitas serão recebidas na maternidade e informar os dias. Esse é um jeito sutil de delimitar o espaço.

Além disso, outras providências ajudam a driblar o excesso de pessoas em casa ou abreviar o tempo delas no local. Confira a seguir.

1 - Caso as pessoas apareçam sem avisar antes, atenda a porta de pijama, descabelada e com cara de sono (cena que pode acontecer mesmo premeditação). “Essa situação, geralmente, faz com que as visitas percebam que a mulher não está pronta para receber e que estava indo descansar ou estava descansando”, diz Gabi.

2 - Peça para outra pessoa atender a porta ou o interfone, explicar aos visitantes que você está dormindo e que precisa muito descansar e, assim que possível, fará contato para um novo encontro, em horário oportuno.

3 - Para evitar surpresas, deixe gravado, na secretaria eletrônica do telefone de casa e na caixa postal do celular, que não pode atender no momento e que visitas para o bebê serão bem-vindas mais adiante. Peça, ainda, para quem ligou deixar um recado para que você possa incluí-lo na lista de convidados.

4 - “O pai tem papel fundamental no controle do tempo de permanência das pessoas na casa”, fala Carolina. Ele pode, por exemplo, sugerir em determinado momento, que a conversa termine no jardim da casa ou no hall do prédio, já que a mulher precisa descansar ou cuidar do bebê.

5 - Não se sinta na obrigação de levar as visitas para ver o bebê, principalmente se ele estiver dormindo. Explique às pessoas que seu filho tem sono leve e fica irritado quando é acordado por qualquer barulho.

“As crianças, certamente, não se importarão em conhecer a tia-avó ou o amigo de infância do pai em outro momento”, diz Gabi.

Ainda assim, para não deixar a situação ficar chata, Carolina sugere mostrar fotos do bebê às visitas. Caso a criança esteja acordada, a vontade da mãe deve ser respeitada: ela só deve apresentar o filho aos convidados se sentir à vontade, tal como deixá-los pegá-lo no colo. Também é importante deixar as regras claras, como lavar as mãos e tirar os sapatos para entrar no quarto. 

6 - Diga às pessoas que o pediatra recomendou que visitas não são bem-vindas nas primeiras semanas de vida da criança –mesmo que o profissional não tenha dito isso. Aproveite-se da autoridade do médico!

7 - Caso as visitas prolonguem demais a estadia na casa, é interessante combinar com alguém –o pai da criança ou quem estiver ajudando (sogra, mãe, tia...)– que a pessoa sugira, na presença das visitas, que a mãe se retire para descansar. “Essa é uma forma sutil de mostrar às pessoas que aquele não é um bom momento para elas continuarem ali”, diz Gabi.

Outra boa estratégia é você mesma pedir licença para se retirar e fazer o bebê dormir, amamentar ou preparar o banho, por exemplo.

8 - Se estiver sozinha e for surpreendida por um visitante com quem não tem intimidade, invente algum compromisso –consulta no obstetra ou no pediatra, por exemplo– e diga que, por isso, a visita terá de ser rápida, informando o horário que terá de sair. 

9 - Caso as visitas estejam presentes no momento das refeições, não se intimide em almoçar ou jantar sem oferecer nada a elas. Explique que terá de se retirar para se alimentar.

10 - Estipule um horário para a visita se encerrar assim que as pessoas chegarem ou as informe por telefone. Vale explicar que receberá outra visita em seguida ou que em determinada hora ocorre o banho do bebê e esse é um momento que você faz questão de estar a sós com ele, totalmente dedicada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Topo